Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Mauá abre GT para regulamentar enfermagem

André Henriques/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Donisete Braga avalia possibilidade de aplicar jornada de trabalho de 30 horas semanais


Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

18/05/2015 | 07:00


A Prefeitura de Mauá, por meio da Pasta de Saúde, instalou um Grupo de Trabalho para avaliar a possibilidade de regulamentar a profissão de enfermeiro e instituir jornada de trabalho de 30 horas semanais. Fazem parte da discussão representantes da categoria, o Coren-SP (Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo), que é uma autarquia do governo federal, e o vereador Ricardinho da enfermagem (PTB).

A regulamentação da profissão está em tramitação no Congresso Nacional e na Câmara de Mauá. Há avaliações jurídicas de que a medida é inconstitucional, enquanto outros entendem que a aplicação dela aumentaria de forma significativa o custo com pessoal, já que seria necessário contratar mais servidores. “Estamos discutindo, mas não vou contrariar a orientação federal”, pontuou o prefeito Donisete Braga (PT).

“O enfermeiro já trabalha quase 24 horas e tem menos profissionais atuando nas Upas (Unidades de Pronto Atendimento 24 Horas) e UBSs (Unidades Básicas de Saúde) do que seria necessário. Em um local onde teria de ter seis enfermeiros, temos dois. Esse é o profissional que aguenta o mau humor da população em relação as filas, porque o paciente não reclama com os médicos”, argumentou Ricardinho.

De acordo com o conselheiro do Coren-SP Luciano André Rodrigues, o excesso de trabalho e a situação precária das unidades de Saúde têm resultado em problemas psicológicos e série de ameaças de populares. “Recebi diversos casos de enfermeiros que foram ameaçados com armas para que o atendimento fosse acelerado. Precisamos regulamentar as 30 horas”, comentou. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mauá abre GT para regulamentar enfermagem

Donisete Braga avalia possibilidade de aplicar jornada de trabalho de 30 horas semanais

Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

18/05/2015 | 07:00


A Prefeitura de Mauá, por meio da Pasta de Saúde, instalou um Grupo de Trabalho para avaliar a possibilidade de regulamentar a profissão de enfermeiro e instituir jornada de trabalho de 30 horas semanais. Fazem parte da discussão representantes da categoria, o Coren-SP (Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo), que é uma autarquia do governo federal, e o vereador Ricardinho da enfermagem (PTB).

A regulamentação da profissão está em tramitação no Congresso Nacional e na Câmara de Mauá. Há avaliações jurídicas de que a medida é inconstitucional, enquanto outros entendem que a aplicação dela aumentaria de forma significativa o custo com pessoal, já que seria necessário contratar mais servidores. “Estamos discutindo, mas não vou contrariar a orientação federal”, pontuou o prefeito Donisete Braga (PT).

“O enfermeiro já trabalha quase 24 horas e tem menos profissionais atuando nas Upas (Unidades de Pronto Atendimento 24 Horas) e UBSs (Unidades Básicas de Saúde) do que seria necessário. Em um local onde teria de ter seis enfermeiros, temos dois. Esse é o profissional que aguenta o mau humor da população em relação as filas, porque o paciente não reclama com os médicos”, argumentou Ricardinho.

De acordo com o conselheiro do Coren-SP Luciano André Rodrigues, o excesso de trabalho e a situação precária das unidades de Saúde têm resultado em problemas psicológicos e série de ameaças de populares. “Recebi diversos casos de enfermeiros que foram ameaçados com armas para que o atendimento fosse acelerado. Precisamos regulamentar as 30 horas”, comentou. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;