Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 4 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

De Papai Noel para Lula

Dizem que um jornalista americano quis saber, há alguns anos, como era a figura do candidato Lula


Carlos Brickmann

24/12/2008 | 00:00


Dizem que um jornalista americano quis saber, há alguns anos, como era a figura do candidato Lula. Explicaram-lhe: gordinho, baixinho, barbas brancas, sempre com algum vermelho na roupa. E o gringo, feliz: "Então é Papai Noel!"

O gringo estava errado. Papai Noel é Papai Noel, Lula é Lula, e é Papai Noel que está trazendo um presentão para o presidente Lula: mais um mandato. Lula disse que sua candidata anunciada, Dilma Rousseff, seria uma ótima presidente, mas ainda não sabe conquistar o eleitor. É verdade; mas é a primeira vez que Lula diz isso em público. E, mais grave, sabendo que não tem alternativa dentro do quadro legal de hoje. Palocci, com o caso do caseiro? Ou Patrus Ananias? Como divulgar seu nome, já que é pouquíssimo conhecido fora de Minas?

Lula sabe o que faz; e continua fazendo o que sempre fez, articular seu terceiro mandato. O único candidato petista capaz de enfrentar com sucesso o governador José Serra, hoje em dia, é o próprio Lula. O deputado Devanir Ribeiro, que não escolhe o prato do almoço sem consultar o velho amigo Lula, já defende publicamente o terceiro mandato. E há um projeto muito esperto, que proíbe a reeleição e muda o mandato para cinco anos. Este projeto pode abrir a brecha para que Lula se candidate de novo - afinal de contas, o quadro legal foi mudado, e as eleições anteriores fazem parte do quadro legal anterior.

Este colunista espera que cada um de seus leitores tenha um excelente Natal. O presente de nosso presidente Lula, podem ficar tranquilos, está garantido.

O dinheiro sumiu
A lista de investidores brasileiros lesados pelo fundo Madoff (aquele que fez evaporar algo como US$ 50 bilhões) ainda não é conhecida: as que vêm circulando pela Internet são diferentes umas das outras e não têm garantia de procedência. Mas que há investidores brasileiros no fundo, e grandes, há; e estes enfrentam dois problemas. Primeiro, seu dinheiro desapareceu; segundo, não podem reclamar, porque tudo indica que a origem do investimento seja ilegal. O dinheiro não volta, reclame ou não a vítima; e, se reclamar, corre o risco de um processo de lavagem de dinheiro no Brasil e nos Estados Unidos. Não há saída.

A dança dos espertos
Muita gente discute como fundos bem assessorados, ou investidores de sucesso, caíram na conversa de Madoff. Simples: é a história do conto do vigário. O vigarista só consegue enganar a vítima porque esta pensa que vai levar vantagem em cima dele. Quando o esperto tem certeza de que é esperto, vira otário.

A Polaroid no telhado
A Polaroid, primeira empresa do mundo a produzir câmeras e filmes de revelação imediata, pediu concordata. O motivo pouco tem a ver com a crise: o dono da empresa desde 2005, o Petters Group, quebrou, e seu acionista principal, Tom Petters, é acusado de fraude. A empresa acredita que é possível recuperar-se.

Lula e Sarkozy
Os papéis estão assinados, Brasil e  França estão de acordo, mas é bom esperar para saber se os cinco submarinos e as dezenas de helicópteros serão mesmo construídos. O Orçamento brasileiro de 2009 não tem qualquer verba prevista para este fim. A França promete financiamento, mas também enfrenta a crise.

O passado não condena
O coronel PM reformado Eli Nepomuceno foi nomeado chefe da recém-criada Guarda Municipal de Mogi das Cruzes, SP. Lembra-se dele? Era comandante da Rota, tropa de choque da PM paulista, no dia 23 de abril de 1975, data em que policiais mataram três jovens "por engano". O episódio está registrado no ótimo livro "Rota 66", bela reportagem de um grande jornalista, Caco Barcellos. O livro também relaciona o coronel Eli Nepomuceno a outro homicídio.

Nunca verás...
O DNIT, Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, é o setor oficial encarregado de conservar e ampliar o sistema rodoviário federal. Ou talvez não seja: o diretor-geral do DNIT, Luiz Antônio Pagot, depois de percorrer (de helicóptero, que não há molejo de carro que aguente) as estradas, recomendou que ninguém vá de automóvel para Angra e Paraty (RJ), São Lourenço e Caxambu (MG). Simples: o Governo, em vez de consertar, aconselha a não usar.

...um país como este
O Ministério da Saúde está licitando a compra de 15 milhões de sachês com gel lubrificante para distribuí-los à comunidade gay. Objetivo: reduzir danos (e, portanto, doenças) resultantes das relações sexuais anais. Do jeito que eles governam, o gel não é só para gays: é bom para todos nós.

As boas festas
O Congresso está em recesso, oficialmente, desde anteontem. Na verdade, o recesso começou na quinta-feira passada, quando se realizou a última sessão normal. A de anteontem, na Câmara, teve três participantes: um presidindo, um discursando, um ouvindo. O Congresso volta a funcionar no dia 2 de fevereiro. E como é que se sabe que o Congresso já parou oficialmente de trabalhar? Não é difícil: nos descansos oficiais, o Tesouro economiza.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

De Papai Noel para Lula

Dizem que um jornalista americano quis saber, há alguns anos, como era a figura do candidato Lula

Carlos Brickmann

24/12/2008 | 00:00


Dizem que um jornalista americano quis saber, há alguns anos, como era a figura do candidato Lula. Explicaram-lhe: gordinho, baixinho, barbas brancas, sempre com algum vermelho na roupa. E o gringo, feliz: "Então é Papai Noel!"

O gringo estava errado. Papai Noel é Papai Noel, Lula é Lula, e é Papai Noel que está trazendo um presentão para o presidente Lula: mais um mandato. Lula disse que sua candidata anunciada, Dilma Rousseff, seria uma ótima presidente, mas ainda não sabe conquistar o eleitor. É verdade; mas é a primeira vez que Lula diz isso em público. E, mais grave, sabendo que não tem alternativa dentro do quadro legal de hoje. Palocci, com o caso do caseiro? Ou Patrus Ananias? Como divulgar seu nome, já que é pouquíssimo conhecido fora de Minas?

Lula sabe o que faz; e continua fazendo o que sempre fez, articular seu terceiro mandato. O único candidato petista capaz de enfrentar com sucesso o governador José Serra, hoje em dia, é o próprio Lula. O deputado Devanir Ribeiro, que não escolhe o prato do almoço sem consultar o velho amigo Lula, já defende publicamente o terceiro mandato. E há um projeto muito esperto, que proíbe a reeleição e muda o mandato para cinco anos. Este projeto pode abrir a brecha para que Lula se candidate de novo - afinal de contas, o quadro legal foi mudado, e as eleições anteriores fazem parte do quadro legal anterior.

Este colunista espera que cada um de seus leitores tenha um excelente Natal. O presente de nosso presidente Lula, podem ficar tranquilos, está garantido.

O dinheiro sumiu
A lista de investidores brasileiros lesados pelo fundo Madoff (aquele que fez evaporar algo como US$ 50 bilhões) ainda não é conhecida: as que vêm circulando pela Internet são diferentes umas das outras e não têm garantia de procedência. Mas que há investidores brasileiros no fundo, e grandes, há; e estes enfrentam dois problemas. Primeiro, seu dinheiro desapareceu; segundo, não podem reclamar, porque tudo indica que a origem do investimento seja ilegal. O dinheiro não volta, reclame ou não a vítima; e, se reclamar, corre o risco de um processo de lavagem de dinheiro no Brasil e nos Estados Unidos. Não há saída.

A dança dos espertos
Muita gente discute como fundos bem assessorados, ou investidores de sucesso, caíram na conversa de Madoff. Simples: é a história do conto do vigário. O vigarista só consegue enganar a vítima porque esta pensa que vai levar vantagem em cima dele. Quando o esperto tem certeza de que é esperto, vira otário.

A Polaroid no telhado
A Polaroid, primeira empresa do mundo a produzir câmeras e filmes de revelação imediata, pediu concordata. O motivo pouco tem a ver com a crise: o dono da empresa desde 2005, o Petters Group, quebrou, e seu acionista principal, Tom Petters, é acusado de fraude. A empresa acredita que é possível recuperar-se.

Lula e Sarkozy
Os papéis estão assinados, Brasil e  França estão de acordo, mas é bom esperar para saber se os cinco submarinos e as dezenas de helicópteros serão mesmo construídos. O Orçamento brasileiro de 2009 não tem qualquer verba prevista para este fim. A França promete financiamento, mas também enfrenta a crise.

O passado não condena
O coronel PM reformado Eli Nepomuceno foi nomeado chefe da recém-criada Guarda Municipal de Mogi das Cruzes, SP. Lembra-se dele? Era comandante da Rota, tropa de choque da PM paulista, no dia 23 de abril de 1975, data em que policiais mataram três jovens "por engano". O episódio está registrado no ótimo livro "Rota 66", bela reportagem de um grande jornalista, Caco Barcellos. O livro também relaciona o coronel Eli Nepomuceno a outro homicídio.

Nunca verás...
O DNIT, Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, é o setor oficial encarregado de conservar e ampliar o sistema rodoviário federal. Ou talvez não seja: o diretor-geral do DNIT, Luiz Antônio Pagot, depois de percorrer (de helicóptero, que não há molejo de carro que aguente) as estradas, recomendou que ninguém vá de automóvel para Angra e Paraty (RJ), São Lourenço e Caxambu (MG). Simples: o Governo, em vez de consertar, aconselha a não usar.

...um país como este
O Ministério da Saúde está licitando a compra de 15 milhões de sachês com gel lubrificante para distribuí-los à comunidade gay. Objetivo: reduzir danos (e, portanto, doenças) resultantes das relações sexuais anais. Do jeito que eles governam, o gel não é só para gays: é bom para todos nós.

As boas festas
O Congresso está em recesso, oficialmente, desde anteontem. Na verdade, o recesso começou na quinta-feira passada, quando se realizou a última sessão normal. A de anteontem, na Câmara, teve três participantes: um presidindo, um discursando, um ouvindo. O Congresso volta a funcionar no dia 2 de fevereiro. E como é que se sabe que o Congresso já parou oficialmente de trabalhar? Não é difícil: nos descansos oficiais, o Tesouro economiza.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;