Fechar
Publicidade

Domingo, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

China pede maior integração econômica entre os Brics



04/09/2017 | 03:59


Dos US$ 197 bilhões de investimentos externos realizados pelos Brics em 2016, apenas 5,7% foram destinados a negócios nos países do bloco, disse nesta segunda-feira o presidente da China, Xi Jinping. Para ele, a estatística revela que há um grande espaço para ampliar a integração econômica entre Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul.

No discurso de abertura da 9ª Cúpula dos BRICS em Xiamen, Xi disse que os cinco parceiros devem trabalhar para aprofundar sua cooperação e lançar uma segunda "década de ouro" de crescimento. O presidente chinês defendeu que os cinco países explorem as complementaridades de suas estratégias de desenvolvimento e adotem medidas pragmáticas, que produzam resultados econômicos tangíveis.

Com 40% da população e 25% do território do planeta, os cinco países eram vistos como a grande promessa da economia mundial no começo da década passada, quando eram impulsionados pela alta no preço das commodities e o sucesso da integração da China e da Índia a cadeias produtivas globais.

Mas a queda nos preços de minérios e petróleo atingiu em cheio as performances do Brasil, Rússia e África do Sul. China e Índia mantiveram elevados índices de crescimento e aumentaram seu peso relativo dentro do grupo. Hoje, a economia chinesa é maior que a soma das de seus quatro parceiros. "Nós ainda precisamos explorar todo o potencial da cooperação dos Brics."

No discurso de abertura da cúpula, Xi anunciou que a China destinará o equivalente a R$ 240 milhões a um fundo para troca de experiências e facilitação de comércio e investimentos entre os países do bloco. Pequim também destinará US$ 4 milhões ao banco dos BRICS.

Os valores são ínfimos quando comparados aos US$ 124 bilhões que a China prometeu destinar à iniciativa "Um Cinturão, Uma Rota", durante evento sobre o assunto em maio.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

China pede maior integração econômica entre os Brics


04/09/2017 | 03:59


Dos US$ 197 bilhões de investimentos externos realizados pelos Brics em 2016, apenas 5,7% foram destinados a negócios nos países do bloco, disse nesta segunda-feira o presidente da China, Xi Jinping. Para ele, a estatística revela que há um grande espaço para ampliar a integração econômica entre Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul.

No discurso de abertura da 9ª Cúpula dos BRICS em Xiamen, Xi disse que os cinco parceiros devem trabalhar para aprofundar sua cooperação e lançar uma segunda "década de ouro" de crescimento. O presidente chinês defendeu que os cinco países explorem as complementaridades de suas estratégias de desenvolvimento e adotem medidas pragmáticas, que produzam resultados econômicos tangíveis.

Com 40% da população e 25% do território do planeta, os cinco países eram vistos como a grande promessa da economia mundial no começo da década passada, quando eram impulsionados pela alta no preço das commodities e o sucesso da integração da China e da Índia a cadeias produtivas globais.

Mas a queda nos preços de minérios e petróleo atingiu em cheio as performances do Brasil, Rússia e África do Sul. China e Índia mantiveram elevados índices de crescimento e aumentaram seu peso relativo dentro do grupo. Hoje, a economia chinesa é maior que a soma das de seus quatro parceiros. "Nós ainda precisamos explorar todo o potencial da cooperação dos Brics."

No discurso de abertura da cúpula, Xi anunciou que a China destinará o equivalente a R$ 240 milhões a um fundo para troca de experiências e facilitação de comércio e investimentos entre os países do bloco. Pequim também destinará US$ 4 milhões ao banco dos BRICS.

Os valores são ínfimos quando comparados aos US$ 124 bilhões que a China prometeu destinar à iniciativa "Um Cinturão, Uma Rota", durante evento sobre o assunto em maio.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;