Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 13 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Número de infecções da Aids se estabiliza pela primeira vez


Da AFP

30/05/2006 | 12:09


Um relatório do Unaids (Programa das Nações Unidas contra a AIDS) divulgado nesta terça-feira anunciou que a incidência de novos casos do vírus HIV da Aids parece se estabilizar pela primeira vez em 25 anos de história da doença, apesar das previsões de que a pandemia global terá ainda um profundo e prolongado impacto.

Enquanto o mundo obtém finalmente alguns avanços contra a expansão da doença, graças a um aumento maciço dos investimentos para enfrentá-la, um maior acesso a medicamentos e uma crescente conscientização, grandes problemas continuam preocupantes, já que os programas de prevenção em muitos países estão longe de alcançar seus objetivos, adverte a agência da ONU que coordena a luta contra o HIV.

"Acredita-se que o nível de incidência do HIV (a porcentagem de pessoas que foram infectadas com o vírus) chegou a um pico no final dos anos 90 e que se estabilizou depois, sem apresentar uma incidência crescente em vários países", afirma a agência Unaids em seu último "Relatório de Epidemia Global da Aids".

No entanto, a agência adverte que não há espaço para a complacência.

"Sabemos o que é necessário para se deter a Aids. O que precisamos agora é da vontade para conseguir que isso seja feito", sustenta o relatório.

A Aids matou mais de 25 milhões de pessoas desde que foi registrada pela primeira vez em 1981, enquanto o vírus HIV que precede a Aids infectou 65 milhões de pessoas no mesmo período.

No último ano, a Aids tirou a vida de 2,8 milhões de pessoas e mais de 4,1 milhões foram infectadas, segundo o estudo.

Em 2003, a ONU estimou que havia 4,8 milhões de novos casos.

Uma estimativa mostrava que 38,6 milhões de pessoas viviam com o HIV no final de 2005 e que a vasta maioria delas não tinha consciência de que estava infectada, acrescenta o relatório.

O relatório Unaids é elaborado com base em números apresentados país por país, um trabalho que a agência sediada em Genebra realiza uma vez a cada dois anos.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Número de infecções da Aids se estabiliza pela primeira vez

Da AFP

30/05/2006 | 12:09


Um relatório do Unaids (Programa das Nações Unidas contra a AIDS) divulgado nesta terça-feira anunciou que a incidência de novos casos do vírus HIV da Aids parece se estabilizar pela primeira vez em 25 anos de história da doença, apesar das previsões de que a pandemia global terá ainda um profundo e prolongado impacto.

Enquanto o mundo obtém finalmente alguns avanços contra a expansão da doença, graças a um aumento maciço dos investimentos para enfrentá-la, um maior acesso a medicamentos e uma crescente conscientização, grandes problemas continuam preocupantes, já que os programas de prevenção em muitos países estão longe de alcançar seus objetivos, adverte a agência da ONU que coordena a luta contra o HIV.

"Acredita-se que o nível de incidência do HIV (a porcentagem de pessoas que foram infectadas com o vírus) chegou a um pico no final dos anos 90 e que se estabilizou depois, sem apresentar uma incidência crescente em vários países", afirma a agência Unaids em seu último "Relatório de Epidemia Global da Aids".

No entanto, a agência adverte que não há espaço para a complacência.

"Sabemos o que é necessário para se deter a Aids. O que precisamos agora é da vontade para conseguir que isso seja feito", sustenta o relatório.

A Aids matou mais de 25 milhões de pessoas desde que foi registrada pela primeira vez em 1981, enquanto o vírus HIV que precede a Aids infectou 65 milhões de pessoas no mesmo período.

No último ano, a Aids tirou a vida de 2,8 milhões de pessoas e mais de 4,1 milhões foram infectadas, segundo o estudo.

Em 2003, a ONU estimou que havia 4,8 milhões de novos casos.

Uma estimativa mostrava que 38,6 milhões de pessoas viviam com o HIV no final de 2005 e que a vasta maioria delas não tinha consciência de que estava infectada, acrescenta o relatório.

O relatório Unaids é elaborado com base em números apresentados país por país, um trabalho que a agência sediada em Genebra realiza uma vez a cada dois anos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;