Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Pólo de Capuava vive momento decisivo


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

07/04/2007 | 07:02


O Pólo Petroquímico de Capuava vive um momento decisivo para o fortalecimento da atividade no Grande ABC. A Unipar – controladora da Petroquímica União, de Santo André – e a Suzano Petroquímica, que tem fábrica em Mauá, aceleraram as negociações com a Petrobras com a meta de ter na região uma grande empresa integrada, que unificaria ativos de diversas companhias por meio de uma recomposição acionária.

Segundo o presidente da Unipar, Roberto Garcia, as conversas já vinham sendo travadas mas ganharam intensidade após a recente aquisição das operações petroquímicas do grupo Ipiranga (a Copesul) em Triunfo (RS), pela Petrobras e pela Braskem.

Como a Braskem já é dona da Copene, em Camaçari (BA), a venda da Ipiranga significou a criação de um forte bloco empresarial e que integra atividades de primeira geração (itens básicos, como eteno e propeno) e de segunda geração (como as resinas polipropileno e polietileno) nas duas centrais produtoras de petroquímicos – hoje são apenas quatro no País – no Nordeste e no Sul.

"É um modelo empresarial diferente do que temos no Grande ABC", explica Garcia. Além do Pólo de Capuava, a outra central produtora brasileira é a Rio Polímeros, em Duque de Caxias (RJ), que também possui suas operações integradas, mas tem tamanho pequeno na comparação com a Copene e a Copesul.

Para Garcia, o ideal para ganhar competitividade e não ficar para trás como competidor global seria esse modelo de gestão, com a participação da Petrobras – que é fornecedora de insumos (gás e nafta) para o setor – e que deve incluir ainda outras indústrias do ramo, como a Suzano Petroquímica.

Megaprojeto – Ao mesmo tempo em que negociam a integração de ativos na região, Suzano Petroquímica e Unipar conversam para serem sócias da estatal em outro projeto. A Petrobras planeja uma megacentral petroquímica, em Itaboraí (RJ), que deverá demandar US$ 8,5 bilhões e produzirá 1,3 milhão de toneladas anuais de eteno, além de outros itens de segunda geração, quando entrar em operação em 2012. "A nossa intenção é que tenhamos no País dois grandes blocos empresariais, um do Nordeste/Sul e outro do Sudeste. Não queremos perder essa oportunidade", afirmou Garcia.


Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;