Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Sem Michels, PV e PSB voltam à base petista

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Aliadas antigos do petismo, legendas se antagonizaram durante governos de Lauro


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

10/04/2021 | 00:01


A saída do ex-prefeito Lauro Michels (PV), de Diadema, e de seu primo, o ex-vereador Marcos Michels (PSB), do atual cenário político da cidade fez com que PV e PSB voltassem à base política do PT. As duas legendas se aproximaram do petismo com a volta do prefeito José de Filippi Júnior (PT) ao Paço e até passaram a ocupar cargos no governo.

Até meados de 2011, durante o último governo petista, de Mário Reali (2009-2012), os dois partidos davam suporte ao PT diademense e até integravam o primeiro escalão da gestão. O PSB, inclusive, ocupava a cadeira de vice, com Gilson Menezes (morreu no ano passado). Já o PV só deixou de orbitar o petismo depois que Lauro, então vereador pelo PSDB, migrou para a legenda e construiu candidatura a prefeito. Ele venceu aquele pleito e levou a legenda verde ao patamar de antagonista do PT e dos governos petistas, embora o partido tenha dado suporte às gestões petistas.

No primeiro governo de Lauro, o PSB se distanciou do petismo e aderiu à base ‘laurista’. Mas foi a partir da reeleição do verde, em 2016, que o partido vestiu de vez a camisa do governo. Então no PV, Marcos migrou para a legenda socialista e assumiu o comando do partido. Nas duas gestões de Lauro, os dois partidos encabeçaram secretarias estratégicas, como Habitação, Educação e Chefia de Gabinete.

O PV e o PSB só voltaram a ocupar trincheiras opostas no pleito do ano passado, quando Marcos já havia rachado com Lauro e lançado candidatura própria ao Paço – ficou em sexto lugar – a despeito de o verde escolher outro nome, o do então presidente da Câmara, Pretinho do Água Santa (DEM), que amargou a quarta colocação. No segundo turno, os socialistas desembarcaram na campanha de Filippi.

Juntas, as duas legendas elegeram quatro vereadores: Talabi Fahel e Cabo Angelo (ambos do PV) e Cicinho e Jerry Bolsas (PSB). A primeira sinalização de reaproximação das legendas com o petismo ocorreu já no dia 1º, quando os quatro votaram no vereador Josa Queiroz (PT) na disputa pela presidência da Câmara – foi eleito com apoio dos 21 parlamentares. Desde então, os pares têm apoiado as iniciativas do governo Filippi e até elogiado o prefeito. Na sessão de quinta-feira, por exemplo, Cabo Angelo exaltou o empenho do prefeito para tentar manter o posto do IML (Instituto Médico-Legal) na cidade, cujo fechamento havia sido determinado pelo governo do Estado.  



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;