Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Em quatro meses de recuperação, atividade econômica subiu 12,25% no Brasil

Tania Rego/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


15/10/2020 | 10:06


Após a forte queda nos meses de março e abril, quando o isolamento social se intensificou, a atividade econômica segue em trajetória de recuperação no Brasil. Mesmo com o País ainda enfrentando a pandemia do novo coronavírus, o Índice de Atividade do Banco Central (IBC-Br) acumulou o quarto mês consecutivo de alta. Em agosto, o indicador avançou 1,06% em relação a julho, na série já livre de efeitos sazonais.

Com o desempenho de agosto, a atividade econômica brasileira registrou expansão de 12,25% desde abril - quando foram registrados os piores resultados na pandemia. Medido em pontos, o IBC-Br saltou de 119,42 pontos em abril para 134,05 pontos em agosto.

O IBC-Br acumulou baixa de 5,44% no ano até agosto, informou o BC. O porcentual diz respeito à série sem ajustes sazonais. Pela mesma série, o IBC-Br apresenta baixa de 4,09% nos 12 meses encerrados em agosto.

Revisões

O Banco Central revisou nesta quinta-feira dados do IBC-Br na margem, na série com ajuste. O índice de julho foi de +2,15% para +3,71%, enquanto o IBC-Br de junho passou de +5,32% para +5,33%.

No caso de maio, o índice foi de +1,86% para +1,68%. O dado de abril passou de -9,37% para -9,27% e o de março foi de -5,89% para -5,93%. Em relação a fevereiro, o BC alterou o indicador de +0,51% para +0,41%.

Média móvel trimestral

A média móvel trimestral do Índice de Atividade do Banco Central subiu 3,30% em agosto, na série com ajuste sazonal. Em julho, o indicador havia registrado alta de 3,59% e, em junho, baixa de 1,00%.

Os dados gerais do índice foram divulgados na manhã desta quinta-feira pelo Banco Central. Bastante observada pelos economistas do mercado financeiro, a média móvel do IBC-Br costuma ser usada como indicativo de tendências para o índice. O porcentual de hoje refletiu a comparação entre o trimestre encerrado em agosto e o trimestre encerrado em julho.

Conhecido como uma espécie de "prévia do BC para o PIB", o IBC-Br serve mais precisamente como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. A projeção atual do BC para a atividade doméstica em 2020 é de retração de 5,0%. Este cálculo foi divulgado por meio do Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de setembro.

No Relatório de Mercado Focus divulgado pelo BC na última terça-feira, a projeção é de queda de 5,03% do PIB em 2020. O Focus reúne as projeções dos economistas do mercado financeiro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em quatro meses de recuperação, atividade econômica subiu 12,25% no Brasil


15/10/2020 | 10:06


Após a forte queda nos meses de março e abril, quando o isolamento social se intensificou, a atividade econômica segue em trajetória de recuperação no Brasil. Mesmo com o País ainda enfrentando a pandemia do novo coronavírus, o Índice de Atividade do Banco Central (IBC-Br) acumulou o quarto mês consecutivo de alta. Em agosto, o indicador avançou 1,06% em relação a julho, na série já livre de efeitos sazonais.

Com o desempenho de agosto, a atividade econômica brasileira registrou expansão de 12,25% desde abril - quando foram registrados os piores resultados na pandemia. Medido em pontos, o IBC-Br saltou de 119,42 pontos em abril para 134,05 pontos em agosto.

O IBC-Br acumulou baixa de 5,44% no ano até agosto, informou o BC. O porcentual diz respeito à série sem ajustes sazonais. Pela mesma série, o IBC-Br apresenta baixa de 4,09% nos 12 meses encerrados em agosto.

Revisões

O Banco Central revisou nesta quinta-feira dados do IBC-Br na margem, na série com ajuste. O índice de julho foi de +2,15% para +3,71%, enquanto o IBC-Br de junho passou de +5,32% para +5,33%.

No caso de maio, o índice foi de +1,86% para +1,68%. O dado de abril passou de -9,37% para -9,27% e o de março foi de -5,89% para -5,93%. Em relação a fevereiro, o BC alterou o indicador de +0,51% para +0,41%.

Média móvel trimestral

A média móvel trimestral do Índice de Atividade do Banco Central subiu 3,30% em agosto, na série com ajuste sazonal. Em julho, o indicador havia registrado alta de 3,59% e, em junho, baixa de 1,00%.

Os dados gerais do índice foram divulgados na manhã desta quinta-feira pelo Banco Central. Bastante observada pelos economistas do mercado financeiro, a média móvel do IBC-Br costuma ser usada como indicativo de tendências para o índice. O porcentual de hoje refletiu a comparação entre o trimestre encerrado em agosto e o trimestre encerrado em julho.

Conhecido como uma espécie de "prévia do BC para o PIB", o IBC-Br serve mais precisamente como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. A projeção atual do BC para a atividade doméstica em 2020 é de retração de 5,0%. Este cálculo foi divulgado por meio do Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de setembro.

No Relatório de Mercado Focus divulgado pelo BC na última terça-feira, a projeção é de queda de 5,03% do PIB em 2020. O Focus reúne as projeções dos economistas do mercado financeiro.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;