Fechar
Publicidade

Sábado, 31 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Após pedido inclusão na lista da Interpol, defesa diz que Struck vai se entregar



21/09/2020 | 20:46


O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) informou, nesta segunda-feira, 21, que pediu a inclusão do ex-subsecretário de Administração Geral da Secretaria de Saúde da capital federal, Iohan Andrade Struck, na lista de difusão vermelha da Interpol.

Segundo a Procuradoria, a medida é uma estratégia para impedir que Iohan deixe o País. Ele é o único foragido entre os sete alvos da Operação Falso Negativo, que investiga suspeitas de superfaturamento e fraudes na compra de testes rápidos de covid-19 na gestão do governador Ibaneis Rocha (MDB), e teve o mandado de prisão expedido há quase um mês.

O advogado Alexandre Adjafre, que defende Struck, informou que o ex-subsecretário estava cumprindo isolamento social após apresentar sintomas do novo coronavírus. O resultado do teste deu negativo para covid-19. Nesse meio tempo, a defesa apresentou um pedido de revogação da ordem de prisão e aguardava o parecer da Justiça, que ainda não apreciou o requerimento. Diante do quadro, o advogado de Struck afirmou que ele vai se apresentar às autoridades nos próximos dias.

"Ele vai se apresentar para prestar todos os esclarecimentos necessários à Justiça, ao Ministério Público e à sociedade brasiliense. Não só sobre como, efetivamente, todos os procedimentos aconteceram dentro da legalidade, mas especialmente para demonstrar a sua total inocência quantos aos fatos relatados na denúncia", informou o advogado.

A Operação Falso Negativo prendeu preventivamente o chefe da Secretaria de Saúde, Francisco Araújo, e outros quatro integrantes da cúpula da pasta suspeitos pelo desvio de cerca de R$ 18 milhões destinados ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus no Distrito Federal. São eles:

Eduardo Pojo do Rego, ex-secretário adjunto de Gestão em Saúde;

Ricardo Tavares Mendes, ex-secretário adjunto de Assistência à Saúde;

Eduardo Hage, ex-subsecretário de Vigilância de Saúde;

Ramon Santana Lopes Azevedo, ex-assessor especial do secretário de Saúde;

Jorge Chamon, ex-diretor do Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen).

Após a operação, o grupo foi exonerado dos cargos pelo governador. A denúncia apresentada pelo Ministério Público imputa aos ex-servidores os crimes de fraude à licitação, lavagem de dinheiro, organização criminosa e corrupção ativa e passiva.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO ALEXANDRE ADJAFRE

A reportagem entrou em contato com o advogado Alexandre Adjafre, defensor de Iohan Andrade Struck, que informou que o ex-subsecretário vai se apresentar para "prestar todos os esclarecimentos necessários à Justiça, ao Ministério Público e à sociedade brasiliense".

"Não só sobre como, efetivamente, todos os procedimentos aconteceram dentro da legalidade, mas especialmente para demonstrar a sua total inocência quantos aos fatos relatados na denúncia", disse o advogado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Após pedido inclusão na lista da Interpol, defesa diz que Struck vai se entregar


21/09/2020 | 20:46


O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) informou, nesta segunda-feira, 21, que pediu a inclusão do ex-subsecretário de Administração Geral da Secretaria de Saúde da capital federal, Iohan Andrade Struck, na lista de difusão vermelha da Interpol.

Segundo a Procuradoria, a medida é uma estratégia para impedir que Iohan deixe o País. Ele é o único foragido entre os sete alvos da Operação Falso Negativo, que investiga suspeitas de superfaturamento e fraudes na compra de testes rápidos de covid-19 na gestão do governador Ibaneis Rocha (MDB), e teve o mandado de prisão expedido há quase um mês.

O advogado Alexandre Adjafre, que defende Struck, informou que o ex-subsecretário estava cumprindo isolamento social após apresentar sintomas do novo coronavírus. O resultado do teste deu negativo para covid-19. Nesse meio tempo, a defesa apresentou um pedido de revogação da ordem de prisão e aguardava o parecer da Justiça, que ainda não apreciou o requerimento. Diante do quadro, o advogado de Struck afirmou que ele vai se apresentar às autoridades nos próximos dias.

"Ele vai se apresentar para prestar todos os esclarecimentos necessários à Justiça, ao Ministério Público e à sociedade brasiliense. Não só sobre como, efetivamente, todos os procedimentos aconteceram dentro da legalidade, mas especialmente para demonstrar a sua total inocência quantos aos fatos relatados na denúncia", informou o advogado.

A Operação Falso Negativo prendeu preventivamente o chefe da Secretaria de Saúde, Francisco Araújo, e outros quatro integrantes da cúpula da pasta suspeitos pelo desvio de cerca de R$ 18 milhões destinados ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus no Distrito Federal. São eles:

Eduardo Pojo do Rego, ex-secretário adjunto de Gestão em Saúde;

Ricardo Tavares Mendes, ex-secretário adjunto de Assistência à Saúde;

Eduardo Hage, ex-subsecretário de Vigilância de Saúde;

Ramon Santana Lopes Azevedo, ex-assessor especial do secretário de Saúde;

Jorge Chamon, ex-diretor do Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen).

Após a operação, o grupo foi exonerado dos cargos pelo governador. A denúncia apresentada pelo Ministério Público imputa aos ex-servidores os crimes de fraude à licitação, lavagem de dinheiro, organização criminosa e corrupção ativa e passiva.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO ALEXANDRE ADJAFRE

A reportagem entrou em contato com o advogado Alexandre Adjafre, defensor de Iohan Andrade Struck, que informou que o ex-subsecretário vai se apresentar para "prestar todos os esclarecimentos necessários à Justiça, ao Ministério Público e à sociedade brasiliense".

"Não só sobre como, efetivamente, todos os procedimentos aconteceram dentro da legalidade, mas especialmente para demonstrar a sua total inocência quantos aos fatos relatados na denúncia", disse o advogado.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;