Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Petróleo em alta e leilões da ANP dão novo fôlego a petroleiras



09/07/2018 | 07:15


Com a reputação contaminada pela decadência da petroleira OGX - que fez parte do império X, de Eike Batista - e com projetos inviabilizados com a queda nos preços do petróleo, que atingiram níveis mínimos no início de 2016, empresas nacionais de óleo e gás estão diante de uma chance de se reerguer. A recuperação do preço do petróleo, a venda de ativos da Petrobras e o programa de leilões permanentes de blocos exploratórios da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustível (ANP) deram novas oportunidade para companhias como Petrorio, QGEP e Ouro Preto.

"Algumas coisas estão sendo revistas no setor e a expectativa é que, mesmo em um cenário com preço de petróleo mais baixo, o mercado continue atrativo", diz o especialista em energia Daniel Rocha, diretor executivo da Accenture Strategy.

Na Petrorio (ex-HRT), a venda de ativos não só pela Petrobras, mas também por outras empresas de grande porte, como a Maersk, é vista como a principal oportunidade para novos negócios. Desde que a companhia foi reformulada, após atingir o fundo do poço em 2013, o foco passou a ser campos maduros que não são mais do interesse das multinacionais. "São ativos que têm a ver com nossa expertise", diz o presidente da empresa, Nelson Queiroz Tanure. Segundo ele, a companhia tem olhado, para comprar, participações de até US$ 1 bilhão em campos já em fase de produção.

Funcionário de carreira da Petrobras e ex-executivo do grupo de Eike Batista, Rodolfo Landim, hoje presidente da Ouro Preto - de capital fechado -, afirma que a venda de ativos da estatal é uma oportunidade para as empresas do setor de médio porte, "principalmente para as brasileiras que conhecem as bacias sedimentares do País". Ele destaca ainda a melhora do preço do petróleo como fator que tem favorecido as companhias. O barril, que hoje está na casa dos US$ 77, chegou a valer menos de US$ 30 no início de 2016.

Na Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP), as alterações regulatórias, como a abertura do mercado para exploração do pré-sal e a simplificação das regras de conteúdo local, foram vistas como capazes de potencializar o setor. "Com essas mudanças, as grandes companhias estão voltando para o Brasil com intensidade. Para empresas do nosso tamanho, é importante que elas estejam aqui, porque permite nos atrelarmos a elas", diz o presidente da QGEP, Lincoln Guardado.

Leilões

Rocha, da Accenture Strategy, destaca ainda o novo formato de leilões da ANP como propulsor das petroleiras brasileiras. Neste mês, a agência deverá divulgar um edital para licitar 158 blocos exploratórios de petróleo. O certame não será concluído em uma data específica, já que o modelo do leilão é permanente. "Eventualmente, um bloco não é interessante para uma empresa agora, mas, uma mudança do cenário, como uma alta do petróleo, pode tornar o bloco atrativo", diz o consultor. "Esses leilões têm grande potencial", acrescenta. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;