Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 23 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Atila avalia situação de aliados no governo

Paço tende a favorecer apoiadores como forma de retaliar dissidentes


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

05/01/2018 | 07:00


Vereadores da base do governo do prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), que votaram contra a implantação da taxa do lixo na cidade, no mês passado, deverão ter dificuldades para verem seus pedidos atendidos pelo Paço. O Diário apurou que a gestão avalia favorecer os pleitos dos parlamentares que votaram a favor da medida, em retaliação aos dissidentes.

Internamente, o núcleo duro da gestão Atila descarta exonerar comissionados ligados aos sete parlamentares governistas que votaram contra o projeto, como especula-se pelos corredores do Legislativo. Porém, tende a criar obstáculos aos pleitos dos parlamentares que não deram apoio à medida.

No dia 20, a Câmara de Mauá aprovou, em sessões relâmpago e realizadas já durante o recesso parlamentar, a instituição da taxa do lixo no município. A gestão Atila levou dias para conseguir reunir os votos necessários para emplacar a aprovação da medida. A pauta se intensificou quando a Lara Central de Tratamento de Resíduos Sólidos, responsável pela coleta de lixo na cidade, ameaçou paralisar os serviços alegando calote nos pagamentos do contrato. Atila tentou convencer a base de que a criação do tributo era necessária para o cumprimento rigoroso dos acordos com a empresa. Mensalmente, a Prefeitura tem de destinar R$ 3,3 milhões à firma de Wagner Damo, sobrinho do ex-prefeito Leonel Damo (sem partido).

Dos 23 vereadores, oito foram contrários ao texto. Além do oposicionista Marcelo Oliveira (PT), votaram pela rejeição da matéria os governistas Tchacabum e Bodinho (ambos do PRP), Adelto Cachorrão (PTdoB), Irmão Ozelito e Neycar (ambos do SD), Betinho Dragões (PR) e Samuel Enfermeiro (PSB).

Paralelamente à aprovação da taxa do lixo, o Paço mauaense iniciou processo de renegociação de débitos antigos já parcelados durante o governo do ex-prefeito Donisete Braga (PT, 2013-2016). O Diário mostrou no dia 23 que o governo estuda doar terreno público à empresa como forma de amortizar a dívida.

Entre os governistas que votaram contra o projeto da administração, há a análise de que Atila não estaria disposto a apostar na retaliação dos dissidentes exonerando os apadrinhados. Para eles, desta forma, o prefeito estaria colocando em risco sua governabilidade na Casa.

Neste ano, Atila tentará amarrar apoios dos parlamentares para a candidatura do pai, o presidente da Câmara, Admir Jacomussi (PRP), a deputado estadual. Alguns, inclusive, já anunciaram desembarque do governo com vistas ao pleito de outubro, como Ricardinho da Enfermagem (PTB), que também estuda lançar projeto próprio. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;