Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 7 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Previsão para inflação sobe pela 12ª semana seguida



13/04/2010 | 07:07


Pela 12ª semana consecutiva o mercado financeiro aumenta a projeção para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) acumulado em 2010. Conforme o Boletim Focus publicado ontem pelo BC (Banco Central do Brasil), é esperada inflação de 5,29%, contra 5,18% apresentada na semana passada. Portanto, os preços, em média, para as famílias com renda entre um e 40 salários-mínimos aumentariam 5,29%, sobre o que era cobrado no último dia de 2009.

O resultado está emparelhado com a margem de erro prevista para o Centro da Meta de Inflação da CMN (Comissão Monetária Nacional), que é dois pontos percentuais, para cima ou para baixo, sobre expansão de 4,5% no ano.

Tendo em vista inflação acumulada no primeiro trimestre, de 2,06%, os economistas das instituições financeiras acreditam que a média mensal de avanço de preços, até o fim do ano, será de 0,35%.

A economista do Grupo Santander Brasil, Tatiana Pinheiro, explica que o banco prevê acúmulo de 5,5% em 2010. E credencia a expectativa a três pilares.

"O primeiro é a atividade econômica que vem acelerando desde os últimos meses do ano passado, portanto o aumento da demanda vem encarecendo os produtos. E em segundo lugar, o clima realmente não tem ajudado. Já passou da fase que o clima não ajuda, que é o primeiro trimestre, mas continua não ajudando. Só para contar, no IPCA, a inflação dos alimentos no primeiro trimestre já passou a acumulada no ano passado inteiro", explica Tatiana. Ela completa que o encarecimento nos preços dos insumos também pressiona os valores no atacado, que são repassados ao consumidor.

Contrariando a elevação das inflações apontadas no Focus, o IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado) do primeiro decêndio de abril desacelerou de 0,95%, para 0,27%. Mas Tatiana avisa: "Não foi considerado o aumento do minério de ferro, que provavelmente vai produzir altas na cadeia deste insumo, como ocorreu na cana".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Previsão para inflação sobe pela 12ª semana seguida


13/04/2010 | 07:07


Pela 12ª semana consecutiva o mercado financeiro aumenta a projeção para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) acumulado em 2010. Conforme o Boletim Focus publicado ontem pelo BC (Banco Central do Brasil), é esperada inflação de 5,29%, contra 5,18% apresentada na semana passada. Portanto, os preços, em média, para as famílias com renda entre um e 40 salários-mínimos aumentariam 5,29%, sobre o que era cobrado no último dia de 2009.

O resultado está emparelhado com a margem de erro prevista para o Centro da Meta de Inflação da CMN (Comissão Monetária Nacional), que é dois pontos percentuais, para cima ou para baixo, sobre expansão de 4,5% no ano.

Tendo em vista inflação acumulada no primeiro trimestre, de 2,06%, os economistas das instituições financeiras acreditam que a média mensal de avanço de preços, até o fim do ano, será de 0,35%.

A economista do Grupo Santander Brasil, Tatiana Pinheiro, explica que o banco prevê acúmulo de 5,5% em 2010. E credencia a expectativa a três pilares.

"O primeiro é a atividade econômica que vem acelerando desde os últimos meses do ano passado, portanto o aumento da demanda vem encarecendo os produtos. E em segundo lugar, o clima realmente não tem ajudado. Já passou da fase que o clima não ajuda, que é o primeiro trimestre, mas continua não ajudando. Só para contar, no IPCA, a inflação dos alimentos no primeiro trimestre já passou a acumulada no ano passado inteiro", explica Tatiana. Ela completa que o encarecimento nos preços dos insumos também pressiona os valores no atacado, que são repassados ao consumidor.

Contrariando a elevação das inflações apontadas no Focus, o IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado) do primeiro decêndio de abril desacelerou de 0,95%, para 0,27%. Mas Tatiana avisa: "Não foi considerado o aumento do minério de ferro, que provavelmente vai produzir altas na cadeia deste insumo, como ocorreu na cana".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;