Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 19 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

O meu Brasil lindo e trigueiro

A Polícia ocupou o gabinete do presidente do Senado, Renan Calheiros, do PMDB alagoano, neste início de semana.


Carlos Brickmann

27/02/2013 | 00:00


A Polícia ocupou o gabinete do presidente do Senado, Renan Calheiros, do PMDB alagoano, neste início de semana. Vários delegados passaram ali um bom tempo. Mas nada de conclusões precipitadas, caro leitor ingênuo. Estamos no Brasil! Os delegados representavam a Associação dos Delegados de Polícia, Adepol, e foram ao gabinete de Renan entregar-lhe um prêmio: a Medalha Romeu Tuma, "por suas ações de fortalecimento da segurança pública nacional".

Quando o caro leitor parar de rir, preste atenção às linhas seguintes:

A Comissão de Ética da Câmara Distrital de Brasília bem que tentou, mas a lei não permitiu que Agaciel Maia se tornasse o seu presidente. Como Agaciel já é vice-presidente da Câmara Distrital, não poderia ocupar simultaneamente a presidência da Comissão de Ética, como era desejo de seus pares.

Agaciel Maia, lembre-se, foi por 14 anos o diretor-geral do Senado, homem de confiança de Sarney. Foram coisas de Agaciel os atos secretos - nomeações de parentes e funcionários fantasmas, concessões de vantagens, tudo sem a divulgação obrigatória no Diário Oficial; sua mansão, avaliada em R$ 5 milhões, não declarada à Receita; o quarto subterrâneo secreto, no Senado, onde havia um famoso sofá todo manchado. Agaciel é alvo de diversos processos movidos pelo Ministério Público. E lhe cobram a devolução do pagamento de contratos firmados sem licitação. Mas não estranhe, caro leitor: se há cara-dura para existir Comissão de Ética na Câmara Distrital, é pena que Agaciel não possa comandá-la.

CAÇA ÀS BRUXAS

Um dos mais espantosos casos de vingança pessoal na área jurídica está acontecendo neste momento. O desembargador aposentado Pedro Gagliardi é acusado por um antigo e público desafeto de ter falsificado o resultado de um julgamento (a "tira"), o acórdão, de mandar tudo para a publicação e a jurisprudência. Só que, como está claro nos autos do processo, ele não fez a tira (nem seria sua atribuição: era relator, e a anotação da tira é feita por outro desembargador, o presidente); não mandou nada para a publicação nem para a jurisprudência (quem enviou, e assina o envio, não foi ele); e não fez a folha de rosto do acórdão.

É simples assim; mas sofre a perseguição assim mesmo, e continuará a sofrê-la até que seja julgado o habeas-corpus em que pede o trancamento do processo. Terminada esta fase, o jogo vira. Ainda haverá muita emoção neste caso.

BICHO SIM, GENTE NÃO

Um fazendeiro de Mato Grosso do Sul, Orlandino Carneiro Gonçalves, 61, matou a tiros, dia 16, um garoto índio de 15 anos, Denílson Barbosa, em sua fazenda na região de Caarapó. Segundo disse, seus cachorros latiram e correram em direção a um grupo de índios, perto de um criadouro de peixes; ele atirou no grupo. Segundo testemunhas, foi diferente: o rapaz teria sido capturado por dois seguranças, que atiraram a sangue frio. Mas o fazendeiro Orlandino Carneiro Gonçalves confessa ser o matador. Dois fatos importantes merecem destaque:

1 - a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, viajou ao Mato Grosso do Sul para conversar com o governador e tomar conhecimento dos fatos. Nada que não pudesse fazer, e mais depressa, por telefone, Internet e jornais. Prometeu rigoroso inquérito, ação urgente - e o assassino confesso continua solto.

2 - Se o fazendeiro matasse um jacaré, uma cobra ou uma paca, estaria preso sem direito a fiança. Como matou um garoto, prestou depoimento, confessou o assassínio e foi imediatamente libertado. A vida humana já não vale nada.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;