Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 30 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Ilusionismo se inspira na Física


Juliana Ravelli
Do Diário do Grande ABC

25/03/2012 | 07:00


A mágica é uma das artes circenses que mais receberam influência dos avanços científicos. Sem eles, até poderia existir, mas certamente não seria da forma como a conhecemos. Por sinal, grande parte dos truques foi criada a partir do estudo da Química e da Física.

Os espelhos e a ótica (área da Física que estuda a relação da luz com objetos e ambientes), por exemplo, estão presentes nas ilusões de desaparecimento e em números nos quais acreditamos ver uma coisa que, na realidade, não está acontecendo. Se não existissem, David Copperfield, um dos mágicos mais famosos do mundo, não faria a Estátua da Liberdade sumir na frente do público ou atravessaria a Muralha da China (há vídeos na internet).

E não para por aí. A engenharia mecânica é usada há muito tempo pelos ilusionistas na elaboração de máquinas que os ajudam a realizar grandes números. Além disso, novas substâncias e materiais criados em laboratórios também podem ser usados pelos artistas nas apresentações.

O ilusionismo e a Ciência têm mesmo muito em comum: são capazes de nos deixar de boca aberta e possuem segredos difíceis de serem revelados. Mas há uma diferença importante. Ao contrário do mágico, o cientista faz de tudo para desvendar mistérios e mostrá-los para a humanidade.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;