Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 24 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Sem apelar, Adele supera os Beatles


Thiago Mariano
Do Diário do Grande ABC

17/05/2011 | 07:02


A jovem inglesa Adele não despontou como produto, daqueles apresentados com alarde, programados para arrebatar à primeira impressão. Surgiu timidamente com seu primeiro disco, '19', após chamar atenção em seu perfil no MySpace. Lançada ao mainstream, viu a carreira decolar ao poucos.

Agora, aos 23 anos, com o segundo lançamento, '21' (Sony Music, preço médio R$ 25), que chega ao mercado brasileiro, a cantora vive sua apoteose. Adele já soma dois recordes. O primeiro, ultrapassar os Beatles como única artista viva a ter duas músicas e dois álbuns no top cinco nas paradas britânicas.

Quando alcançou o feito, '21' estava em primeiro e '19', em quarto. 'Someone Like You' e 'Rolling in The Deep' ocuparam, respectivamente, as mesmas posições no ranking de músicas mais executadas.

Por último, na semana passada, atropelou Lady Gaga nas vendas digitais. Seu último álbum, no Amazon, foi o disco que registrou mais downloads da história do site. E ela se mantém nas primeiras posições no top 10 da Billboard norte-americana, o maior termômetro da música pop.

O vozeirão grave, a identificação com o soul e o tom confessional de suas composições já lhe colocaram em comparação com gente como Amy Winehouse. Mas polêmicas à parte. Adele não é do tipo que faz a festa da imprensa com uma vida conturbada. O sobrepeso, um dos assuntos mais comentados quando o foco sai de sua carreira, é algo que não a incomoda.

Dona de uma senhora personalidade, que já é desvelada por seus traços fortes, Adele ganha a cena, mesmo quando abre a boca para entoar suas gostosas baladas.

Originalidade, porém, não extravasa de sua fonte. Não há o que destacar do seu trabalho e puxar para o lado ‘não existe nada igual', mas há algo que paira como especial, uma junção de fatores: a voz além da média, as melodias bem boladas e a experiência - ainda em tenra idade - que já vêm mostrando evolução.

'21' abre com 'Rolling in the Deep', sensacional canção que reaviva um mundo de composições antigas, com coro feminino ao fundo, batidas certeiras e minimalistas. 'Rumour Has It, I'll Be Waiting', das mais agitadas, ainda não se comparam com músicas como 'Right as Rain', 'My Same', do seu primeiro disco, cujo tom de brincadeira e experimentação davam um sabor a mais às composições.

Desta vez parece que Adele está mais propensa às baladas ao piano. 'Turning Tables', 'Someone Like You' e 'Set Fire to the Rain' e 'One and Only' se destacam e fazem com que às vezes o trabalho soe um pouco monocórdio.

Mas qualquer tropeço - e não há algum que se destaque - seria completamente justificado. Adele tem talento, preserva o exercício do seu ofício e dá atenção ao valor de sua arte. Além do mais, está apenas começando, e tem um mundo todo de histórias, descobertas e tempo para transpor em suas canções.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;