Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Aumenta o desemprego entre os chefes de família em SP


Do Diário do Grande ABC

19/06/1999 | 14:46


Há um dado novo no desemprego medido na Grande Sao Paulo este ano. O índice está numa aceleraçao preocupante justamente para um grupo de trabalhadores que nao pode ficar sem ocupaçao: o dos chefes de domicílio, ou seja, homens e mulheres diretamente responsáveis pelo sustento das famílias. De janeiro a abril, o desemprego para essa faixa cresceu 21,4%. No mesmo período, o índice geral aumentou bem menos: 16,7%.

Essa diferença de 4,7 pontos porcentuais, registrada na última pesquisa Seade-Dieese, já pode ser sentida nas filas de desempregados que se formam todos dias em agências de empregos da cidade, onde os chefes de família sao os mais assíduos, pela necessidade urgente de se reintegrarem no mercado, ou no número de currículos que chegam todos os dias nas empresas.

Entre os inscritos nas frentes de trabalho que serao abertas pelo governo estadual, os chefes de família somaram 36,7% dos candidatos, segundo levantamento da Secretaria estadual do Emprego e Relaçoes do Trabalho nos dois primeiros dias de cadastramento. Incansáveis, alguns pais e maes, que sempre foram o esteio de suas famílias, chegam a mandar uma média de 50 currículos por mês para agências e empresas e saem quase todos os dias em busca de respostas. Ex-gerente, o administrador de empresas Percídio Antônio Alves da Silva, por exemplo, já enviou em sete meses exatos 350 currículos.

Dione Agda Carvalho Silva, responsável direta pelo sustento da casa, nao se abala diante de filas imensas de candidatos e mantém-se assídua na procura por emprego. Isso apenas quatro meses depois do nascimento do último filho. Embora haja hoje grande número de mulheres consideradas chefes de domicílio, os homens ainda sao maioria nessa categoria. E para os homens, independentemente de idade e condiçao, o desemprego também vem crescendo demais: 20,3% só neste ano. A taxa de desocupaçao de mulheres cresceu bem menos: 12,9%.

Nao se trata do fim das discriminaçao contra o trabalho feminino. Na verdade, tradicionalmente a remuneraçao da mulher trabalhadora tem menor peso no orçamento familiar. Em geral, diante de uma recessao como a dos últimos meses, a esposa tem condiçoes de desistir de procurar por algum tempo, retirar-se do mercado de trabalho e só retornar quando houver sinais de aquecimento.

Enquanto os chefes de família sao cada vez mais afetados pelo desemprego este ano, as crianças e adolescentes parecem estar em situaçao melhor. No mesmo período, o desemprego entre jovens de 10 a 14 anos caiu 2,5%. Entre os adolescentes de 15 a 17 anos aumentou, mas relativamente pouco: 6,8%. É que, sem oportunidades, eles também tendem a sair do mercado, voltar para a escola e para atividades mais adequadas a esta faixa etária. Já o chefe de família tem de perseverar, pois dele depende todo o núcleo familiar.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Aumenta o desemprego entre os chefes de família em SP

Do Diário do Grande ABC

19/06/1999 | 14:46


Há um dado novo no desemprego medido na Grande Sao Paulo este ano. O índice está numa aceleraçao preocupante justamente para um grupo de trabalhadores que nao pode ficar sem ocupaçao: o dos chefes de domicílio, ou seja, homens e mulheres diretamente responsáveis pelo sustento das famílias. De janeiro a abril, o desemprego para essa faixa cresceu 21,4%. No mesmo período, o índice geral aumentou bem menos: 16,7%.

Essa diferença de 4,7 pontos porcentuais, registrada na última pesquisa Seade-Dieese, já pode ser sentida nas filas de desempregados que se formam todos dias em agências de empregos da cidade, onde os chefes de família sao os mais assíduos, pela necessidade urgente de se reintegrarem no mercado, ou no número de currículos que chegam todos os dias nas empresas.

Entre os inscritos nas frentes de trabalho que serao abertas pelo governo estadual, os chefes de família somaram 36,7% dos candidatos, segundo levantamento da Secretaria estadual do Emprego e Relaçoes do Trabalho nos dois primeiros dias de cadastramento. Incansáveis, alguns pais e maes, que sempre foram o esteio de suas famílias, chegam a mandar uma média de 50 currículos por mês para agências e empresas e saem quase todos os dias em busca de respostas. Ex-gerente, o administrador de empresas Percídio Antônio Alves da Silva, por exemplo, já enviou em sete meses exatos 350 currículos.

Dione Agda Carvalho Silva, responsável direta pelo sustento da casa, nao se abala diante de filas imensas de candidatos e mantém-se assídua na procura por emprego. Isso apenas quatro meses depois do nascimento do último filho. Embora haja hoje grande número de mulheres consideradas chefes de domicílio, os homens ainda sao maioria nessa categoria. E para os homens, independentemente de idade e condiçao, o desemprego também vem crescendo demais: 20,3% só neste ano. A taxa de desocupaçao de mulheres cresceu bem menos: 12,9%.

Nao se trata do fim das discriminaçao contra o trabalho feminino. Na verdade, tradicionalmente a remuneraçao da mulher trabalhadora tem menor peso no orçamento familiar. Em geral, diante de uma recessao como a dos últimos meses, a esposa tem condiçoes de desistir de procurar por algum tempo, retirar-se do mercado de trabalho e só retornar quando houver sinais de aquecimento.

Enquanto os chefes de família sao cada vez mais afetados pelo desemprego este ano, as crianças e adolescentes parecem estar em situaçao melhor. No mesmo período, o desemprego entre jovens de 10 a 14 anos caiu 2,5%. Entre os adolescentes de 15 a 17 anos aumentou, mas relativamente pouco: 6,8%. É que, sem oportunidades, eles também tendem a sair do mercado, voltar para a escola e para atividades mais adequadas a esta faixa etária. Já o chefe de família tem de perseverar, pois dele depende todo o núcleo familiar.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;