Fechar
Publicidade

Sábado, 11 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Diretor-geral da Polícia Federal pede demissao


Do Diário do Grande ABC

19/06/1999 | 01:27


O diretor-geral da Polícia Federal, Joao Batista Campelo, nao resistiu à pressao e pediu demissao nesta sexta-feira, três dias após ter sido empossado. O pedido de exoneraçao foi prontamente aceito pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, que está no Rio de Janeiro, comemorando seu aniversário com a família, e o nome do novo diretor da PF poderá ser anunciado na segunda-feira. A decisao será tomada em conjunto com o ministro da Justiça, Renan Calheiros.

Na carta que enviou ao presidente, Campelo afirma ter posto o cargo à disposiçao por "compreender a grave situaçao política vivida no País neste momento". No início da noite, o delegado divulgou uma nota justificando sua saída. "Saio do comando do Departamento de Polícia Federal, como entrei, de cabeça erguida, com minha consciência tranqüila e com a certeza de que, pela segunda vez, fui vítima de forças poderosas, hoje homiziadas em Alagoas", diz no documento. "Como o apóstolo Joao Batista, minha cabeça foi pedida na bandeja, só que desconheço a Salomé destes dias."

Na nota, o ex-diretor da PF declara ser um cidadao brasileiro "honesto" e com 30 anos de serviços prestados à Naçao. "No meu discurso de posse afirmei que nao era um estranho no ninho", acrescenta Campelo. "Descendo deste honroso cargo, vou esforçar-me para nao me sentir um estranho em meu país."

O delegado frisa que pôs o cargo à disposiçao para deixar Fernando Henrique à vontade. Ele se recusou a dar entrevistas e deve passar o fim de semana descansando na fazenda de um amigo. O governador de Roraima, Neudo Campos, convidou-o a reassumir a Secretaria de Segurança Pública do Estado, que ocupava ao receber o convite para a Polícia Federal.

A queda de Campelo, que já fora candidato à direçao-geral da PF em outras ocasioes, tornou-se inevitável após o depoimento do ex-padre José Antônio Monteiro à Comissao de Direitos Humanos da Câmara, na quarta-feira, em que confirmou ter sido torturado, na PF do Maranhao, em 1970, durante interrogatório conduzido por Campelo, que nao se teria oposto ao uso de instrumentos como pau-de-arara para a obtençao de informaçoes. Em testemunho à comissao quinta-feira, o diretor da PF nao conseguiu desmentir o ex-padre, tornando insustentável sua permanência no cargo.

A repercussao negativa do depoimento culminou com manifesto divulgado pelo PSDB quinta-feira exigindo sua saída, "com ou sem provas" da veracidade das acusaçoes. O Palácio do Planalto nao confirma, mas sabe-se que o partido consultou o presidente antes de soltar a nota, qualificada como a "gota d'água" para o desfecho de hoje.

A interlocutores próximos, Fernando Henrique chegou a dizer que um pedido de demissao espontâneo de Campelo seria seu melhor presente de aniversário. Apesar do escândalo criado pelas denúncias, o presidente relutava em demitir o delegado por nao dispor de nenhuma acusaçao concreta e temer mais uma crise no governo.

Com os rumores de sua exoneraçao iminente, Campelo resolveu pedir demissao, sentindo-se humilhado com o processo de fritura a que foi submetido durante toda a semana. Nao bastassem as denúncias de tortura envolvendo sua atuaçao no Maranhao, ele passou a ser investigado oficialmente pelo governo, tomou posse em uma cerimônia de 10 minutos e ainda teve de prestar depoimento na sindicância aberta na Comissao de Direitos Humanos da Câmara. Magoado e constrangido, o delegado resolveu pôr um ponto final no assunto antes do fim de semana.

"Este será o meu presente de aniversário ao presidente Fernando Henrique Cardoso", disse Campelo ao deputado Elton Rohnelt (PFL-RR) logo depois de entregar a carta de demissao. O delegado fez um desabafo sobre o "inferno" em que sua vida foi transformada desde a indicaçao do seu nome para o comando da PF. Ele lembrou ter sido abandonado pelo governo, que nao destacou nenhum líder para defendê-lo ou prestar-lhe solidariedade no depoimento prestado na Comissao de Direitos Humanos.

Também pesou na sua decisao, a nota oficial do PSDB, exigindo sua demissao. "Ele se estava achando muito pressionado", revelou Rohnelt. A outro interlocutor, Campelo disse nao ter esquecido da "humilhaçao" que sofreu no dia da posse, quando o ministro da Justiça evitou qualquer aproximaçao e ao mesmo tempo fez um discurso que durou pouco mais de 10 segundos.

"A família e os amigos me pediram muito para eu sair do governo", contou. Ansioso, o delegado nao conseguiu dormir na noite da quinta-feira, dia em que chegou a passar mal após enfrentar os deputados.

A pressao para o delegado deixar o comando da PF nao foi só dos amigos e parentes. No fim da manha de nesta sexta-feira, já havia uma certeza dentro do governo: a demissao de Campelo nao passaria da sexta-feira. O delegado vinha recebendo acenos do Palácio do Planalto, que esperava pelo seu pedido de demissao, mas chegou a reagir.

"Renunciar é assumir a culpa; se o presidente me colocou nessa furada, ele que assuma o desgaste de me colocar para fora", desabafou no fim da manha para um amigo. "Eu estava muito tranqüilo em Roraima e nao precisava passar por isso", completou.

A tarde, Campelo mudou de idéia. Ele atribui seu desgaste ao "grupo de Alagoas", liderado pelo senador Teotônio Vilela Filho (AL), presidente nacional do PSDB, e por Renan Calheiros. "Alagoas sempre se insurge quando a nomeaçao de diretor da PF é técnica, afinal lá tem muitos crimes federais para investigar que estao parados", insinuou Rohnelt.

Dentro do governo a decisao de Campelo foi comemorada. "Foi sensato da parte de Campelo o pedido de demissao por causa do que avaliamos na quinta-feira sobre a sua situaçao", disse Teotônio. "Ele estava sem condiçoes políticas de permanecer no cargo."

A saída de Campelo, entretanto, nao encerra a crise entre a Polícia Federal e a Casa Militar, por causa do controle do combate ao narcotráfico. O nome a ser escolhido pelo presidente poderá provocar uma nova crise política, já que o general Alberto Cardoso, ministro-chefe da Casa Militar, continua defendendo a nomeaçao do delegado Zulmar Pimentel.

No Planalto, colaboradores próximos a Fernando Henrique nao acreditam na escolha de Zulmar Pimentel, apostando que uma nova crise seria deflagrada. Segundo essas fontes, a ala da Polícia Federal influenciada pelo ex-diretor-geral Vicente Chelotti faria novo bombardeio.

Cardoso, que bancou a indicaçao de Campelo, teria reconhecido nesta semana sua culpa no episódio. "O general só pensou tecnicamente na indicaçao, e esqueceu da repercussao política da nomeaçao de uma pessoa com o passado do Campelo", contou um assessor do Planalto.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diretor-geral da Polícia Federal pede demissao

Do Diário do Grande ABC

19/06/1999 | 01:27


O diretor-geral da Polícia Federal, Joao Batista Campelo, nao resistiu à pressao e pediu demissao nesta sexta-feira, três dias após ter sido empossado. O pedido de exoneraçao foi prontamente aceito pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, que está no Rio de Janeiro, comemorando seu aniversário com a família, e o nome do novo diretor da PF poderá ser anunciado na segunda-feira. A decisao será tomada em conjunto com o ministro da Justiça, Renan Calheiros.

Na carta que enviou ao presidente, Campelo afirma ter posto o cargo à disposiçao por "compreender a grave situaçao política vivida no País neste momento". No início da noite, o delegado divulgou uma nota justificando sua saída. "Saio do comando do Departamento de Polícia Federal, como entrei, de cabeça erguida, com minha consciência tranqüila e com a certeza de que, pela segunda vez, fui vítima de forças poderosas, hoje homiziadas em Alagoas", diz no documento. "Como o apóstolo Joao Batista, minha cabeça foi pedida na bandeja, só que desconheço a Salomé destes dias."

Na nota, o ex-diretor da PF declara ser um cidadao brasileiro "honesto" e com 30 anos de serviços prestados à Naçao. "No meu discurso de posse afirmei que nao era um estranho no ninho", acrescenta Campelo. "Descendo deste honroso cargo, vou esforçar-me para nao me sentir um estranho em meu país."

O delegado frisa que pôs o cargo à disposiçao para deixar Fernando Henrique à vontade. Ele se recusou a dar entrevistas e deve passar o fim de semana descansando na fazenda de um amigo. O governador de Roraima, Neudo Campos, convidou-o a reassumir a Secretaria de Segurança Pública do Estado, que ocupava ao receber o convite para a Polícia Federal.

A queda de Campelo, que já fora candidato à direçao-geral da PF em outras ocasioes, tornou-se inevitável após o depoimento do ex-padre José Antônio Monteiro à Comissao de Direitos Humanos da Câmara, na quarta-feira, em que confirmou ter sido torturado, na PF do Maranhao, em 1970, durante interrogatório conduzido por Campelo, que nao se teria oposto ao uso de instrumentos como pau-de-arara para a obtençao de informaçoes. Em testemunho à comissao quinta-feira, o diretor da PF nao conseguiu desmentir o ex-padre, tornando insustentável sua permanência no cargo.

A repercussao negativa do depoimento culminou com manifesto divulgado pelo PSDB quinta-feira exigindo sua saída, "com ou sem provas" da veracidade das acusaçoes. O Palácio do Planalto nao confirma, mas sabe-se que o partido consultou o presidente antes de soltar a nota, qualificada como a "gota d'água" para o desfecho de hoje.

A interlocutores próximos, Fernando Henrique chegou a dizer que um pedido de demissao espontâneo de Campelo seria seu melhor presente de aniversário. Apesar do escândalo criado pelas denúncias, o presidente relutava em demitir o delegado por nao dispor de nenhuma acusaçao concreta e temer mais uma crise no governo.

Com os rumores de sua exoneraçao iminente, Campelo resolveu pedir demissao, sentindo-se humilhado com o processo de fritura a que foi submetido durante toda a semana. Nao bastassem as denúncias de tortura envolvendo sua atuaçao no Maranhao, ele passou a ser investigado oficialmente pelo governo, tomou posse em uma cerimônia de 10 minutos e ainda teve de prestar depoimento na sindicância aberta na Comissao de Direitos Humanos da Câmara. Magoado e constrangido, o delegado resolveu pôr um ponto final no assunto antes do fim de semana.

"Este será o meu presente de aniversário ao presidente Fernando Henrique Cardoso", disse Campelo ao deputado Elton Rohnelt (PFL-RR) logo depois de entregar a carta de demissao. O delegado fez um desabafo sobre o "inferno" em que sua vida foi transformada desde a indicaçao do seu nome para o comando da PF. Ele lembrou ter sido abandonado pelo governo, que nao destacou nenhum líder para defendê-lo ou prestar-lhe solidariedade no depoimento prestado na Comissao de Direitos Humanos.

Também pesou na sua decisao, a nota oficial do PSDB, exigindo sua demissao. "Ele se estava achando muito pressionado", revelou Rohnelt. A outro interlocutor, Campelo disse nao ter esquecido da "humilhaçao" que sofreu no dia da posse, quando o ministro da Justiça evitou qualquer aproximaçao e ao mesmo tempo fez um discurso que durou pouco mais de 10 segundos.

"A família e os amigos me pediram muito para eu sair do governo", contou. Ansioso, o delegado nao conseguiu dormir na noite da quinta-feira, dia em que chegou a passar mal após enfrentar os deputados.

A pressao para o delegado deixar o comando da PF nao foi só dos amigos e parentes. No fim da manha de nesta sexta-feira, já havia uma certeza dentro do governo: a demissao de Campelo nao passaria da sexta-feira. O delegado vinha recebendo acenos do Palácio do Planalto, que esperava pelo seu pedido de demissao, mas chegou a reagir.

"Renunciar é assumir a culpa; se o presidente me colocou nessa furada, ele que assuma o desgaste de me colocar para fora", desabafou no fim da manha para um amigo. "Eu estava muito tranqüilo em Roraima e nao precisava passar por isso", completou.

A tarde, Campelo mudou de idéia. Ele atribui seu desgaste ao "grupo de Alagoas", liderado pelo senador Teotônio Vilela Filho (AL), presidente nacional do PSDB, e por Renan Calheiros. "Alagoas sempre se insurge quando a nomeaçao de diretor da PF é técnica, afinal lá tem muitos crimes federais para investigar que estao parados", insinuou Rohnelt.

Dentro do governo a decisao de Campelo foi comemorada. "Foi sensato da parte de Campelo o pedido de demissao por causa do que avaliamos na quinta-feira sobre a sua situaçao", disse Teotônio. "Ele estava sem condiçoes políticas de permanecer no cargo."

A saída de Campelo, entretanto, nao encerra a crise entre a Polícia Federal e a Casa Militar, por causa do controle do combate ao narcotráfico. O nome a ser escolhido pelo presidente poderá provocar uma nova crise política, já que o general Alberto Cardoso, ministro-chefe da Casa Militar, continua defendendo a nomeaçao do delegado Zulmar Pimentel.

No Planalto, colaboradores próximos a Fernando Henrique nao acreditam na escolha de Zulmar Pimentel, apostando que uma nova crise seria deflagrada. Segundo essas fontes, a ala da Polícia Federal influenciada pelo ex-diretor-geral Vicente Chelotti faria novo bombardeio.

Cardoso, que bancou a indicaçao de Campelo, teria reconhecido nesta semana sua culpa no episódio. "O general só pensou tecnicamente na indicaçao, e esqueceu da repercussao política da nomeaçao de uma pessoa com o passado do Campelo", contou um assessor do Planalto.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;