Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 15 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Caminhada é opção para manter a saúde


Rita Norberto
Do Diário do Grande ABC

07/06/2003 | 18:21


Pequenas multidões têm tomado as ruas da região todos os dias em busca de uma vida mais saudável. Faça chuva ou faça sol, os adeptos da caminhada escolhem as manhãs ou o entardecer – antes ou depois de um dia de trabalho – para se exercitar. Nas cidades do Grande ABC já há os pontos dos caminhantes, como a praça dos Meninos e a avenida Barão de Mauá, em São Bernardo, ou a avenida Kennedy, em São Caetano.

Os adeptos da caminhada sabem seus benefícios de cor: disposição e bem-estar, melhoria da pressão arterial, baixa do colesterol e da diabetes, além da boa forma. O que é percebido no dia-a-dia pelas pessoas, é confirmado pelo professor e doutor em cardiologia da Faculdade de Medicina do ABC José Luís Aziz. “Os benefícios da caminhada são cientificamente comprovados. Mas é necessário uma freqüência de pelo menos quatro a cinco vezes por semana para se ter a resposta do sistema cardiovascular”, disse.

Para a dona de casa Geralda Shoshima, 50 anos, de São Caetano, a decisão veio após a morte de um cunhado de 48 anos, vítima de um enfarte. Em sua avaliação, seu parente morreu porque levava uma vida sedentária. “Depois disso, a caminhada se tornou uma meta de vida para mim”, disse. Geralda já caminha há dois anos, todos os dias, por uma hora, na avenida Kennedy, em São Caetano. “No começo é difícil, mas depois você sente falta.”

“Estava engordando muito rápido, mesmo cuidando da alimentação. Aí o médico me orientou a caminhar”, disse a dona de casa Ilka Pereira Bastos, 23 anos, de São Caetano. Há um mês ela acorda todos os dias às 6h e caminha por duas horas. Também investiu em uma dieta e já perdeu 3 kg. A jovem avaliou que está mais disposta. “Sentia preguiça e até as crises de bronquite sumiram”, disse.

O engenheiro Eduardo Mees, 58 anos, atendeu aos apelos médicos e inseriu a caminhada em sua vida. Seis vezes por semana (aos domingos descansa), pela manhã, Mees caminha cerca de cinco quilômetros no estacionamento do Ginásio Poliesportivo São Bernardo. Não é o único: o lugar virou point dos adeptos do exercício. “Caminhar é um estado de espírito e faz muito bem. Se você não vem pelo amor, vem pela dor, como eu”, disse o engenheiro, que conseguiu controlar a diabetes (“Já chegou a 350 (mg em 100 ml de sangue), hoje está em 112”) e baixou as taxas de colesterol e de triglicérides.

Segundo o médico Aziz, a caminhada baixa os índices de diabetes porque faz com que a insulina produzida pelo organismo seja de melhor qualidade, provocando a queda da glicose do sangue. Andar também melhora a circulação periférica do sangue, evitando problemas de circulação nas pernas, risco para diabéticos. A redução do colesterol e do triglicérides também ocorre por causa da estimulação de um tipo bom de gordura que “varre a ruim”. “O controle na alimentação também tem de existir”, alerta Aziz. Também não adianta caminhar em locais com grande fluxo de carros – a pessoa acaba respirando em excesso monóxido de carbono, o que é prejudicial à saúde.

Segundo o médico, caminhar é bom em qualquer idade. A prova está no casal de aposentados Hermine, 77 anos, e Ítalo Castellan, 73, de São Bernardo, que caminha há dez anos. “Mas é preciso ter persistência, não adianta vir um ou dois dias e não voltar mais”, ensina Ítalo.

A caminhada só tem restrição em alguns casos de pessoas que apresentem problemas cardiovasculares ou ortopédicos – daí a necessidade de uma avaliação médica prévia. “Uma pessoa safenada, por exemplo, é até estimulada pelo médico a caminhar”, disse. É o caso do aposentado Antônio Araújo, 63 anos, três pontes de safena. Há dois anos Araújo caminha religiosamente todos os dias. Também venceu a diabetes. “O médico até diminuiu o remédio, porque a taxa estava caindo muito com a caminhada.”



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Caminhada é opção para manter a saúde

Rita Norberto
Do Diário do Grande ABC

07/06/2003 | 18:21


Pequenas multidões têm tomado as ruas da região todos os dias em busca de uma vida mais saudável. Faça chuva ou faça sol, os adeptos da caminhada escolhem as manhãs ou o entardecer – antes ou depois de um dia de trabalho – para se exercitar. Nas cidades do Grande ABC já há os pontos dos caminhantes, como a praça dos Meninos e a avenida Barão de Mauá, em São Bernardo, ou a avenida Kennedy, em São Caetano.

Os adeptos da caminhada sabem seus benefícios de cor: disposição e bem-estar, melhoria da pressão arterial, baixa do colesterol e da diabetes, além da boa forma. O que é percebido no dia-a-dia pelas pessoas, é confirmado pelo professor e doutor em cardiologia da Faculdade de Medicina do ABC José Luís Aziz. “Os benefícios da caminhada são cientificamente comprovados. Mas é necessário uma freqüência de pelo menos quatro a cinco vezes por semana para se ter a resposta do sistema cardiovascular”, disse.

Para a dona de casa Geralda Shoshima, 50 anos, de São Caetano, a decisão veio após a morte de um cunhado de 48 anos, vítima de um enfarte. Em sua avaliação, seu parente morreu porque levava uma vida sedentária. “Depois disso, a caminhada se tornou uma meta de vida para mim”, disse. Geralda já caminha há dois anos, todos os dias, por uma hora, na avenida Kennedy, em São Caetano. “No começo é difícil, mas depois você sente falta.”

“Estava engordando muito rápido, mesmo cuidando da alimentação. Aí o médico me orientou a caminhar”, disse a dona de casa Ilka Pereira Bastos, 23 anos, de São Caetano. Há um mês ela acorda todos os dias às 6h e caminha por duas horas. Também investiu em uma dieta e já perdeu 3 kg. A jovem avaliou que está mais disposta. “Sentia preguiça e até as crises de bronquite sumiram”, disse.

O engenheiro Eduardo Mees, 58 anos, atendeu aos apelos médicos e inseriu a caminhada em sua vida. Seis vezes por semana (aos domingos descansa), pela manhã, Mees caminha cerca de cinco quilômetros no estacionamento do Ginásio Poliesportivo São Bernardo. Não é o único: o lugar virou point dos adeptos do exercício. “Caminhar é um estado de espírito e faz muito bem. Se você não vem pelo amor, vem pela dor, como eu”, disse o engenheiro, que conseguiu controlar a diabetes (“Já chegou a 350 (mg em 100 ml de sangue), hoje está em 112”) e baixou as taxas de colesterol e de triglicérides.

Segundo o médico Aziz, a caminhada baixa os índices de diabetes porque faz com que a insulina produzida pelo organismo seja de melhor qualidade, provocando a queda da glicose do sangue. Andar também melhora a circulação periférica do sangue, evitando problemas de circulação nas pernas, risco para diabéticos. A redução do colesterol e do triglicérides também ocorre por causa da estimulação de um tipo bom de gordura que “varre a ruim”. “O controle na alimentação também tem de existir”, alerta Aziz. Também não adianta caminhar em locais com grande fluxo de carros – a pessoa acaba respirando em excesso monóxido de carbono, o que é prejudicial à saúde.

Segundo o médico, caminhar é bom em qualquer idade. A prova está no casal de aposentados Hermine, 77 anos, e Ítalo Castellan, 73, de São Bernardo, que caminha há dez anos. “Mas é preciso ter persistência, não adianta vir um ou dois dias e não voltar mais”, ensina Ítalo.

A caminhada só tem restrição em alguns casos de pessoas que apresentem problemas cardiovasculares ou ortopédicos – daí a necessidade de uma avaliação médica prévia. “Uma pessoa safenada, por exemplo, é até estimulada pelo médico a caminhar”, disse. É o caso do aposentado Antônio Araújo, 63 anos, três pontes de safena. Há dois anos Araújo caminha religiosamente todos os dias. Também venceu a diabetes. “O médico até diminuiu o remédio, porque a taxa estava caindo muito com a caminhada.”

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;