Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Polícia investiga loja por estelionato

Estabelecimento na Rua Jurubatuba deixou ao menos 30 casais sem móveis planejados


Rafael Ribeiro
do Diário do Grande ABC

23/10/2012 | 07:00


A Polícia Civil de São Bernardo investiga loja de móveis planejados e artigos para decoração do Centro da cidade acusada por clientes de estelionato. Até agora, 16 inquéritos foram abertos e mais de 30 casais se disseram lesados.

Localizada na Rua Jurubatuba, a Bia Campos Design está com as portas fechadas desde segunda-feira. Segundo comerciantes vizinhos, na quarta-feira um caminhão retirou os últimos produtos que haviam no local.

Entre os prejudicados está Daniella Vargas, 26 anos. Com casamento marcado para março, procurou a loja em fevereiro e acertou um orçamento de R$ 28 mil para o apartamento em que iria morar com o noivo em Mauá. Com o inevitável prejuízo e as contas bancárias bloqueadas, não consegue arrumar emprego.

"A gente não espera que possa acontecer algo assim. Ainda mais em uma loja na Jurubatuba, bonita e bem organizada", disse Daniella.

Titular do 1º DP (Centro) da cidade, onde as ocorrências foram registradas, o delegado Victor Vasconcellos Lutti disse que o caso vem sendo investigado, mas faz um alerta. "As pessoas compram sem sequer saber sobre as lojas, quem é aquele comerciante, quanto tempo está lá", disse.

Na Jucesp (Junta Comercial do Estado de São Paulo), o registro da loja está ativo desde maio de 2011. O paradeiro dos donos, a mãe Maria Beatriz Ferreira Campos Silva e o filho Renato de Andrade Silva Júnior, ambos já indiciados, é desconhecido da polícia e dos clientes, que encontram telefones mudos e casa vazia quando os procuram para informações.

Lutti antecipa, no entanto, que não há indícios de que a família praticava estelionato antes. Não há processos na Justiça nem queixas no Procon da cidade, segundo a diretora da unidade, Angela Maria de Alvarenga Elesbão Galluzzi. "O cliente precisa se resguardar no contrato. Que o documento seja específico e se cobre tudo o que foi prometido."

"Ela tinha uma argumentação muito firme. Os olhos chegavam a lacrimejar", destacou a webdesigner Sheila Silva de Freitas, 29. Moradora da região central, ela pagou R$ 32,5 mil em outubro do ano passado e só conseguiu mobiliar o apartamento graças ao acerto com marceneiros e pedreiros que também levaram calote.

A apuração inicial da polícia mostrou que casais jovens e que montavam o apartamento eram o alvo principal de mãe e filho. Entretanto, quando as contas começaram a atrasar, até uma editora que imprimiu um catálogo de ofertas teria ficado sem pagamento. "Assim como outros casos, eles chamam a atenção pela simpatia e preços baixos. É preciso cuidado", disse Lutti.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;