Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 23 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Bruno Daniel é pauta central e gera desconforto em coletiva

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Ramalhão corre risco de jogar primeira fase inteira fora de casa


Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

04/02/2021 | 00:01


 O Santo André realizou ontem pela manhã, no Hospital e Maternidade Brasil, uma coletiva para falar sobre os exames médicos feitos pelos jogadores, em fase de preparação para a disputa do Paulistão. Entretanto, em mesa composta por dirigentes, o técnico Paulo Roberto Santos, o goleiro Fernando Henrique, o volante Paulo Roberto, o secretário de Esporte e Prática Esportiva, Marcelo Chehade – além do coordenador de cardiologia dos hospitais da Rede D’Or São Luiz no Grande ABC, Thiago Líbano –, o assunto principal foi o atraso na entrega do Estádio Bruno Daniel para uso do time. E, para piorar, o Ramalhão pode ter de jogar toda a primeira fase (seus seis jogos como mandante) em outro local.

“Temos um problema, primeiramente, orçamentário, porque o estádio vai ficar em torno de R$ 3,5 milhões e a gente esperava algo por volta de R$ 2 milhões, então tem que vir o orçamentário. Isso depende da Câmara aprovar, porque vai tirar de algum lugar para ir para o estádio”, explicou Marcelo Chehade. “Após a aprovação do orçamento, em no máximo 15 dias tem de fazer a licitação da irrigação, o que deverá levar mais um mês – a drenagem a Prefeitura está adiantando com recursos próprios. E depois um mês para (instalar) o campo. Então estamos falando entre 60 e 70 dias de prazo, que é um pouco longo, mas como o time tem também a Série D e o estádio não é bem do time, mas bem público da cidade, temos de pensar nisso também. Então acredito que até o meio de abril o estádio esteja pronto para receber jogos”, continuou.

O último dos seis jogos do Santo André em casa na primeira fase está marcado para 18 de abril, contra o Mirassol. O presidente Sidney Riquetto não escondeu a frustração pela situação, mas avisou que o Ramalhão já busca locais para mandar seus compromissos. “Estamos preparados para fazer o Paulista todo fora do Bruno Daniel, se necessário. Com dificuldade terrível, porque a questão de público é relativa. Não é a presença de público que vai ter influência, mas é diferente jogar em casa, no gramado onde treina em relação a fazer uma grande parte da temporada de um campeonato difícil como o Paulista em campo neutro”, comentou.

Sem saída, o técnico Paulo Roberto também lamentou o fato. “Não podermos mandar nossos jogos dentro da nossa casa, não usá-la para a preparação, é frustrante. Esperávamos certa dificuldade devido às obras, mas não iniciar a competição sem mandar jogos em casa. Temos a consciência de que as pessoas responsáveis estão trabalhando para que isso possa se resolver e torcemos para que resolva o mais rápido possível.”

Os jogadores ramalhinos também opinaram sobre o assunto. “É complicado não jogar em casa os primeiros jogos, mas, independentemente do estádio, temos de fazer nosso papel”, ponderou o goleiro Fernando Henrique. “A gente perde um pouco, mas vamos estar preparados com o estádio ou não”, completou o volante Paulo Roberto.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;