Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

S.Bernardo vigia 43 áreas de risco em ação especial

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Operação iniciada ontem se estende até 15 de abril como prevenção durante o período de chuvas


Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

03/12/2020 | 00:02


A Prefeitura de São Bernardo lançou ontem a quarta edição da Operação Pé D’Água, com objetivo de monitorar 43 bairros ou comunidades durante o verão, principalmente em pontos com histórico de enchentes ou deslizamentos de terra. O programa será mantido até o dia 15 de abril, mas pode ser prorrogado caso a administração avalie que seja necessário.

De acordo com a Prefeitura, cerca de 350 profissionais vão trabalhar durante todo período em que vigorar a operação e já iniciaram as visitas técnicas em áreas vulneráveis para identificar possíveis riscos. Os mutirões junto às comunidades também já estão sendo realizados, com a distribuição de 10 mil materiais informativos, que incluem calendários e folders com contatos da Defesa Civil e orientações sobre o que a população deve fazer em casos de emergência. Nesta semana, as visitas ocorreram em pontos da Vila São Pedro, Grotão e Esperança.

“A operação vai seguir uma agenda de atividades que oferece informação para a sociedade com essas distribuições. É importante reforçar a participação da comunidade, como não jogar lixo em rios ou córregos, lembrando que existe a coleta seletiva e também os ecopontos”, explica o coordenador da Defesa Civil no município, Marcos Cayres. 

Segundo ele, o monitoramento da chuva tem o auxílio de 46 pluviômetros (aparelho para medir a quantidade de precipitação) espalhados pela cidade, sendo 31 automáticos e 15 manuais, pelos quais é possível observar o volume de chuva acumulada. Cayres lembra que uma das chuvas de 2019 atingiu 150 milímetros de água em menos de 12 horas. Ele explica que, caso chegue em 80 milímetros em 72 horas – corresponde a 80 litros – a situação já é considerada estado de atenção. 

De acordo com a Defesa Civil, a Prefeitura realiza intervenções em vários desses bairros, como a construção de taludes em assentamentos precários, “regularizando o caminho das águas e trazendo segurança aos moradores”. Dos 43 pontos monitorados, 28 já foram contemplados por trabalhos setorizados, como Parque Selecta e Vila São Pedro. Cerca de 10 mil famílias já foram beneficiadas pelos projetos. 

Segundo o prefeito Orlando Morando (PSDB), para a construção de taludes e demais intervenções já foram investidos cerca de R$ 70 milhões, sendo R$ 30 milhões do Estado, R$ 5 milhões da Prefeitura e o restante, recebido por meio de convênio da Secretaria de Habitação. “A operação fortalece esse monitoramento, pois as chuvas de verão não dão indícios”, destaca. Morando ainda ressalta que a operação também contará com o Piscinão do Paço, entregue em agosto de 2019, com capacidade para armazenar 220 milhões de m³ de água.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

S.Bernardo vigia 43 áreas de risco em ação especial

Operação iniciada ontem se estende até 15 de abril como prevenção durante o período de chuvas

Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

03/12/2020 | 00:02


A Prefeitura de São Bernardo lançou ontem a quarta edição da Operação Pé D’Água, com objetivo de monitorar 43 bairros ou comunidades durante o verão, principalmente em pontos com histórico de enchentes ou deslizamentos de terra. O programa será mantido até o dia 15 de abril, mas pode ser prorrogado caso a administração avalie que seja necessário.

De acordo com a Prefeitura, cerca de 350 profissionais vão trabalhar durante todo período em que vigorar a operação e já iniciaram as visitas técnicas em áreas vulneráveis para identificar possíveis riscos. Os mutirões junto às comunidades também já estão sendo realizados, com a distribuição de 10 mil materiais informativos, que incluem calendários e folders com contatos da Defesa Civil e orientações sobre o que a população deve fazer em casos de emergência. Nesta semana, as visitas ocorreram em pontos da Vila São Pedro, Grotão e Esperança.

“A operação vai seguir uma agenda de atividades que oferece informação para a sociedade com essas distribuições. É importante reforçar a participação da comunidade, como não jogar lixo em rios ou córregos, lembrando que existe a coleta seletiva e também os ecopontos”, explica o coordenador da Defesa Civil no município, Marcos Cayres. 

Segundo ele, o monitoramento da chuva tem o auxílio de 46 pluviômetros (aparelho para medir a quantidade de precipitação) espalhados pela cidade, sendo 31 automáticos e 15 manuais, pelos quais é possível observar o volume de chuva acumulada. Cayres lembra que uma das chuvas de 2019 atingiu 150 milímetros de água em menos de 12 horas. Ele explica que, caso chegue em 80 milímetros em 72 horas – corresponde a 80 litros – a situação já é considerada estado de atenção. 

De acordo com a Defesa Civil, a Prefeitura realiza intervenções em vários desses bairros, como a construção de taludes em assentamentos precários, “regularizando o caminho das águas e trazendo segurança aos moradores”. Dos 43 pontos monitorados, 28 já foram contemplados por trabalhos setorizados, como Parque Selecta e Vila São Pedro. Cerca de 10 mil famílias já foram beneficiadas pelos projetos. 

Segundo o prefeito Orlando Morando (PSDB), para a construção de taludes e demais intervenções já foram investidos cerca de R$ 70 milhões, sendo R$ 30 milhões do Estado, R$ 5 milhões da Prefeitura e o restante, recebido por meio de convênio da Secretaria de Habitação. “A operação fortalece esse monitoramento, pois as chuvas de verão não dão indícios”, destaca. Morando ainda ressalta que a operação também contará com o Piscinão do Paço, entregue em agosto de 2019, com capacidade para armazenar 220 milhões de m³ de água.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;