Fechar
Publicidade

Sábado, 29 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Diadema aprova mudança no serviço de filmagem


Renan Cacioli
Do Diário do Grande ABC

14/12/2005 | 08:06


A Câmara de Diadema aprovou terça-feira, em primeira discussão, o projeto de lei que municipaliza o Serviço de Som e Vídeo do Legislativo. Se a proposta for aprovada em nova votação, nesta quinta-feira, as duas empresas que atualmente prestam o serviço terceirizado não terão como renovar seus contratos para o restante de 2006 (o prazo do atual contrato vence dia 31 de fevereiro). A Mesa Diretora, autora do projeto, acredita que serão economizados R$ 3.029,25 mensais com a medida, avaliação que sofreu novas críticas dos representantes das empresas.

"Tomaram uma decisão sem consultar o outro lado. Não foi levantado conosco o custo do serviço", reclamou Eduardo Mantovani, sócio-diretor da Acessa Brasil, que realiza a filmagem, edição, codificação e distribuição pela internet das sessões realizadas em Diadema. A outra empresa, a Bakmar, capta o áudio. "Não tivemos direito de defesa. Não estamos aqui por acaso, mas por uma licitação. Ganhou quem apresentou o melhor preço e, se se chegou a determinado valor, é porque não tem mais o que abater", completou Mantovani.

De acordo com o projeto, os gastos estimados são de R$ 7.296,46 com salários após a municipalização das filmagens. O chefe de serviço ganhará R$ 2.922,10 mensais, seguido por um analista de sistemas (R$ 1.022,73), dois programadores (R$ 1.556,26) e um assistente legislativo (R$ 529,05). Juntas, Acessa Brasil e Bakmar oneram em R$ 10.325,71 os cofres do Legislativo, sem contar as sessões extraordinárias.

Se a substituição de funcionários de fora por gente da própria Câmara parece vantajosa, o ponto polêmico reside na infra-estrutura necessária para se fazer o serviço por conta própria. A Comissão de Finanças calculou em R$ 20 mil os custos com equipamentos novos – câmeras digitais, gravador de CD, mesa de edição, entre outros. "O projeto é interessante porque, além da economia de recursos públicos, incentivamos os funcionários da própria Casa", defendeu a vereadora Irene dos Santos (PT).

A proposta foi aprovada por todos os parlamentares presentes. Wagner Feitoza, o Vaguinho do Conselho (PSB), que posicionara-se contra, estava ausente no momento da votação.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;