Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 25 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Cerâmicas de Picasso sao expostas no Rio


Do Diário do Grande ABC

05/12/1999 | 15:58


Durante os 22 anos em que morou no sul da França, Pablo Picasso dedicou-se à cerâmica e foi retratado pelo entao jovem fotógrafo André Villers. Os cariocas vao conhecer parte dessa produçao a partir desta segunda-feira, quando será inaugurada apenas para convidados (na terça-feira será aberta ao público), na Casa França-Brasil, a exposiçao Cerâmicas de Picasso, com 80 peças que pertencem ao neto dele, Bernardo Ruiz Picasso, 27 fotos do artista trabalhando e 9 cartazes de outras mostras desenhados pelo próprio Picasso.

Se até agora o Rio nao havia recebido obras do artista, desde março duas mostras foram realizadas. A primeira foi a Suite Vollard, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), com gravuras. Em julho o Museu de Arte Moderna (MAM) trouxe obras (pinturas, gravuras e esculturas) do Museu Picasso de Paris, na exposiçao Anos de Guerra. A mostra de cerâmicas fica até janeiro e talvez vá a outras cidades, dependendo de acertos com Bernardo Ruiz Picasso, que vem ao Rio para a sua inauguraçao.

"É importante levar a obra de meu avô a pessoas que ainda nao tiveram contato com ela", disse por telefone, de Paris, o neto de Picasso e da bailarina russa Olga Koklova, a terceira mulher do artista. "Essas peças sao da minha coleçao particular e vao formar o Museu Picasso, em Málaga, na Espanha, cidade onde ele nasceu e morou até a juventude." Os vasos, pratos e quadros que compoem a mostra já foram levados, com peças de outros colecionadores, ao Metropolitan de Nova York e à Royal Academy, em Londres.

Nao foi fácil trazer as cerâmicas para o Rio. Por serem frágeis, o local de exposiçao deve ter umidade, luz e nível de trepidaçao adequados, o que exigiu adaptaçoes na Casa França-Brasil. As vitrines em que serao colocadas as peças têm revestimento especial e o iluminador Maneco Quindaré projetou uma luz que permite a visibilidade perfeita das obras, sem prejudicar sua coloraçao.

A busca de patrocínio foi outro problema, pois entre transporte, seguro, catálogo e montagem, a exposiçao custou R$ 790 mil e só em setembro a Telemar entregou o dinheiro, fora da Lei Rouanet porque já tinha esgotado sua cota deste ano. Segundo a presidente da Casa França-Brasil, Ana Lúcia Magalhaes Pinto, a parceria com a Telemar nao se resumirá à exposiçao. A empresa vai patrocinar também a reforma do telhado e a construçao de um cinema no prédio, obra orçada em R$ 1,2 milhao.

Picasso começou a fazer cerâmicas em 1946, logo após o fim da 2.ª Guerra, quando se mudou para Vallouris, na Provence, e conheceu a designer Susanne Ramié. A regiao era famosa pela qualidade do barro e das cerâmicas que produzia. Muitos artistas haviam comprado fábricas da Idade Média para criar peças artísticas. Susanne era uma dessas artistas e Picasso, que já era consagrado, milionário e estava entao casado com a pintora Françoise Gilot, abraçou a técnica.

De início, apenas pintava as peças, geralmente vasos e pratos de Susanne, mas logo começou a criar objetos, inventando bichos e plantas que eram desenhados em vasos e caçarolas. Mais tarde, passou a fazer azulejos e quadros em cerâmica, além de pratos espanhóis em que reproduzia cenas da mitologia provençal ou reinventava a natureza da regiao. Segundo a crítica de arte Marilyn McCully, especialista nas cerâmicas de Picasso, que assina o catálogo da exposiçao, a cerâmica o atraiu porque nela se reproduzia várias vezes a mesma imagem, com pequenas modificaçoes. No entanto, nos anos 60, Picasso foi se desinteressando pela técnica até parar de usá-la, na segunda metade da década.

Ao todo foram mais de 4 mil peças ao longo de 27 anos, mas o artista vendeu a maior parte de sua criaçao. Na ocasiao de sua morte, os herdeiros disputaram suas obras com o governo francês, que criou o Museu Picasso com o pagamento do imposto de herança. Mas a família nao quis desfazer-se das peças de cerâmica que Picasso guardara em seu poder e readquiriu a maior parte delas.

Além das 80 peças, estarao expostos cartazes do próprio Picasso para suas exposiçoes e fotos de André Villers, seu retratista oficial. Os dois se conheceram nos anos 50 e ficaram amigos até a morte de Picasso, em 73. Nos 20 anos em que conviveram, mais de mil fotos foram tiradas em situaçoes oficiais ou informais.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;