Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 30 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Grande ABC encerra campanha com 1.285 casos de sarampo

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Em 18 dias, região registrou pelo menos 127 vítimas da doença; cobertura vacinal nas sete cidades segue abaixo da recomendação


Flávia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

04/12/2019 | 07:00


O Grande ABC soma 1.285 casos de sarampo neste ano, sendo 127 registrados apenas nos últimos 18 dias. A segunda fase da campanha de vacinação promovida pelo governo do Estado de São Paulo terminou na sexta-feira, contudo, a cobertura vacinal na região segue abaixo dos 95% indicados pelo Ministério da Saúde.

Com 351 diagnósticos, Santo André é a cidade com a maior incidência. São Bernardo registrou 295 casos, seguido por Mauá (272), Diadema (133) e São Caetano (86). Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra não responderam até o fechamento desta edição, portanto, foram considerados os números obtidos em 12 de novembro: 140 e oito, respectivamente.

Em relação à cobertura vacinal, São Caetano registra 70% das pessoas vacinadas, Santo André 54% e Mauá, 37,7%. São Bernardo informou apenas que 9% do público-alvo, composto por jovens entre 20 e 29 anos, foi imunizado neste ano. Vale lembrar que o único meio de prevenção é a vacina.

O sarampo é extremamente infectocontagioso, uma vez que o vírus é transmitido por gotículas, ou seja, pode ser transmitido pela tosse e pelo beijo, por exemplo. Os principais sintomas são febre, manchas avermelhadas na pele, tosse persistente, mal-estar e irritação nos olhos. A doença pode ser transmitida mesmo que a pessoa ainda não tenha apresentado os indícios.

Segundo Patrícia Montanheiro, biomédica e coordenadora do Laboratório de Análises Clínicas da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), é imprescindível a aplicação da segunda dose para que a vacina combata o vírus. “No caso das crianças, o ideal é evitar levá-las em ambientes com muitas pessoas e deixar para ir a hospitais apenas em caso de emergência até que a carteirinha de vacinação esteja completa”, orienta.

O controle da doença deve levar pelo menos cinco anos. “O vírus está circulando com mais frequência e uma pessoa pode transmitir até dez mil vírus quando tosse, então o fim da epidemia ainda demandará algum tempo”, explica. Vale lembrar que o Brasil chegou a ficar quase cinco anos sem casos. O País perdeu, em março, o certificado de erradicação da doença, concedido pela Opas (Organização Pan-Americana de Saúde), em 2016. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;