Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Guardas grevistas param o Centro


Bruno Ribeiro
Do Diário do Grande ABC

24/06/2007 | 07:06


Cerca de 300 guardas civis municipais de São Bernardo fizeram uma passeata no Centro da cidade neste sábado para marcar uma semana de greve da categoria. O movimento provocou um grande congestionamento, causando lentidão nas três principais vias da área – Rua Jurubatuba, Avenida Brigadeiro Faria Lima e Rua Marechal Deodoro – por toda a manhã.

A passeata dos agentes durou três horas. Saiu da sede da corporação, seguiu pela Rua Jurubatuba até a Rua Lauro Gomes, atravessou a Faria Lima e terminou no Paço Municipal, após passar pela Marechal.

No trajeto até a Rua Lauro Gomes, os grevistas ocuparam apenas uma das faixas de trânsito, enquanto os carros passavam pelas demais. Houve tumulto, troca de xingamentos e chutes em carros e motos que tentavam furar a passeata, geralmente motoqueiros que mostravam sua irritação com a proibição em seguir acelerando as motos. Mas ninguém ficou ferido.

Na Marechal, já mais organizada e pacífica, a passeata fechou a rua, seguindo até o paço. Os carros do Departamento de Trânsito de São Bernardo só apareceram para dar suporte à passeata já na Rua Marechal Deodoro, quando não havia opções de fuga para o motorista preso no protesto.

Os grevistas querem obrigar a Prefeitura a negociar reposições salariais e exigem a saída do comandante Antônio Branco, que seria autoritário. A assessoria de imprensa da Prefeitura não atendeu aos telefonemas do Diário para comentar a passeata.

Greve de fome - O guarda civil Kléber Teixeira de Brito, em greve de fome desde quarta-feira para pressionar a Prefeitura, disse passar bem. “O médico me examinou, mediu minha glicemia. Eu estou bem.” Kléber garantiu que só terminará o protesto quando a Prefeitura abrir-se ao diálogo. “Mas acredito que sairei daqui resgatado antes da administração negociar conosco”, disse.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Guardas grevistas param o Centro

Bruno Ribeiro
Do Diário do Grande ABC

24/06/2007 | 07:06


Cerca de 300 guardas civis municipais de São Bernardo fizeram uma passeata no Centro da cidade neste sábado para marcar uma semana de greve da categoria. O movimento provocou um grande congestionamento, causando lentidão nas três principais vias da área – Rua Jurubatuba, Avenida Brigadeiro Faria Lima e Rua Marechal Deodoro – por toda a manhã.

A passeata dos agentes durou três horas. Saiu da sede da corporação, seguiu pela Rua Jurubatuba até a Rua Lauro Gomes, atravessou a Faria Lima e terminou no Paço Municipal, após passar pela Marechal.

No trajeto até a Rua Lauro Gomes, os grevistas ocuparam apenas uma das faixas de trânsito, enquanto os carros passavam pelas demais. Houve tumulto, troca de xingamentos e chutes em carros e motos que tentavam furar a passeata, geralmente motoqueiros que mostravam sua irritação com a proibição em seguir acelerando as motos. Mas ninguém ficou ferido.

Na Marechal, já mais organizada e pacífica, a passeata fechou a rua, seguindo até o paço. Os carros do Departamento de Trânsito de São Bernardo só apareceram para dar suporte à passeata já na Rua Marechal Deodoro, quando não havia opções de fuga para o motorista preso no protesto.

Os grevistas querem obrigar a Prefeitura a negociar reposições salariais e exigem a saída do comandante Antônio Branco, que seria autoritário. A assessoria de imprensa da Prefeitura não atendeu aos telefonemas do Diário para comentar a passeata.

Greve de fome - O guarda civil Kléber Teixeira de Brito, em greve de fome desde quarta-feira para pressionar a Prefeitura, disse passar bem. “O médico me examinou, mediu minha glicemia. Eu estou bem.” Kléber garantiu que só terminará o protesto quando a Prefeitura abrir-se ao diálogo. “Mas acredito que sairei daqui resgatado antes da administração negociar conosco”, disse.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;