Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 27 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Macedônia está impaciente com refugiados


Do Diário do Grande ABC

13/04/1999 | 08:47


Centenas de refugiados albaneses do Kosovo chegaram esta terça-feira pela manha à Macedônia, onde se organiza a ajuda internacional, mas cujas autoridades desejam sua saída para os outros países, e reclamam da lentidao dos traslados.

Entre 500 e 600 refugiados se apresentaram no posto fronteiriço de Blace.

Eles se somam aos cerca de 105.000 albaneses do Kosovo ainda refugiados no país, segundo os últimos números do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR).

Só esta terça-feira, dois mil sao esperados em Blace, segundo informaçoes da televisao macedônia A-1.

Desde o início da crise, a Macedônia reitera que sua estabilidade política e sua segurança estao ameaçadas pelo fluxo incessante de refugiados. O transporte de ônibus desses refugiados para a vizinha Albânia já começou. Avioes sao usados para levá-los para outros países.

``O inquietante é que os traslados a outros países nao sao realizados de acordo com o programa combinado e estabelecido segundo as ofertas de acolhida a refugiados, feitas por alguns países'', afirmou ontem à noite o ministro da Defesa, Nikola Kljusev.

``Alguns governos entraram em contato com o governo macedônio, afirmando que nao respetariam o acordo por causa das declaraçoes feitas pela Alta comissária para os refugiados, Sadako Ogata'', acrescentou o ministro.

Efetivamente, o ACNUR convenceu nos últimos dias a vários países, por exemplo Dinamarca e Canadá, a suspender seus planos de acolhida de refugiados.

``Nosso primeiro objetivo é ajudá-los a permanecer na regiao e nos países vizinhos'' afirmou segunda-feira um responsável do ACNUR em Copenhague.

Dos 125.000 albaneses de Kosovo que buscaram refúgio na Macedônia, cerca de 105.000 continuam no país, dos quais 60.000 albergados em famílias e 44. 000 nos campos.

O descontentamento do governo macedônio em relaçao ao ACNUR é provocado pela ``lentidao no registro'' de refugiados, informa esta terça-feira a TV-A1.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Macedônia está impaciente com refugiados

Do Diário do Grande ABC

13/04/1999 | 08:47


Centenas de refugiados albaneses do Kosovo chegaram esta terça-feira pela manha à Macedônia, onde se organiza a ajuda internacional, mas cujas autoridades desejam sua saída para os outros países, e reclamam da lentidao dos traslados.

Entre 500 e 600 refugiados se apresentaram no posto fronteiriço de Blace.

Eles se somam aos cerca de 105.000 albaneses do Kosovo ainda refugiados no país, segundo os últimos números do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR).

Só esta terça-feira, dois mil sao esperados em Blace, segundo informaçoes da televisao macedônia A-1.

Desde o início da crise, a Macedônia reitera que sua estabilidade política e sua segurança estao ameaçadas pelo fluxo incessante de refugiados. O transporte de ônibus desses refugiados para a vizinha Albânia já começou. Avioes sao usados para levá-los para outros países.

``O inquietante é que os traslados a outros países nao sao realizados de acordo com o programa combinado e estabelecido segundo as ofertas de acolhida a refugiados, feitas por alguns países'', afirmou ontem à noite o ministro da Defesa, Nikola Kljusev.

``Alguns governos entraram em contato com o governo macedônio, afirmando que nao respetariam o acordo por causa das declaraçoes feitas pela Alta comissária para os refugiados, Sadako Ogata'', acrescentou o ministro.

Efetivamente, o ACNUR convenceu nos últimos dias a vários países, por exemplo Dinamarca e Canadá, a suspender seus planos de acolhida de refugiados.

``Nosso primeiro objetivo é ajudá-los a permanecer na regiao e nos países vizinhos'' afirmou segunda-feira um responsável do ACNUR em Copenhague.

Dos 125.000 albaneses de Kosovo que buscaram refúgio na Macedônia, cerca de 105.000 continuam no país, dos quais 60.000 albergados em famílias e 44. 000 nos campos.

O descontentamento do governo macedônio em relaçao ao ACNUR é provocado pela ``lentidao no registro'' de refugiados, informa esta terça-feira a TV-A1.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;