Fechar
Publicidade

Sábado, 6 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Paquistão vai colocar minas em sua fronteira com o Afeganistão


Da AFP

26/12/2006 | 14:49


O Paquistão anunciou nesta terça-feira a decisão de instalar uma barreira e de colocar minas ao longo de parte de sua fronteira com o Afeganistão para impedir a infiltração de extremistas, apesar da oposição de Cabul que não reconhece o traçado desta fronteira.

"O exército paquistanês foi orientado a definir as modalidades de instalação de uma barreira e de minas ao longo de parte da fronteira" de 2.500 km, declarou à imprensa Riaz Mohammad Khan, secretário das Relações Exteriores, sem especificar quando começarão os trabalhos.

"O objetivo destas medidas é impedir que rebeldes possam atuar no Afeganistão a partir do Paquistão", acrescentou o diplomata paquistanês.

"Passagens serão estabelecidas, e estreitamente vigiadas", destacou.

As zonas tribais paquistanesas, de maioria pashtun, são acusadas pelas autoridades afegãs de servir de base aos rebeldes afegãos, particularmente aos talibãs, e de refúgio a membros da rede terrorista Al-Qaeda.

De acordo com a força da Otan no Afeganistão, as infiltrações de extremistas se intensificaram após a assinatura, em setembro passado, de um "acordo de paz" entre Islamabad e militantes pró-talibãs da parte norte do Waziristão, na fronteira com o Afeganistão.

Khan frisou nesta terça-feira que a decisão paquistanesa era conhecida em Cabul e que o Paquistão "não precisa do consentimento de nenhum outro país para instalar uma barreira ou para tomar qualquer medida que considerar apropriada do lado paquistanês da fronteira".

Em Cabul, a presidência denunciou a decisão paquistanesa. "Temos que enfrentar realmente os terroristas. Instalar uma barreira ou colocar minas na fronteira não vai ajudar. É por isso que somos contra" as medidas anunciadas por Islamabad, declarou à AFP Khaleeq Ahmad, um porta-voz da presidência afegã.

Segundo a imprensa afegã favorável ao governo, o verdadeiro objetivo de Islamabad é levar Cabul a reconhecer a "linha Durand" como a fronteira entre os dois países.

A linha Durand foi estabelecida em 1893 pelos britânicos para separar o território afegão do que se encontrava então sob dominação britânica. No entanto, Cabul se recusa a reconhecer esta fronteira, que corta em dois os territórios da etnia pashtun.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Paquistão vai colocar minas em sua fronteira com o Afeganistão

Da AFP

26/12/2006 | 14:49


O Paquistão anunciou nesta terça-feira a decisão de instalar uma barreira e de colocar minas ao longo de parte de sua fronteira com o Afeganistão para impedir a infiltração de extremistas, apesar da oposição de Cabul que não reconhece o traçado desta fronteira.

"O exército paquistanês foi orientado a definir as modalidades de instalação de uma barreira e de minas ao longo de parte da fronteira" de 2.500 km, declarou à imprensa Riaz Mohammad Khan, secretário das Relações Exteriores, sem especificar quando começarão os trabalhos.

"O objetivo destas medidas é impedir que rebeldes possam atuar no Afeganistão a partir do Paquistão", acrescentou o diplomata paquistanês.

"Passagens serão estabelecidas, e estreitamente vigiadas", destacou.

As zonas tribais paquistanesas, de maioria pashtun, são acusadas pelas autoridades afegãs de servir de base aos rebeldes afegãos, particularmente aos talibãs, e de refúgio a membros da rede terrorista Al-Qaeda.

De acordo com a força da Otan no Afeganistão, as infiltrações de extremistas se intensificaram após a assinatura, em setembro passado, de um "acordo de paz" entre Islamabad e militantes pró-talibãs da parte norte do Waziristão, na fronteira com o Afeganistão.

Khan frisou nesta terça-feira que a decisão paquistanesa era conhecida em Cabul e que o Paquistão "não precisa do consentimento de nenhum outro país para instalar uma barreira ou para tomar qualquer medida que considerar apropriada do lado paquistanês da fronteira".

Em Cabul, a presidência denunciou a decisão paquistanesa. "Temos que enfrentar realmente os terroristas. Instalar uma barreira ou colocar minas na fronteira não vai ajudar. É por isso que somos contra" as medidas anunciadas por Islamabad, declarou à AFP Khaleeq Ahmad, um porta-voz da presidência afegã.

Segundo a imprensa afegã favorável ao governo, o verdadeiro objetivo de Islamabad é levar Cabul a reconhecer a "linha Durand" como a fronteira entre os dois países.

A linha Durand foi estabelecida em 1893 pelos britânicos para separar o território afegão do que se encontrava então sob dominação britânica. No entanto, Cabul se recusa a reconhecer esta fronteira, que corta em dois os territórios da etnia pashtun.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;