Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Governo argentino negocia acordo crucial com governadores


Das Agências

26/02/2002 | 00:23


O governo argentino avançou nesta segunda-feira nas duras negociações com as províncias e convocou os governadores para a terça-feira, às 17h locais (17h de Brasília), acreditando que conseguirá assinar um crucial acordo exigido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para conceder ajuda financeira.

O presidente Eduardo Duhalde se mostrou otimista em relação à possibilidade de assinar nesta terça a proposta. O chefe de Gabinete, Jorge Capintanich, reforçou as palavras de Duhalde, embora tenha admitido que "existem algumas divergências mínimas".

Os ministros do Interior, Rodolfo Gabrielli, e da Economia, Jorge Remes Lenicov, tiveram nesta segunda-feira várias conversas por telefone com os governadores e reuniões em Buenos Aires com os ministros da Fazenda dos distritos, disseram fontes do governo.

A proposta de corte de gastos e de uma nova divisão dos impostos federais, que modifica a Lei de Co-Participação federal em vigor, sofria a resistência dos governadores.

A falta de acordo com os distritos freou também o tratamento no Parlamento do Orçamento 2002, cuja aprovação com diminuição dos gastos é uma outra exigência do FMI.

A nova proposta enviada aos 24 governadores (14 são oficialistas) se baseia em repartir todo o valor arrecadado em impostos: 56% para a administração central e 44% para as províncias, o que implica eliminar o piso de 1,364 bilhão de pesos mensais (cerca de US$ 700 milhões), que se divide agora entre os distritos, anteciparam as fontes.

O governo propôs ainda dividir a arrecadação do imposto sobre transações financeiras, mas não se chegou um acordo quanto ao percentual.

A nova proposta oficial seria repartir entre as províncias 25% desta tarifa, que cobre a queda da arrecadação, disseram as fontes.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Governo argentino negocia acordo crucial com governadores

Das Agências

26/02/2002 | 00:23


O governo argentino avançou nesta segunda-feira nas duras negociações com as províncias e convocou os governadores para a terça-feira, às 17h locais (17h de Brasília), acreditando que conseguirá assinar um crucial acordo exigido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para conceder ajuda financeira.

O presidente Eduardo Duhalde se mostrou otimista em relação à possibilidade de assinar nesta terça a proposta. O chefe de Gabinete, Jorge Capintanich, reforçou as palavras de Duhalde, embora tenha admitido que "existem algumas divergências mínimas".

Os ministros do Interior, Rodolfo Gabrielli, e da Economia, Jorge Remes Lenicov, tiveram nesta segunda-feira várias conversas por telefone com os governadores e reuniões em Buenos Aires com os ministros da Fazenda dos distritos, disseram fontes do governo.

A proposta de corte de gastos e de uma nova divisão dos impostos federais, que modifica a Lei de Co-Participação federal em vigor, sofria a resistência dos governadores.

A falta de acordo com os distritos freou também o tratamento no Parlamento do Orçamento 2002, cuja aprovação com diminuição dos gastos é uma outra exigência do FMI.

A nova proposta enviada aos 24 governadores (14 são oficialistas) se baseia em repartir todo o valor arrecadado em impostos: 56% para a administração central e 44% para as províncias, o que implica eliminar o piso de 1,364 bilhão de pesos mensais (cerca de US$ 700 milhões), que se divide agora entre os distritos, anteciparam as fontes.

O governo propôs ainda dividir a arrecadação do imposto sobre transações financeiras, mas não se chegou um acordo quanto ao percentual.

A nova proposta oficial seria repartir entre as províncias 25% desta tarifa, que cobre a queda da arrecadação, disseram as fontes.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;