Fechar
Publicidade

Sábado, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

58% dos trabalhadores pagarão dívidas com 13º


Hugo Cilo
Do Diário do Grande ABC

10/11/2005 | 08:49


Com um olho nas compras de Natal e outro nas despesas de janeiro – IPVA, IPTU, materiais escolares, matrículas –, 58% dos trabalhadores brasileiros vão utilizar em dezembro os R$ 42 bilhões do 13º salário para quitar dívidas, e se livrar do peso dos juros no orçamento doméstico. Apenas 17% dos trabalhadores pretendem gastar o abono salarial para comprar presentes no Natal.

A constatação é da Pesquisa Anual de Utilização do 13º Salário, da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade), divulgado nesta quarta-feira, e realizada entre os dias 1º e 4 de novembro, com 783 consumidores na Grande São Paulo.

Pela primeira vez, a pesquisa detalha o destino do abono salarial de fim de ano na quitação de dívidas já contraídas – 31% dos entrevistados que pretendem pagar contas disseram que vão cobrir o cheque especial; 24% o cartão de crédito; 21% limpar o nome; 11% carnês no comércio; 8% financiamento bancário e 5% dívidas diversas (escola, telefonia, tarifas públicas, entre outras).

Segundo o vice-presidente da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira, os números da pesquisa revelam que os consumidores estão mais conscientes em relação ao uso do crédito, e que após pagar dívidas voltarão a comprar por meio de novos financiamentos.

“Enxergo a pesquisa por dois ângulos: a parte negativa mostra que as pessoas estão muito endividadas, o que desestimula o consumo. Por outro lado, está maior a consciência da importância de quitar dívidas, em especial aquelas que mais pesam no orçamento, como cheque especial e cartões de crédito rotativo, nas quais os juros variam de 158% a 224% ao ano”, diz Oliveira.

Entre os trabalhadores que pretendem utilizar o 13º salário em compra de presentes, segundo a pesquisa da Anefac, 10% disseram que vão gastar até R$ 100; 15% entre R$ 100 e R$ 200; 24% de R$ 200 a R$ 500; 17% entre R$ 500 e R$ 1 mil; 19% de R$ 1 mil a R$ 2 mil; 11% entre R$ 2 mil e R$ 5 mil; e 4% pretendem gastar mais de R$ 5 mil.

Na avaliação da Anefac, outro indicador importante, que revela a preocupação do consumidor em relação ao acúmulo de dívidas, é a parcela significativa dos consumidores que pretendem fazer compras à vista neste fim de ano.

Em ordem decrescente, a pesquisa mostra que 85% dos entrevistados responderam que o pagamento de compras com cheque, dinheiro ou cartão de débito será o meio prioritário de quitação. Em seguida, com 68% das respostas, aparece o cheque pré-datado, acompanhado por cartão de crédito (73%), carnês (34%) e financiamento bancário (26%).


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

58% dos trabalhadores pagarão dívidas com 13º

Hugo Cilo
Do Diário do Grande ABC

10/11/2005 | 08:49


Com um olho nas compras de Natal e outro nas despesas de janeiro – IPVA, IPTU, materiais escolares, matrículas –, 58% dos trabalhadores brasileiros vão utilizar em dezembro os R$ 42 bilhões do 13º salário para quitar dívidas, e se livrar do peso dos juros no orçamento doméstico. Apenas 17% dos trabalhadores pretendem gastar o abono salarial para comprar presentes no Natal.

A constatação é da Pesquisa Anual de Utilização do 13º Salário, da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade), divulgado nesta quarta-feira, e realizada entre os dias 1º e 4 de novembro, com 783 consumidores na Grande São Paulo.

Pela primeira vez, a pesquisa detalha o destino do abono salarial de fim de ano na quitação de dívidas já contraídas – 31% dos entrevistados que pretendem pagar contas disseram que vão cobrir o cheque especial; 24% o cartão de crédito; 21% limpar o nome; 11% carnês no comércio; 8% financiamento bancário e 5% dívidas diversas (escola, telefonia, tarifas públicas, entre outras).

Segundo o vice-presidente da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira, os números da pesquisa revelam que os consumidores estão mais conscientes em relação ao uso do crédito, e que após pagar dívidas voltarão a comprar por meio de novos financiamentos.

“Enxergo a pesquisa por dois ângulos: a parte negativa mostra que as pessoas estão muito endividadas, o que desestimula o consumo. Por outro lado, está maior a consciência da importância de quitar dívidas, em especial aquelas que mais pesam no orçamento, como cheque especial e cartões de crédito rotativo, nas quais os juros variam de 158% a 224% ao ano”, diz Oliveira.

Entre os trabalhadores que pretendem utilizar o 13º salário em compra de presentes, segundo a pesquisa da Anefac, 10% disseram que vão gastar até R$ 100; 15% entre R$ 100 e R$ 200; 24% de R$ 200 a R$ 500; 17% entre R$ 500 e R$ 1 mil; 19% de R$ 1 mil a R$ 2 mil; 11% entre R$ 2 mil e R$ 5 mil; e 4% pretendem gastar mais de R$ 5 mil.

Na avaliação da Anefac, outro indicador importante, que revela a preocupação do consumidor em relação ao acúmulo de dívidas, é a parcela significativa dos consumidores que pretendem fazer compras à vista neste fim de ano.

Em ordem decrescente, a pesquisa mostra que 85% dos entrevistados responderam que o pagamento de compras com cheque, dinheiro ou cartão de débito será o meio prioritário de quitação. Em seguida, com 68% das respostas, aparece o cheque pré-datado, acompanhado por cartão de crédito (73%), carnês (34%) e financiamento bancário (26%).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;