Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Ritmo lento põe em xeque entrega de museu até dia 31 de dezembro

Ricardo Trida/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Prefeito eleito de S.Bernardo, Morando quer modificar projeto se não for concluído até o fim do ano; Marinho cita vinculação do contrato


Leandro Baldini
Do Diário do Grande ABC

15/11/2016 | 07:00


O destino do Museu do Trabalho e Trabalhador, projeto milionário idealizado pelo prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), no Centro da cidade, será definido nos próximos 45 dias. A conclusão e a entrega do canteiro estão em xeque, dependendo exclusivamente do ritmo dos serviços, que seguem a passos lentos depois de serem retomados em maio – o empreendimento era para ter sido entregue em 2013 e ficou abandonado por dois anos.

O prefeito eleito, Orlando Morando (PSDB), afirma que se a obra não for concluída até o fim do governo Marinho vai pedir modificação para implementação de unidade da Fábrica de Cultura, programa do governo do Estado.

Na semana passada, a equipe do Diário voltou ao local, situado próximo ao Paço, e flagrou que o museu ainda está longe de ser finalizado. Era aproximadamente 15h30 e em torno de aproximadamente 15 homens trabalhavam no momento. O piso é ainda de terra no pátio do canteiro e no interior do complexo não foi iniciada a etapa de acabamento.

Um dos trabalhadores da Construções e Incorporações CEI, responsável pela execução dos serviços, disse que o desafio é justamente concluir até o fim de ano, mas ele evitou cravar prognóstico. “Não depende somente do nosso trabalho. Tem também a questão das chuvas, que ocorrem neste período, e outras situações. Estamos correndo para terminar”, contou o colaborador, citando que em torno de 40 homens dão expediente entre 7h às 17h, de segunda-feira a sexta-feira.

Orçado originalmente em R$ 18 milhões, o museu vai consumir R$ 21,6 milhões. A construção foi iniciada em 2012 e foi um dos motes da campanha que reelegeu Marinho naquele ano. O objetivo é enaltecer a trajetória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), padrinho político de Marinho. Em novembro de 2014, as intervenções foram interrompidas e o complexo se tornou ponto de usuários de drogas e área de procriação do mosquito Aedes aegypti. Somente em maio deste ano os serviços foram retomados.

Prestes a deixar a Prefeitura, Marinho afirmou não acreditar que seja possível modificar o projeto, mesmo se o museu não for entregue. “Não acredito que mudará (o projeto para Museu do Trabalho) porque o convênio vincula. O que ele (Orlando Morando) falou foi uma grande bobagem. A não ser que você refaça o convênio com o Ministério da Cultura, porque o recurso é carimbado para museu”. No mês passado, Marinho enviou para Câmara projeto de lei que institui oficialmente o empreendimento. A matéria, porém, não teve evolução dentro da Câmara. “Eu aprendi a respeitar o tempo do Legislativo. Vai ser aprovado”, projetou Marinho.

Morando afirmou que não se intimida com as dificuldades para mudar o objeto do prédio, destacando que vai acionar o ministro da Cultura, Marcelo Calero, para debater o tema. “Não entendo a necessidade de um museu nesses moldes. As obras não foram finalizadas e não há equipamento. Vamos levar ao ministro um novo projeto para que o espaço receba a unidade da Fábrica de Cultura”, discorreu Morando.

Obra é investigada pela Justiça e recebe críticas de munícipes

Ao longo de quatro anos, o projeto do Museu do Trabalho e do Trabalho se tornou um dos marcos do governo do prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), sendo alvo da Justiça e de reclamações de munícipes. O MPF (Ministério Público Federal), por exemplo, investiga denúncias sobre o museu.
O episódio mais graves foi revelado com exclusividade pelo Diário em 2013. Na ocasião, foi publicado que o proprietário da Construções e Incorporações CEI, Elvio José Marussi, tinha como sócio um eletricista desempregado morador de Diadema. O suposto laranja foi retirado do quadro societário depois que o caso foi revelado. Ele tinha R$ 10,4 milhões em cotas da empresa sem ter conhecimento. A construtora nega irregularidades do caso.

Entre os moradores e comerciantes das proximidades da obra, o clima é de incerteza e questionamento. Gerente da loja Doces e Festas, Mônica Maria da Silva, 35 anos, vê com desconfiança o andamento da obra. “Acho uma perda de tempo esse museu. Existem outras prioridades, que seriam bem mais importantes para a cidade. Ficou um bom tempo abandonado e agora parece que vai terminar. Não sei, só aguardando e torcendo por outra coisa”, disse.

Vendedor ambulante de sorvete e açaí há quatro anos nos arredores do canteiro, Ricardo Barbosa, 25 anos, também é crítico ao comentar sobre o projeto. “Tenho visto a volta dos trabalhos. Não sei se vão terminar, mas torço por outra coisa. A área é muito boa e acho muito desperdício gastar tempo e dinheiro para construir um museu. Se tivessem reformado o mercadão agradariam mais”, disse o vendedor citando o Mercado Municipal, que funcionava no local. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ritmo lento põe em xeque entrega de museu até dia 31 de dezembro

Prefeito eleito de S.Bernardo, Morando quer modificar projeto se não for concluído até o fim do ano; Marinho cita vinculação do contrato

Leandro Baldini
Do Diário do Grande ABC

15/11/2016 | 07:00


O destino do Museu do Trabalho e Trabalhador, projeto milionário idealizado pelo prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), no Centro da cidade, será definido nos próximos 45 dias. A conclusão e a entrega do canteiro estão em xeque, dependendo exclusivamente do ritmo dos serviços, que seguem a passos lentos depois de serem retomados em maio – o empreendimento era para ter sido entregue em 2013 e ficou abandonado por dois anos.

O prefeito eleito, Orlando Morando (PSDB), afirma que se a obra não for concluída até o fim do governo Marinho vai pedir modificação para implementação de unidade da Fábrica de Cultura, programa do governo do Estado.

Na semana passada, a equipe do Diário voltou ao local, situado próximo ao Paço, e flagrou que o museu ainda está longe de ser finalizado. Era aproximadamente 15h30 e em torno de aproximadamente 15 homens trabalhavam no momento. O piso é ainda de terra no pátio do canteiro e no interior do complexo não foi iniciada a etapa de acabamento.

Um dos trabalhadores da Construções e Incorporações CEI, responsável pela execução dos serviços, disse que o desafio é justamente concluir até o fim de ano, mas ele evitou cravar prognóstico. “Não depende somente do nosso trabalho. Tem também a questão das chuvas, que ocorrem neste período, e outras situações. Estamos correndo para terminar”, contou o colaborador, citando que em torno de 40 homens dão expediente entre 7h às 17h, de segunda-feira a sexta-feira.

Orçado originalmente em R$ 18 milhões, o museu vai consumir R$ 21,6 milhões. A construção foi iniciada em 2012 e foi um dos motes da campanha que reelegeu Marinho naquele ano. O objetivo é enaltecer a trajetória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), padrinho político de Marinho. Em novembro de 2014, as intervenções foram interrompidas e o complexo se tornou ponto de usuários de drogas e área de procriação do mosquito Aedes aegypti. Somente em maio deste ano os serviços foram retomados.

Prestes a deixar a Prefeitura, Marinho afirmou não acreditar que seja possível modificar o projeto, mesmo se o museu não for entregue. “Não acredito que mudará (o projeto para Museu do Trabalho) porque o convênio vincula. O que ele (Orlando Morando) falou foi uma grande bobagem. A não ser que você refaça o convênio com o Ministério da Cultura, porque o recurso é carimbado para museu”. No mês passado, Marinho enviou para Câmara projeto de lei que institui oficialmente o empreendimento. A matéria, porém, não teve evolução dentro da Câmara. “Eu aprendi a respeitar o tempo do Legislativo. Vai ser aprovado”, projetou Marinho.

Morando afirmou que não se intimida com as dificuldades para mudar o objeto do prédio, destacando que vai acionar o ministro da Cultura, Marcelo Calero, para debater o tema. “Não entendo a necessidade de um museu nesses moldes. As obras não foram finalizadas e não há equipamento. Vamos levar ao ministro um novo projeto para que o espaço receba a unidade da Fábrica de Cultura”, discorreu Morando.

Obra é investigada pela Justiça e recebe críticas de munícipes

Ao longo de quatro anos, o projeto do Museu do Trabalho e do Trabalho se tornou um dos marcos do governo do prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), sendo alvo da Justiça e de reclamações de munícipes. O MPF (Ministério Público Federal), por exemplo, investiga denúncias sobre o museu.
O episódio mais graves foi revelado com exclusividade pelo Diário em 2013. Na ocasião, foi publicado que o proprietário da Construções e Incorporações CEI, Elvio José Marussi, tinha como sócio um eletricista desempregado morador de Diadema. O suposto laranja foi retirado do quadro societário depois que o caso foi revelado. Ele tinha R$ 10,4 milhões em cotas da empresa sem ter conhecimento. A construtora nega irregularidades do caso.

Entre os moradores e comerciantes das proximidades da obra, o clima é de incerteza e questionamento. Gerente da loja Doces e Festas, Mônica Maria da Silva, 35 anos, vê com desconfiança o andamento da obra. “Acho uma perda de tempo esse museu. Existem outras prioridades, que seriam bem mais importantes para a cidade. Ficou um bom tempo abandonado e agora parece que vai terminar. Não sei, só aguardando e torcendo por outra coisa”, disse.

Vendedor ambulante de sorvete e açaí há quatro anos nos arredores do canteiro, Ricardo Barbosa, 25 anos, também é crítico ao comentar sobre o projeto. “Tenho visto a volta dos trabalhos. Não sei se vão terminar, mas torço por outra coisa. A área é muito boa e acho muito desperdício gastar tempo e dinheiro para construir um museu. Se tivessem reformado o mercadão agradariam mais”, disse o vendedor citando o Mercado Municipal, que funcionava no local. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;