Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 14 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Emprego com carteira cai 41% na região


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

27/04/2007 | 07:10


Na contramão dos dados nacionais de emprego formal (com carteira assinada), que apontaram um recorde de abertura de postos de trabalho, o Grande ABC registrou de janeiro a março um saldo (contratações menos admissões) 41,64% inferior ao observado no mesmo período do ano passado.

Foram criadas na região apenas 4.533 postos de trabalho nos três meses iniciais de 2007, contra 7.744 no primeiro trimestre de 2007, de acordo com números do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho.

Segundo o economista do Observatório Econômico de Santo André, Marcos César Lopes Barros, o saldo menor de geração de vagas reflete, entre outros fatores, o forte impacto da variação cambial sobre a atividade econômica dos sete municípios, tradicionalmente um pólo exportador de veículos e autopeças e ainda o forte impulso no nível de ocupação em outras regiões, em conseqüência, por exemplo, da expansão do segmento agrícola – em especial, o ramo sucroalcooleiro.

Pesquisa feita pelo Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) já apontava que enquanto o setor industrial do Interior do Estado apresentava crescimento no nível do emprego, impulsionada pelas contratações nas usinas de álcool, as sete cidades vinham com taxas negativas.

Para Barros, o dólar em queda frente ao real desde o ano passado, além de reduzir o ritmo de exportações, provocou uma invasão de produtos importados, o que dificulta a vida das indústrias brasileiras no mercado interno.

O levantamento do Caged no Grande ABC no trimestre aponta que o segmento industrial reduziu bastante o ritmo de contratações. Esse setor em Santo André, por exemplo, teve saldo de apenas 16 vagas neste ano, contra 518 no mesmo período de 2006.

Em março - Se no trimestre o saldo é menor que em 2006, em março observa-se uma alta de 19,59% em relação ao mesmo mês de 2006. A reação, que pode refletir uma melhora na oferta de crédito, ocorreu em São Bernardo, onde o setor de serviços gerou 959 postos de trabalho – que compensou o corte de 216 vagas nas indústrias da cidade. Também houve recuperação em Diadema e em Ribeirão Pires.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Emprego com carteira cai 41% na região

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

27/04/2007 | 07:10


Na contramão dos dados nacionais de emprego formal (com carteira assinada), que apontaram um recorde de abertura de postos de trabalho, o Grande ABC registrou de janeiro a março um saldo (contratações menos admissões) 41,64% inferior ao observado no mesmo período do ano passado.

Foram criadas na região apenas 4.533 postos de trabalho nos três meses iniciais de 2007, contra 7.744 no primeiro trimestre de 2007, de acordo com números do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho.

Segundo o economista do Observatório Econômico de Santo André, Marcos César Lopes Barros, o saldo menor de geração de vagas reflete, entre outros fatores, o forte impacto da variação cambial sobre a atividade econômica dos sete municípios, tradicionalmente um pólo exportador de veículos e autopeças e ainda o forte impulso no nível de ocupação em outras regiões, em conseqüência, por exemplo, da expansão do segmento agrícola – em especial, o ramo sucroalcooleiro.

Pesquisa feita pelo Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) já apontava que enquanto o setor industrial do Interior do Estado apresentava crescimento no nível do emprego, impulsionada pelas contratações nas usinas de álcool, as sete cidades vinham com taxas negativas.

Para Barros, o dólar em queda frente ao real desde o ano passado, além de reduzir o ritmo de exportações, provocou uma invasão de produtos importados, o que dificulta a vida das indústrias brasileiras no mercado interno.

O levantamento do Caged no Grande ABC no trimestre aponta que o segmento industrial reduziu bastante o ritmo de contratações. Esse setor em Santo André, por exemplo, teve saldo de apenas 16 vagas neste ano, contra 518 no mesmo período de 2006.

Em março - Se no trimestre o saldo é menor que em 2006, em março observa-se uma alta de 19,59% em relação ao mesmo mês de 2006. A reação, que pode refletir uma melhora na oferta de crédito, ocorreu em São Bernardo, onde o setor de serviços gerou 959 postos de trabalho – que compensou o corte de 216 vagas nas indústrias da cidade. Também houve recuperação em Diadema e em Ribeirão Pires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;