Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 11 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Odair Bermelho relata desvio de R$ 150 mil na Fundação Santo André


Bruno Ribeiro
Do Diário do Grande ABC

08/06/2008 | 07:02


O reitor afastado da Fundação Santo André, Odair Bermelho, relatou à Vara de Fundações do Ministério Público Estadual um suposto desvio de R$ 150 mil dos cofres da instituição ocorrido em 2006. O dinheiro teria sido lançado como parte do pagamento à Artnova Construtora, responsável pela obra do prédio da Faeng (Faculdade de Engenharia), mas teria ficado com dois ex-funcionários da reitoria.

O comunicado à Promotoria revela os bastidores da Fundação na ocasião em que o centro universitário era questionado pelo Diário acerca de notas fiscais suspeitas de fraude atribuídas a Bermelho, cuja reportagem foi publicada em 28 de abril. O reitor, afastado recentemente do cargo pelo Conselho Diretor da entidade, diz que não sabia das irregularidades e que, assim que tomou ciência, informou ao MP.

Bermelho afirma no documento ter sido procurado pelo dono da Artnova, Alberto de Mello Júnior, que queria orientações sobre o que dizer à reportagem - que havia questionado a existência de um recibo de papelaria no valor de R$ 150 mil - ao invés de uma nota fiscal -, nas prestações de conta da execução da obra.

Mello Júnior teria explicado à reitoria que tal pagamento realmente havia sido feito à Artnova, mas que o dinheiro foi devolvido para o pró-reitor de Administração e Planejamento, Paulo Cezar Rosa, e para o controller (auditor interno) Domingos Bascheschi, sob forma de ‘comissão' por um realinhamento de preços.

A obra da Faeng estava orçada em cerca de R$ 6 milhões. A Artnova foi a empresa vencedora da licitação pública realizada pela Fundação. Durante os trabalhos, foi feito um aditamento do contrato de R$ 1,5 milhão - chegando ao valor máximo de reajuste previsto pela Lei de Licitações, de 25%. Mas a Artnova pediu mais R$ 875 mil. A Fundação negociou e concordou em pagar R$ 750 mil. Dessa verba, a construtora teria recebido R$ 600 mil e os R$ 150 mil restantes teriam ficado como comissão pela negociação, segundo relata Bermelho, que alega desconhecimento sobre esse processo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Odair Bermelho relata desvio de R$ 150 mil na Fundação Santo André

Bruno Ribeiro
Do Diário do Grande ABC

08/06/2008 | 07:02


O reitor afastado da Fundação Santo André, Odair Bermelho, relatou à Vara de Fundações do Ministério Público Estadual um suposto desvio de R$ 150 mil dos cofres da instituição ocorrido em 2006. O dinheiro teria sido lançado como parte do pagamento à Artnova Construtora, responsável pela obra do prédio da Faeng (Faculdade de Engenharia), mas teria ficado com dois ex-funcionários da reitoria.

O comunicado à Promotoria revela os bastidores da Fundação na ocasião em que o centro universitário era questionado pelo Diário acerca de notas fiscais suspeitas de fraude atribuídas a Bermelho, cuja reportagem foi publicada em 28 de abril. O reitor, afastado recentemente do cargo pelo Conselho Diretor da entidade, diz que não sabia das irregularidades e que, assim que tomou ciência, informou ao MP.

Bermelho afirma no documento ter sido procurado pelo dono da Artnova, Alberto de Mello Júnior, que queria orientações sobre o que dizer à reportagem - que havia questionado a existência de um recibo de papelaria no valor de R$ 150 mil - ao invés de uma nota fiscal -, nas prestações de conta da execução da obra.

Mello Júnior teria explicado à reitoria que tal pagamento realmente havia sido feito à Artnova, mas que o dinheiro foi devolvido para o pró-reitor de Administração e Planejamento, Paulo Cezar Rosa, e para o controller (auditor interno) Domingos Bascheschi, sob forma de ‘comissão' por um realinhamento de preços.

A obra da Faeng estava orçada em cerca de R$ 6 milhões. A Artnova foi a empresa vencedora da licitação pública realizada pela Fundação. Durante os trabalhos, foi feito um aditamento do contrato de R$ 1,5 milhão - chegando ao valor máximo de reajuste previsto pela Lei de Licitações, de 25%. Mas a Artnova pediu mais R$ 875 mil. A Fundação negociou e concordou em pagar R$ 750 mil. Dessa verba, a construtora teria recebido R$ 600 mil e os R$ 150 mil restantes teriam ficado como comissão pela negociação, segundo relata Bermelho, que alega desconhecimento sobre esse processo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;