Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Promotoria fecha acordo e Safra paga US$ 10 mi para Prefeitura no caso Maluf

EBC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


01/11/2017 | 13:18


O Ministério Público de São Paulo anunciou nesta quarta-feira, 1, acordo com o Banco Safra que se comprometeu a pagar US$ 10 milhões à Prefeitura da capital no âmbito das investigações envolvendo o ex-prefeito e deputado Paulo Maluf (PP/SP).

O Safra não é alvo de investigação. O banco concordou em pagar a quantia a título de indenização por dano moral. Maluf usou uma conta do Safra para movimentar parte da fortuna que teria desviado dos cofres públicos municipais quando administrou a maior cidade do País, entre 1993 e 1996 - o dinheiro teria sido saído de contratos de grandes empreendimentos, como as obras da Avenida Água Espraiada, na zona sul.

Outras instituições financeiras já fecharam acordo semelhante com a Promotoria no caso Maluf.

Segundo a Promotoria, os US$ 10 milhões do Safra serão investidos, por recomendação judicial, na reforma e construção de creches.

O Ministério Público informou que o pagamento foi ajustado com a Prefeitura da capital e o Safra National Bank of New Yor, por meio de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) no valor de US$ 10 milhões "para evitar discussões judiciais a respeito do uso indevido do banco norte-americano".

"A autocomposição é resultado de discussões entre o Ministério Público, a Prefeitura paulistana e o Banco a respeito de uma ampla apuração sobre ilegalidades atribuídas ao ex-prefeito Paulo Maluf", informou a Promotoria.

"Durante as investigações, ficou constatado que o Banco não participou do esquema ilícito e nem abriu conta em nome de Maluf. Por isso, nunca foi parte em ação judicial no Brasil, nos Estados Unidos ou em qualquer outra jurisdição pelos fatos investigados", assinala o Ministério Público.

Segundo os promotores, a cidade de São Paulo e o Banco "foram prejudicados pelo esquema investigado, que envolve o ex-prefeito e outras partes a ele relacionadas".

O acordo ainda deverá ser homologado pelo Conselho Superior do Ministério Público de São Paulo e pela Vara da Fazenda Pública da Capital.

Maluf sempre negou irregularidades em sua administração. Desde que o Ministério Público iniciou as investigações sobre supostos desvios em sua gestão, o ex-prefeito tem afirmado que nunca teve contas no exterior.

A reportagem ainda não conseguiu contato com o banco.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Promotoria fecha acordo e Safra paga US$ 10 mi para Prefeitura no caso Maluf


01/11/2017 | 13:18


O Ministério Público de São Paulo anunciou nesta quarta-feira, 1, acordo com o Banco Safra que se comprometeu a pagar US$ 10 milhões à Prefeitura da capital no âmbito das investigações envolvendo o ex-prefeito e deputado Paulo Maluf (PP/SP).

O Safra não é alvo de investigação. O banco concordou em pagar a quantia a título de indenização por dano moral. Maluf usou uma conta do Safra para movimentar parte da fortuna que teria desviado dos cofres públicos municipais quando administrou a maior cidade do País, entre 1993 e 1996 - o dinheiro teria sido saído de contratos de grandes empreendimentos, como as obras da Avenida Água Espraiada, na zona sul.

Outras instituições financeiras já fecharam acordo semelhante com a Promotoria no caso Maluf.

Segundo a Promotoria, os US$ 10 milhões do Safra serão investidos, por recomendação judicial, na reforma e construção de creches.

O Ministério Público informou que o pagamento foi ajustado com a Prefeitura da capital e o Safra National Bank of New Yor, por meio de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) no valor de US$ 10 milhões "para evitar discussões judiciais a respeito do uso indevido do banco norte-americano".

"A autocomposição é resultado de discussões entre o Ministério Público, a Prefeitura paulistana e o Banco a respeito de uma ampla apuração sobre ilegalidades atribuídas ao ex-prefeito Paulo Maluf", informou a Promotoria.

"Durante as investigações, ficou constatado que o Banco não participou do esquema ilícito e nem abriu conta em nome de Maluf. Por isso, nunca foi parte em ação judicial no Brasil, nos Estados Unidos ou em qualquer outra jurisdição pelos fatos investigados", assinala o Ministério Público.

Segundo os promotores, a cidade de São Paulo e o Banco "foram prejudicados pelo esquema investigado, que envolve o ex-prefeito e outras partes a ele relacionadas".

O acordo ainda deverá ser homologado pelo Conselho Superior do Ministério Público de São Paulo e pela Vara da Fazenda Pública da Capital.

Maluf sempre negou irregularidades em sua administração. Desde que o Ministério Público iniciou as investigações sobre supostos desvios em sua gestão, o ex-prefeito tem afirmado que nunca teve contas no exterior.

A reportagem ainda não conseguiu contato com o banco.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;