Fechar
Publicidade

Domingo, 19 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Paulo chaves: artista e cidadão


Thiago Mariano
Do Diário do Grande ABC

25/10/2009 | 07:03


Paulo Chaves, um dos expoentes mais significativos da cultura andreense, recebe homenagem com a exposição Andamentos da Cor, no Salão de Exposições do Centro Cívico de Santo André, no Paço Municipal.

O artista, morto há 20 anos, integra, ao lado de João Suzuki e Luiz Sacilotto, a tríade dos artistas plásticos abstratos de Santo André que chegaram a ter produção reconhecida internacionalmente, principalmente a partir da década de 1960.

"Cada um deles tem referência muito forte no abstracionismo. Sacilotto, com o geométrico. O Suzuki, através da corrente de pintores nipo-brasileiros, tem influência figurativa bastante livre. Ele se aproxima da pintura surrealista. E o Paulo tem uma pintura abstrata lírica, musical. Ele procura a harmonia de cores como se fosse uma combinação de ritmos musicais", conta José Armando Pereira da Silva, curador da mostra.

A exposição contempla, através de 60 obras, os mais de 40 anos de criação de Paulo Chaves. Além disso, há exposição documental que remonta à vida do artista.

Fotos, documentos, diplomas e cartas dão pistas do cidadão Paulo Chaves, que foi, além de artista, fundador do Partido Socialista Brasileiro de Santo André e membro e organizador de pioneiros movimentos culturais de Santo André, como participante dos primeiros salões de arte da cidade, sócio do Clube de Poesia e fundador e presidente da Sociedade e Escola de Belas-Artes do município.

Paulo Chaves, que nasceu em Iguape, em 1921, e mudou-se para Santo André em 1940, era muito chegado a viagens. Buscava em locais antigos e clássicos, como a Grécia e o Marrocos, estéticas ancestrais para compor seus trabalhos.

Apreciava buscar referências primitivas, sinais que ele encontrava em pedras, construções e paisagens para expressar os sentimentos humanos. "A obra de Paulo, como artista e cidadão está um pouco esquecida em Santo André. Ele foi atuante na cidade e é importante resgatar e reverenciar o seu legado", completa José Armando, que tem um livro sobre a vida e obra de Paulo finalizado, só aguardando apoio do município para publicação.

Andamentos da Cor - Exposição. Salão de Exposições do Centro Cívico de Santo André - Praça IV Centenário. Até dia 14.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;