Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 13 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Brasil x Uruguai: um clássico cheio de tabus


Alec Duarte
Da AS/Especial para o Diário OnLine
De Montevidéu

30/06/2001 | 14:27


A história dos confrontos entre Brasil e Uruguai começou a ser escrita no dia 12 de julho de 1916, em Buenos Aires. Naquela tarde, as equipes se enfrentaram pelo primeiro Campeonato Sul-Americano e os uruguaios levaram a melhor, vencendo por 2 a 1. Desde então, os dois países construíram um retrospecto cheio de glamour, histórias e também tabus. O Brasil não ganha do adversário desde 1976, mas não é derrotada pela Celeste desde 1992.

No Estádio Centenário, a história registra 18 confrontos entre as duas equipes, com sete vitórias uruguaias, nove empates e apenas duas vitórias brasileiras, nenhuma delas em jogos de caráter oficial. A última vez que Brasil e Uruguai se enfrentaram em Montevidéu foi no dia 23 de julho de 1995, na final da Copa América. Depois do empate de 1 a 1, a Celeste venceu nos pênaltis por 4 a 3.

Ataque e defesa uruguaios também foram mais efetivos do que seus correspondentes brasileiros nos 18 jogos do Centenário. Enquanto a seleção do Uruguai marcou 24 gols em casa, a Seleção Brasileira só conseguiu fazer 17 vezes, sete menos do que o adversário.

Uma curiosidade é que as duas únicas vitórias brasileiras em Montevidéu foram pelo mesmo placar (2 a 1) e competição (Taça Rio Branco), torneio que reunia, além de Brasil e Uruguai, a Argentina. O time do Brasil que obteve a última vitória do país, no dia 25 de fevereiro de 1976, acabou sendo a base que obteve o terceiro lugar na Copa do Mundo da Argentina, dois anos depois.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Brasil x Uruguai: um clássico cheio de tabus

Alec Duarte
Da AS/Especial para o Diário OnLine
De Montevidéu

30/06/2001 | 14:27


A história dos confrontos entre Brasil e Uruguai começou a ser escrita no dia 12 de julho de 1916, em Buenos Aires. Naquela tarde, as equipes se enfrentaram pelo primeiro Campeonato Sul-Americano e os uruguaios levaram a melhor, vencendo por 2 a 1. Desde então, os dois países construíram um retrospecto cheio de glamour, histórias e também tabus. O Brasil não ganha do adversário desde 1976, mas não é derrotada pela Celeste desde 1992.

No Estádio Centenário, a história registra 18 confrontos entre as duas equipes, com sete vitórias uruguaias, nove empates e apenas duas vitórias brasileiras, nenhuma delas em jogos de caráter oficial. A última vez que Brasil e Uruguai se enfrentaram em Montevidéu foi no dia 23 de julho de 1995, na final da Copa América. Depois do empate de 1 a 1, a Celeste venceu nos pênaltis por 4 a 3.

Ataque e defesa uruguaios também foram mais efetivos do que seus correspondentes brasileiros nos 18 jogos do Centenário. Enquanto a seleção do Uruguai marcou 24 gols em casa, a Seleção Brasileira só conseguiu fazer 17 vezes, sete menos do que o adversário.

Uma curiosidade é que as duas únicas vitórias brasileiras em Montevidéu foram pelo mesmo placar (2 a 1) e competição (Taça Rio Branco), torneio que reunia, além de Brasil e Uruguai, a Argentina. O time do Brasil que obteve a última vitória do país, no dia 25 de fevereiro de 1976, acabou sendo a base que obteve o terceiro lugar na Copa do Mundo da Argentina, dois anos depois.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;