Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 27 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Europa procura alimentos nao-transgênicos no Brasil


Do Diário do Grande ABC

17/04/1999 | 15:52


A pressao do consumidor europeu contra a presença dos alimentos transgênicos nas prateleiras dos supermercados pode beneficiar o Brasil. Na tentativa de atender às exigências de um público que nao quer ter à mesa produtos geneticamente modificados, representantes de um grupo formado por dez grandes varejistas europeus iniciam neste domingo uma visita pelo país para verificar se os produtores brasileiros têm condiçoes de oferecer alimentos nao-transgênicos aos consumidores europeus.

O padrao de compra do recém-formado consórcio de varejistas determina que os alimentos de marca própria desses supermercados nao terao em qualquer fase de sua produçao genes modificados (em inglês, GM-free). Um grupo de especialistas independentes, liderado pelo Law Laboratories Ltda., será responsável por verificar se há algum traço de alimento geneticamente modificado nos produtos de marca própria vendidos aos participantes do consórcio.

Soja - No Brasil, o grupo busca produtores interessados em atender a esse padrao de qualidade, sobretudo dentro da cadeia da soja. Em troca, o consórcio liderado pela rede britânica Sainsbury's - segundo maior varejista do Reino Unido - tem a oferecer o equivalente a 25% do total do mercado de alimentos de toda a Uniao Européia. Só no Reino Unido, a venda anual de alimentos totaliza 90 bilhoes de libras esterlinas, ou US$ 153 bilhoes. No Sainsbury's, as marcas próprias respondem por 55% das vendas de alimentos, o que totaliza o equivalente a US$ 30 bilhoes anuais. Na também britânica Marks & Spencer, as marcas próprias de alimentos totalizam 100% das vendas do setor.

Malcolm Kane, chefe do setor de segurança de produtos e desenvolvimento técnico do Sainsbury's, explica que o Brasil é particularmente importante na estratégia do consórcio porque a soja e seus derivados sao componentes de um grande número de alimentos, desde bolos e chocolates até a raçao animal. Como o Brasil é o segundo maior produtor mundial de soja, e ainda nao produz soja transgênica comercialmente, o grupo espera convencer agricultores, por meio do seu poder de compra, a nao plantar alimentos geneticamente modificados. "Antes disso, no entanto, vamos verificar se a soja brasileira é realmente boa e por isso estamos visitando o país", afirma, Kane. Ele explica que os Estados Unidos sempre fizeram autopublicidade em detrimento da soja brasileira. "A impressao aqui é de que a soja brasileira nao é tao boa quanto a norte-americana, mas, agora, por meio de testes, estamos nos certificando que a soja brasileira é de boa qualidade sim."

O grupo busca, na soja brasileira, substituir o produto norte-americano, pois mais de 50% da área plantada nos EUA é de sementes geneticamente modificadas. "Nosso plano é enviar regularmente pessoal técnico ao Brasil para pegar amostras e enviá-las ao Law Laboratories", explica Kane. "Cabe ao produtor brasileiro decidir se quer ou nao fornecer para o nosso consórcio." Atuando de forma conjunta, o consórcio espera conseguir substitutos nao-transgênicos para todos os componentes dos alimentos de marcas próprias, nao apenas entre os fornecedores brasileiros. Caso um produto alternativo nao seja encontrado, esses produtos deixarao de ser oferecidos.

Benefícios - Entre os estados brasileiros, Paraná e Rio Grande do Sul podem ser os mais beneficiados pela estratégia do consórcio europeu na batalha para evitar a produçao de alimentos transgênicos. Segundo Kane, o grupo vai dar total apoio a esses dois Estados oferecendo a eles a posiçao de fornecedores-chave para o consórcio, além de contribuir com publicidade na defesa de lavouras sem a presença de sementes modificadas. "Há várias razoes técnicas mostrando que Paraná e Rio Grande o Sul nao deveriam transformar-se em produtores de transgênicos", diz Kane.

Ele, no entanto, prefere nao entrar em detalhes técnicos. Também evitou mencionar se o consórcio está disposto a pagar mais por um produto nao-transgênico, mas deixa claro que a pressao do consumidor contra esse tipo de alimento tem ditado o comportamento dos varejistas. "O número de ligaçoes no nosso telefone 0800 mostra que essa é a maior questao hoje para o consumidor", afirma Kane.

O organizador da visita, Nelson Mamede, vice-presidente da Associaçao Brasileira e Agribusiness e representante da Sadia no Reino Unido, explica que, com a visita, o grupo vai poder conhecer toda a cadeia da soja no Brasil, do campo até o armazenamento e a comercializaçao, e se certificar de que, no Brasil, a produçao é de primeira qualidade. A visita pode ainda abrir as portas da Europa para outros produto brasileiros nao-transgênicos.

Os representantes do consórcio visitarao a Sadia, Cargill, Ceval/Bunge, Abiove, Porto de Santos, os secretários de Agricultura e Paraná, Rio Grande do Sul e Sao Paulo, a Abef e a Abimilho. Participam do consórcio, além de Sainsbury's e Marks & Spencer, Carrefour (França), Effelunga (Italy), Migros (Suíça), Delhaize (Bélgica) e Superquinn (Irlanda). Passaram a fazer parte do consórcio, o dinamarquês FDB e uma rede austríaca especializada em alimentos nao-transgênicos. O grupo independente liderado pelo Law Laboratories também é incluído como parte do consórcio.

Vendas - O Tesco, maior varejista britânico, deve visitar o Brasil nos próximos meses também com o objetivo de 0conhecer a produçao de alimentos. Em julho, o Brasil participa do maior evento do agribusiness europeu, o Royal Show, com estande próprio. O objetivo é atrair os europeus para conhecer o agribusiness brasileiro e ampliar as exportaçoes do Brasil para a Europa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;