Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Juiz extingue ação da Lava Jato contra os irmãos Efromovich



16/09/2021 | 18:56


A Justiça Federal de Brasília absolveu sumariamente os irmãos Germán e José Efromovich na ação penal por corrupção e lavagem de dinheiro aberta a partir das investigações da Operação Navegar é Preciso, fase 72 da Lava Jato. Eles foram acusados pelo Ministério Público Federal (MPF) de pagar propina em troca do direcionamento de contratos para a construção de navios com a Transpetro, subsidiária da Petrobrás.

A decisão de extinguir a ação em relação aos empresários sem análise do mérito foi tomada pelo juiz Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12.ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal, na quarta-feira, 15. Ele concluiu que o MPF não foi capaz de descrever os crimes imputados e que a acusação não tem 'justa causa'.

"A denúncia, destarte, fez tábua rasa do art. 41, do Código de Processo Penal, eis que não contém a descrição do crime e de todas as suas circunstâncias", escreveu o magistrado. "Seja por não indicar o crime antecedente necessário à configuração do delito de lavagem de dinheiro, seja por não encerrar narrativa lógica dos fatos, a denúncia é de ser tida por inepta", acrescentou.

O escritório do advogado Rodrigo Mudrovitsch, que representa dos Efromovich no processo, apontou a falta de indícios das acusações e afirmou que a denúncia foi baseada apenas em delação premiada.

Aberta em agosto do ano passado, a Operação Navegar é Preciso mirou indícios de pagamento de propinas ao ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, em troca do favorecimento do Estaleiro Eisa, controlado pelos Efromovich, em contratos com a subsidiária da Petrobrás. O prejuízo causado pelo esquema aos cofres públicos foi estimado pela Lava Jato em mais de R$ 600 milhões.

Segundo a força-tarefa, os valores foram depositados entre os anos 2009 e 2013 em contas bancárias na Suíça controladas por Expedito Machado, filho do ex-executivo da estatal, e operacionalizados através de contratos falsos de empréstimos e investimentos para ocultar a natureza do dinheiro. O caso foi relevado em delação pelos Machado.

Para os agentes, uma série de medidas de engenharia societária, confusão entre personalidades jurídicas e físicas dos Efromovich e de suas empresas, bem como de confusão gerencial dos empresários na administração do estaleiro contratado pela Petrobrás são indícios de lavagem de dinheiro, ocultação e blindagem do patrimônio.

Os Efromovich chegaram a ser presos preventivamente na operação, mas foram liberados em novembro para cumprimento de medidas cautelares alternativas à detenção. O processo contra eles teve início na 13.ª Vara Federal de Curitiba, mas acabou transferido para o juízo de Brasília depois que o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, atendeu a um pedido da defesa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;