Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Lixo tira o sono na divisa entre Santo André e São Bernardo

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Material é despejado pela população no Córrego Taióca, que é de difícil limpeza


Vinícius Castelli
Do DIário do Grande ABC

13/01/2021 | 07:00


Moradores da divisa entre Santo André e São Bernardo, região do bairro Baeta Neves, reclamam de problema recorrente: lixo e entulho jogados no Córrego Taióca, que separa a Rua Cravinhos, que pertence a São Bernardo, e o Parque Estadual da Chácara da Baronesa, que fica no lado andreense.

A design de interiores Amanda Magri, 36 anos, que é moradora do lado são-bernardense, afirma ver diariamente pessoas despejando lixo no local. “Jogam sofá, colchão, sacos, tudo o que se imaginar”, afirma. “Incomoda e cansa essa situação, pois nada muda e está sempre uma sujeira enorme”, lamenta.

Outra moradora da região, que preferiu não se identificar, afirma que também vê com frequência pessoas jogando lixo junto ao córrego. “É todo dia. Não param. E temos de conviver com essa situação”, afirmou. Elas afirmam que ratos e baratas são comuns na região.

O governo do Estado, responsável pelo Parque Estadual da Chácara da Baronesa, afirmou, por meio da CPP (Coordenadoria de Parques e Parcerias), que realiza ações de zeladoria periódicas em todos os parques estaduais. Também promove campanhas constantes de conscientização com os moradores da região do Parque Estadual Chácara da Baronesa com o objetivo de coibir o descarte incorreto de resíduos.

“Cabe destacar que a área é fiscalizada por vigilantes, guardas municipais e Polícia Militar. O córrego mencionado está fora do parque e a manutenção é atribuição municipal”, informou a CPP.

A Prefeitura de Santo André informou que o Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) já tentou remover os resíduos do local, mas as máquinas podem causar avarias nas casas irregulares construídas no entorno. “Para que o problema possa ser resolvido é necessário que haja a remoção das famílias que ocupam a Chácara da Baronesa para que, após isso, seja feita a limpeza do local. Por se tratar de área estadual, essa remoção cabe ao governo do Estado”, afirmou. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;