Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 30 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Reuniao deve dificultar relaçao entre EUA e Rússia


Do Diário do Grande ABC

31/05/2000 | 10:40


O presidente russo Vladimir Putin será um interlocutor mais difícil do que seu antecessor Boris Yeltsin na próxima reuniao de cúpula (3 a 5 de junho, em Moscou) para o presidente americano Bill Clinton, que realiza o último giro europeu de seu mandato.

Washington já tentou minimizar as expectativas sobre os resultados desta reuniao, na qual ocorrerá o primeiro encontro entre ambos dirigentes desde que Putin virou presidente da Rússia.

Durante o final de semana, o assessor econômico de Putin, Andrei Illarionov, advertiu que os russos querem ``falar de igual para igual'' com os americanos.

Entre os objetivos aos quais se propôs Putin, inclusive antes de ser eleito em 26 de março passado, está a recuperaçao de um papel de primeiro plano para a ex-superpotência russa no cenário internacional.

Dessa forma, o Kremlin nao hesitou em ameaçar o Afeganistao com ataques por causa do apoio oferecido pelos talibans aos rebeldes chechenos.

Moscou também nao parece muito disposto a fazer concessoes, como demonstraram as últimas declaraçoes em termos de defesa, com a recusa de qualquer revisao do tratado antimísseis ABM, reclamado em vao pelos Estados Unidos.

Putin entende que a defesa dos interesses russos é o único motor da diplomacia russa.

A poucos dias da chegada de Clinton a Moscou, o Kremlin criou um cargo de emissário do presidente russo no Mar Cáspio, para demonstrar que nao está disposto a deixar o campo livre para os americanos nessa regiao petroleira.

``Com Vladimir Putin, as relaçoes entre Moscou e Washington mudarao. Boris Yeltsin se esforçou em fazer com que a relaçao fosse cordial e estabelecida num plano pessoal. Esse nao é o estilo de Putin'', adverte Viktor Kremeniuk, do Instituto EUA-Canadá.

``Putin será mais duro, mais oficial, mas, ao mesmo tempo também poderá ser mais construtivo'', estimou Kremeniuk.

Os resultados da última cúpula de setembro de 1998 entre Clinton e Yeltsin foram muito poucos.

Yeltsin, afetado por constantes problemas de saúde, teve, inclusive, dificuldades para se fazer entender durante a coletiva de imprensa conjunta.

Para a cúpula deste final de semana, Putin contará com uma situaçao muito diferente, pois a economia russa está em pleno crescimento e pode, inclusive, renunciar aos milhoes de dólares do FMI durante alguns meses.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Reuniao deve dificultar relaçao entre EUA e Rússia

Do Diário do Grande ABC

31/05/2000 | 10:40


O presidente russo Vladimir Putin será um interlocutor mais difícil do que seu antecessor Boris Yeltsin na próxima reuniao de cúpula (3 a 5 de junho, em Moscou) para o presidente americano Bill Clinton, que realiza o último giro europeu de seu mandato.

Washington já tentou minimizar as expectativas sobre os resultados desta reuniao, na qual ocorrerá o primeiro encontro entre ambos dirigentes desde que Putin virou presidente da Rússia.

Durante o final de semana, o assessor econômico de Putin, Andrei Illarionov, advertiu que os russos querem ``falar de igual para igual'' com os americanos.

Entre os objetivos aos quais se propôs Putin, inclusive antes de ser eleito em 26 de março passado, está a recuperaçao de um papel de primeiro plano para a ex-superpotência russa no cenário internacional.

Dessa forma, o Kremlin nao hesitou em ameaçar o Afeganistao com ataques por causa do apoio oferecido pelos talibans aos rebeldes chechenos.

Moscou também nao parece muito disposto a fazer concessoes, como demonstraram as últimas declaraçoes em termos de defesa, com a recusa de qualquer revisao do tratado antimísseis ABM, reclamado em vao pelos Estados Unidos.

Putin entende que a defesa dos interesses russos é o único motor da diplomacia russa.

A poucos dias da chegada de Clinton a Moscou, o Kremlin criou um cargo de emissário do presidente russo no Mar Cáspio, para demonstrar que nao está disposto a deixar o campo livre para os americanos nessa regiao petroleira.

``Com Vladimir Putin, as relaçoes entre Moscou e Washington mudarao. Boris Yeltsin se esforçou em fazer com que a relaçao fosse cordial e estabelecida num plano pessoal. Esse nao é o estilo de Putin'', adverte Viktor Kremeniuk, do Instituto EUA-Canadá.

``Putin será mais duro, mais oficial, mas, ao mesmo tempo também poderá ser mais construtivo'', estimou Kremeniuk.

Os resultados da última cúpula de setembro de 1998 entre Clinton e Yeltsin foram muito poucos.

Yeltsin, afetado por constantes problemas de saúde, teve, inclusive, dificuldades para se fazer entender durante a coletiva de imprensa conjunta.

Para a cúpula deste final de semana, Putin contará com uma situaçao muito diferente, pois a economia russa está em pleno crescimento e pode, inclusive, renunciar aos milhoes de dólares do FMI durante alguns meses.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;