Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Paróquia em Sto.André alerta para golpes em fiéis

Nario Barbosa/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Criminoso se passa por religioso da Igreja Nossa Senhora Aparecida, no Parque Novo Oratório, para invadir e roubar casas


Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

24/01/2017 | 07:00


 Frequentadores da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, no Parque Novo Oratório, em Santo André, são alvo de criminosos que se passam por religiosos da comunidade para invadir residências e praticar roubos. Somente no fim de semana, pelo menos três famílias foram vítimas do golpe e outras duas sofreram tentativa.

Embora o crime tenha assustado os moradores, nenhum deles comunicou as ocorrências à polícia. Conforme o vigário da paróquia, frei Décio Pires, os casos chegaram ao seu conhecimento pelas vítimas e chama atenção o nível de conhecimento do criminoso, que se identifica como Fernando, sobre as famílias abordadas e a respeito da rotina da comunidade. “Ele já disse que era seminarista e precisava de dinheiro para comprar botijão de gás. Em outra ocasião, falou que ia recolher o dizimo para a paróquia. Acreditamos que ele tenha um comparsa, já que ele liga para uma pessoa, que se passa pelo padre, na frente da vítima”, contou.

De acordo com os relatos das famílias abordadas, o criminoso anuncia o assalto assim que entra na residência. “Ele começa a procurar dinheiro pela casa e costuma levar quantias pequenas, já que hoje ninguém tem tanto dinheiro guardado. O menos pior é que ele não utiliza de violência, mas as pessoas idosas estão se sentindo desprotegidas”, comentou o frei.

Uma mulher, que sofreu tentativa de roubo, afirmou que o homem a procurou para pedir ajuda para uma suposta bênção à avó, que sofria de Alzheimer. O criminoso chegou a deixar recado com a vizinha, a quem informou, inclusive, que conhecia os padres da igreja. “O que me assustou foi que ele sabia o meu nome. Contei o caso na paróquia, mas todos desconheciam a pessoa”, revelou a idosa, que preferiu não se identificar.

O frei passou a alertar os fiéis sobre os golpes no fim das missas. Ele chama atenção ainda para que as pessoas não abram a porta para desconhecidos. “Orientei que é muito importante denunciar para que a polícia investigue. Ainda mais porque ele (criminoso) tem uma lista com o nome de pessoas”, contou.

A Polícia Civil chama atenção para a importância do registro do boletim de ocorrência, documento que vai informar as características do suspeito, item crucial para a investigação. No caso da área em questão, o 5º DP (Parque Novo Oratório) é o indicado.

A PM (Polícia Militar) também informou que não recebeu chamados neste fim de semana relacionados aos casos, mas “solicita às pessoas que foram vítimas de qualquer ato criminoso que promovam o competente registro na delegacia de polícia, de forma a permitir aos órgãos de Segurança o adequado conhecimento dos problemas que afligem a população”, informou em nota.

A corporação também afirmou que o bairro está inserido no Cartão de Prioridade de Patrulhamento, porém vai intensificar as ações de policiamento com realização constante de abordagens a veículos e indivíduos suspeitos.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Paróquia em Sto.André alerta para golpes em fiéis

Criminoso se passa por religioso da Igreja Nossa Senhora Aparecida, no Parque Novo Oratório, para invadir e roubar casas

Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

24/01/2017 | 07:00


 Frequentadores da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, no Parque Novo Oratório, em Santo André, são alvo de criminosos que se passam por religiosos da comunidade para invadir residências e praticar roubos. Somente no fim de semana, pelo menos três famílias foram vítimas do golpe e outras duas sofreram tentativa.

Embora o crime tenha assustado os moradores, nenhum deles comunicou as ocorrências à polícia. Conforme o vigário da paróquia, frei Décio Pires, os casos chegaram ao seu conhecimento pelas vítimas e chama atenção o nível de conhecimento do criminoso, que se identifica como Fernando, sobre as famílias abordadas e a respeito da rotina da comunidade. “Ele já disse que era seminarista e precisava de dinheiro para comprar botijão de gás. Em outra ocasião, falou que ia recolher o dizimo para a paróquia. Acreditamos que ele tenha um comparsa, já que ele liga para uma pessoa, que se passa pelo padre, na frente da vítima”, contou.

De acordo com os relatos das famílias abordadas, o criminoso anuncia o assalto assim que entra na residência. “Ele começa a procurar dinheiro pela casa e costuma levar quantias pequenas, já que hoje ninguém tem tanto dinheiro guardado. O menos pior é que ele não utiliza de violência, mas as pessoas idosas estão se sentindo desprotegidas”, comentou o frei.

Uma mulher, que sofreu tentativa de roubo, afirmou que o homem a procurou para pedir ajuda para uma suposta bênção à avó, que sofria de Alzheimer. O criminoso chegou a deixar recado com a vizinha, a quem informou, inclusive, que conhecia os padres da igreja. “O que me assustou foi que ele sabia o meu nome. Contei o caso na paróquia, mas todos desconheciam a pessoa”, revelou a idosa, que preferiu não se identificar.

O frei passou a alertar os fiéis sobre os golpes no fim das missas. Ele chama atenção ainda para que as pessoas não abram a porta para desconhecidos. “Orientei que é muito importante denunciar para que a polícia investigue. Ainda mais porque ele (criminoso) tem uma lista com o nome de pessoas”, contou.

A Polícia Civil chama atenção para a importância do registro do boletim de ocorrência, documento que vai informar as características do suspeito, item crucial para a investigação. No caso da área em questão, o 5º DP (Parque Novo Oratório) é o indicado.

A PM (Polícia Militar) também informou que não recebeu chamados neste fim de semana relacionados aos casos, mas “solicita às pessoas que foram vítimas de qualquer ato criminoso que promovam o competente registro na delegacia de polícia, de forma a permitir aos órgãos de Segurança o adequado conhecimento dos problemas que afligem a população”, informou em nota.

A corporação também afirmou que o bairro está inserido no Cartão de Prioridade de Patrulhamento, porém vai intensificar as ações de policiamento com realização constante de abordagens a veículos e indivíduos suspeitos.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;