Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

S&P revê perspectiva do rating de Portugal para estável



09/05/2014 | 02:31


A Standard & Poor's manteve o rating soberano de longo prazo de Portugal em BB e revisou a perspectiva da nota para estável, de negativa. "A performance econômica e orçamentária de Portugal superou nossas expectativas", afirmou a agência de classificação de risco.

Em comunicado, a S&P informou que o governo português seguiu os principais compromissos assinados no programa de ajuste econômico do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da União Europeia. Portugal deve deixar o programa de ajuda em 17 de maio, sem pedir mais nenhuma ajuda oficial.

O superávit em conta corrente é suficientemente grande para permitir que a economia de Portugal gradualmente reduza a grande quantidade de dívida externa líquida, disse a S&P. O cenário base da agência prevê que Portugal continuará a implantar medidas de consolidação fiscal neste ano.

A S&P projeta um crescimento médio do Produto Interno Bruto (PIB) real de 1,4% por ano entre 2014 e 2015, influenciado pela alta nas exportações. A agência também estimou uma recuperação gradual na demanda doméstica, já que as contratações no setor privado continuam a se recuperar.

Quanto ao déficit geral do governo, a S&P projeta uma queda para 4% do PIB neste ano, de 4,9% no ano passado - número que superou as projeções da agência. Essa melhora se deve à melhora do cenário econômica e a desenvolvimentos positivos no mercado de trabalho.

O Tribunal Constitucional de Portugal ainda irá julgar se os cortes de gastos anunciados são permitidos por lei, mas a S&P prevê que a despeito da decisão, Portugal encontrará medidas alternativas para atingir as metas orçamentárias, se necessário.

A dívida líquida geral do governo é estimada em 118% do PIB entre 2014 e 2015, antes de declinar para cerca de 113% em 2017.

A S&P disse que poderá elevar o rating de Portugal se o governo continuar a implementar reformas estruturais após o fim do programa do MFI e da UE, assim como se o país conseguir acelerar de modo ordenado a desalavancagem do setor privado ao mesmo tempo em que restaura um mecanismo de transmissão monetário efetivo.

A nota pode ser prejudicada se as reformas perderem força e se as políticas da zona do euro falharem em sustentar o custo dos empréstimos a níveis sustentáveis. Se a posição orçamentária do governo se desviar significativamente das expectativas da agência, a nota também pode ser prejudicada.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

S&P revê perspectiva do rating de Portugal para estável


09/05/2014 | 02:31


A Standard & Poor's manteve o rating soberano de longo prazo de Portugal em BB e revisou a perspectiva da nota para estável, de negativa. "A performance econômica e orçamentária de Portugal superou nossas expectativas", afirmou a agência de classificação de risco.

Em comunicado, a S&P informou que o governo português seguiu os principais compromissos assinados no programa de ajuste econômico do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da União Europeia. Portugal deve deixar o programa de ajuda em 17 de maio, sem pedir mais nenhuma ajuda oficial.

O superávit em conta corrente é suficientemente grande para permitir que a economia de Portugal gradualmente reduza a grande quantidade de dívida externa líquida, disse a S&P. O cenário base da agência prevê que Portugal continuará a implantar medidas de consolidação fiscal neste ano.

A S&P projeta um crescimento médio do Produto Interno Bruto (PIB) real de 1,4% por ano entre 2014 e 2015, influenciado pela alta nas exportações. A agência também estimou uma recuperação gradual na demanda doméstica, já que as contratações no setor privado continuam a se recuperar.

Quanto ao déficit geral do governo, a S&P projeta uma queda para 4% do PIB neste ano, de 4,9% no ano passado - número que superou as projeções da agência. Essa melhora se deve à melhora do cenário econômica e a desenvolvimentos positivos no mercado de trabalho.

O Tribunal Constitucional de Portugal ainda irá julgar se os cortes de gastos anunciados são permitidos por lei, mas a S&P prevê que a despeito da decisão, Portugal encontrará medidas alternativas para atingir as metas orçamentárias, se necessário.

A dívida líquida geral do governo é estimada em 118% do PIB entre 2014 e 2015, antes de declinar para cerca de 113% em 2017.

A S&P disse que poderá elevar o rating de Portugal se o governo continuar a implementar reformas estruturais após o fim do programa do MFI e da UE, assim como se o país conseguir acelerar de modo ordenado a desalavancagem do setor privado ao mesmo tempo em que restaura um mecanismo de transmissão monetário efetivo.

A nota pode ser prejudicada se as reformas perderem força e se as políticas da zona do euro falharem em sustentar o custo dos empréstimos a níveis sustentáveis. Se a posição orçamentária do governo se desviar significativamente das expectativas da agência, a nota também pode ser prejudicada.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;