Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Avião militar russo volta a pousar em aeroporto de Caracas



24/06/2019 | 17:17


Um avião da Força Aérea da Rússia pousou no Aeroporto Internacional de Maiquetía, na Venezuela, segundo uma testemunha e dois sites que acompanham os movimentos de aviões, na tarde desta segunda-feira, 26.

A movimentação ocorre menos de três meses depois de um cargueiro militar russo ter chegado ao terminal com peças e especialistas enviados pelo Kremlin a Caracas, numa medida que provocou críticas dos Estados Unidos.

O avião Ilyushin, com o prefixo RA-86496, está registrado na Força Aérea e tem o mesmo código de uma aeronave que pousou no terminal em março.

Na ocasião, o presidente Donald Trump pediu que a Rússia retirasse seus militares do país. O Kremlin falou que a equipe era apenas de assessoria técnica. O governo venezuelano não comentou a chegada do avião.

Alerta chavista contra os EUA

Mais cedo, antes da chegada do avião, presidente Nicolás Maduro acusou o chefe do Comando Sul dos Estados Unidos, Craig Faller, de semear intrigas entre os militares venezuelanos.

"É possível acreditar na felicitação que ele tenta preencher com intriga, farisaísmo, falsidade, hipocrisia? (...) Por favor, por favor! Eles nos tratam como se fôssemos um povo ignorante", disse o presidente em uma cerimônia militar.

No domingo, Faller dirigiu uma carta aberta aos militares venezuelanos pela celebração da batalha pela independência de Carabobo, na qual destacou que "eles têm um papel essencial (...) em restaurar a esperança e a segurança de seu povo".

"Eu sei que agora há muitas diferenças que nos dividem", acrescentou o almirante, dizendo esperar que em breve as forças militares venezuelanas "retornem à fraternidade profissional e (...) trabalhem juntas".

Durante a comemoração do 198 aniversário da Batalha de Carabobo, fundamental para a independência venezuelana, Maduro afirmou que o corpo militar é "bem disciplinado, bem organizado, unido e coeso como nunca antes".

"É possível acreditar, ao mesmo tempo em que ameaça invadir nosso país, que ele respeita e ama nossas Forças Armadas?", questionou o líder socialista ao lado do alto comando militar.

Washington é o principal aliado do líder da oposição Juan Guaidó, reconhecido como presidente encarregado da Venezuela por cinquenta países, que busca romper o apoio militar a Maduro para estabelecer um governo de transição que convoque eleições. (Com agências internacionais)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Avião militar russo volta a pousar em aeroporto de Caracas


24/06/2019 | 17:17


Um avião da Força Aérea da Rússia pousou no Aeroporto Internacional de Maiquetía, na Venezuela, segundo uma testemunha e dois sites que acompanham os movimentos de aviões, na tarde desta segunda-feira, 26.

A movimentação ocorre menos de três meses depois de um cargueiro militar russo ter chegado ao terminal com peças e especialistas enviados pelo Kremlin a Caracas, numa medida que provocou críticas dos Estados Unidos.

O avião Ilyushin, com o prefixo RA-86496, está registrado na Força Aérea e tem o mesmo código de uma aeronave que pousou no terminal em março.

Na ocasião, o presidente Donald Trump pediu que a Rússia retirasse seus militares do país. O Kremlin falou que a equipe era apenas de assessoria técnica. O governo venezuelano não comentou a chegada do avião.

Alerta chavista contra os EUA

Mais cedo, antes da chegada do avião, presidente Nicolás Maduro acusou o chefe do Comando Sul dos Estados Unidos, Craig Faller, de semear intrigas entre os militares venezuelanos.

"É possível acreditar na felicitação que ele tenta preencher com intriga, farisaísmo, falsidade, hipocrisia? (...) Por favor, por favor! Eles nos tratam como se fôssemos um povo ignorante", disse o presidente em uma cerimônia militar.

No domingo, Faller dirigiu uma carta aberta aos militares venezuelanos pela celebração da batalha pela independência de Carabobo, na qual destacou que "eles têm um papel essencial (...) em restaurar a esperança e a segurança de seu povo".

"Eu sei que agora há muitas diferenças que nos dividem", acrescentou o almirante, dizendo esperar que em breve as forças militares venezuelanas "retornem à fraternidade profissional e (...) trabalhem juntas".

Durante a comemoração do 198 aniversário da Batalha de Carabobo, fundamental para a independência venezuelana, Maduro afirmou que o corpo militar é "bem disciplinado, bem organizado, unido e coeso como nunca antes".

"É possível acreditar, ao mesmo tempo em que ameaça invadir nosso país, que ele respeita e ama nossas Forças Armadas?", questionou o líder socialista ao lado do alto comando militar.

Washington é o principal aliado do líder da oposição Juan Guaidó, reconhecido como presidente encarregado da Venezuela por cinquenta países, que busca romper o apoio militar a Maduro para estabelecer um governo de transição que convoque eleições. (Com agências internacionais)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;