Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 23 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Apoiado por governo brasileiro, chinês Qu Dongyu é eleito diretor-geral da FAO

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Foram 108 de 191 votos válidos; ele substitui o brasileiro José Graziano da Silva, no cargo desde 2012



23/06/2019 | 13:56


Vice-ministro da Agricultura e Assuntos Rurais da China, Qu Dongyu, foi eleito, na manhã deste domingo, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). Dongyu recebeu 108 votos do total 191 votos válidos para comandar a entidade até 31 de julho de 2023. A eleição ocorreu durante a 41ª Conferência da FAO, que está sendo realizada em Roma.

O vice-ministro chinês assume o mandato a partir de 1º de agosto, no lugar do brasileiro José Graziano da Silva, que ocupa o cargo desde 2012. Dongyu é biólogo por formação e exerceu longa carreira como pesquisador na Academia Chinesa de Ciências Agrárias.

Além de Qu Dongyu, Catherine Geslain-Lanéelle, ex-diretora do Departamento de Desempenho Econômico e Ambiental de Empreendimentos do Ministério da Agricultura da França, e David Kirvalidze, que foi ministro da Agricultura da Geórgia por dois mandatos, também estavam na disputa. Geslain-Lanéelle recebeu 71 votos e Kirvalidze, que contava com apoio dos Estados Unidos, recebeu 12.

Antes da votação, Dongyu disse que pretende se concentrar na erradicação da fome e da pobreza, no desenvolvimento digital das áreas rurais e no melhor uso da terra através da transformação da produção agrícola. "Trabalharei pelo povo e por todos os agricultores. Por uma FAO dinâmica, por um mundo melhor", disse após ser eleito.

O vice-ministro chinês prometeu também que o seu país seguiria os regulamentos da FAO e que seria imparcial e neutro na diretoria da entidade. Na mesma linha, a delegação chinesa afirmou que o novo diretor-geral vai reformar a FAO em pouco tempo e garantiu que a China vai manter seus compromissos de cooperação mundial em favor do desenvolvimento da agricultura.

A candidatura de Dongyu contava com o apoio oficial do governo brasileiro. A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que está em Roma, comemorou a eleição do vice-ministro chinês, em sua conta oficial no Twitter. Em nota oficial, o Ministério da Agricultura destacou que a pauta de Dongyu "é voltada para a facilitação da agenda internacional de países em desenvolvimento e inclusão digital no campo".

Antes da viagem à Roma, Tereza Cristina reforçou que a eleição na FAO aumenta a cooperação entre a China e o Brasil. Segundo a ministra, os dois países têm muitos assuntos para definir dentro da pauta agrícola. Em maio, a ministra liderou missão à China, quando debateu a habilitação de mais frigoríficos brasileiros para exportação de carnes ao mercado chinês.

Orlando Ribeiro, secretário de Relações Internacionais, e Fernando Abreu, representante permanente do Brasil na FAO, acompanharam a comitiva brasileira na cerimônia. Argentina e Uruguai também apoiaram a eleição de Dongyu.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Apoiado por governo brasileiro, chinês Qu Dongyu é eleito diretor-geral da FAO

Foram 108 de 191 votos válidos; ele substitui o brasileiro José Graziano da Silva, no cargo desde 2012


23/06/2019 | 13:56


Vice-ministro da Agricultura e Assuntos Rurais da China, Qu Dongyu, foi eleito, na manhã deste domingo, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). Dongyu recebeu 108 votos do total 191 votos válidos para comandar a entidade até 31 de julho de 2023. A eleição ocorreu durante a 41ª Conferência da FAO, que está sendo realizada em Roma.

O vice-ministro chinês assume o mandato a partir de 1º de agosto, no lugar do brasileiro José Graziano da Silva, que ocupa o cargo desde 2012. Dongyu é biólogo por formação e exerceu longa carreira como pesquisador na Academia Chinesa de Ciências Agrárias.

Além de Qu Dongyu, Catherine Geslain-Lanéelle, ex-diretora do Departamento de Desempenho Econômico e Ambiental de Empreendimentos do Ministério da Agricultura da França, e David Kirvalidze, que foi ministro da Agricultura da Geórgia por dois mandatos, também estavam na disputa. Geslain-Lanéelle recebeu 71 votos e Kirvalidze, que contava com apoio dos Estados Unidos, recebeu 12.

Antes da votação, Dongyu disse que pretende se concentrar na erradicação da fome e da pobreza, no desenvolvimento digital das áreas rurais e no melhor uso da terra através da transformação da produção agrícola. "Trabalharei pelo povo e por todos os agricultores. Por uma FAO dinâmica, por um mundo melhor", disse após ser eleito.

O vice-ministro chinês prometeu também que o seu país seguiria os regulamentos da FAO e que seria imparcial e neutro na diretoria da entidade. Na mesma linha, a delegação chinesa afirmou que o novo diretor-geral vai reformar a FAO em pouco tempo e garantiu que a China vai manter seus compromissos de cooperação mundial em favor do desenvolvimento da agricultura.

A candidatura de Dongyu contava com o apoio oficial do governo brasileiro. A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que está em Roma, comemorou a eleição do vice-ministro chinês, em sua conta oficial no Twitter. Em nota oficial, o Ministério da Agricultura destacou que a pauta de Dongyu "é voltada para a facilitação da agenda internacional de países em desenvolvimento e inclusão digital no campo".

Antes da viagem à Roma, Tereza Cristina reforçou que a eleição na FAO aumenta a cooperação entre a China e o Brasil. Segundo a ministra, os dois países têm muitos assuntos para definir dentro da pauta agrícola. Em maio, a ministra liderou missão à China, quando debateu a habilitação de mais frigoríficos brasileiros para exportação de carnes ao mercado chinês.

Orlando Ribeiro, secretário de Relações Internacionais, e Fernando Abreu, representante permanente do Brasil na FAO, acompanharam a comitiva brasileira na cerimônia. Argentina e Uruguai também apoiaram a eleição de Dongyu.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;