Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 19 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Plano de paz para o Oriente Médio inclui investimentos de US$ 50 bilhões

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

EUA preveem aportes para os territórios palestinos e os vizinhos de Jordânia, Egito e Líbano



22/06/2019 | 15:39


O plano de paz do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para o Oriente Médio vai mobilizar US$ 50 bilhões em investimentos ao longo de 10 anos para os territórios palestinos e os vizinhos da Jordânia, Egito e Líbano, segundo afirmaram autoridades do governo neste sábado.

A parte econômica do plano de paz visa demonstrar o que seria possível se os israelenses e os palestinos concordassem com o plano político ainda não revelado da administração Trump sobre fronteiras, refugiados e segurança. Suas metas incluem dobrar o PIB palestino, reduzir as taxas de desemprego de 17,6% na Cisjordânia e 52% em Gaza para quase um dígito, e reduzir a taxa de pobreza palestina em 50%.

O governo Trump está organizando uma conferência no Bahrein nas próximas terça e quarta-feira para solicitar comentários sobre o projeto, incluindo os estados do Golfo Pérsico que a administração espera que estejam entre os maiores doadores de ajuda econômica.

O projeto econômico não menciona algumas das questões mais difíceis do conflito, incluindo o status de refugiados, Jerusalém ou fronteiras. Soluções potenciais para essas questões não serão reveladas até novembro, após as eleições de Israel em setembro.

"Primeiro levante o cerco de Gaza, pare o roubo israelense de nossas terras, recursos e fundos, nos dê liberdade de movimento e controle sobre nossas fronteiras, espaço aéreo, águas territoriais etc. Então, vão nos ver construir uma economia próspera e vibrante como um povo livre e soberano ", disse Hanan Ashrawi, um alto funcionário palestino, no Twitter. O gabinete do primeiro-ministro de Israel não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Plano de paz para o Oriente Médio inclui investimentos de US$ 50 bilhões

EUA preveem aportes para os territórios palestinos e os vizinhos de Jordânia, Egito e Líbano


22/06/2019 | 15:39


O plano de paz do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para o Oriente Médio vai mobilizar US$ 50 bilhões em investimentos ao longo de 10 anos para os territórios palestinos e os vizinhos da Jordânia, Egito e Líbano, segundo afirmaram autoridades do governo neste sábado.

A parte econômica do plano de paz visa demonstrar o que seria possível se os israelenses e os palestinos concordassem com o plano político ainda não revelado da administração Trump sobre fronteiras, refugiados e segurança. Suas metas incluem dobrar o PIB palestino, reduzir as taxas de desemprego de 17,6% na Cisjordânia e 52% em Gaza para quase um dígito, e reduzir a taxa de pobreza palestina em 50%.

O governo Trump está organizando uma conferência no Bahrein nas próximas terça e quarta-feira para solicitar comentários sobre o projeto, incluindo os estados do Golfo Pérsico que a administração espera que estejam entre os maiores doadores de ajuda econômica.

O projeto econômico não menciona algumas das questões mais difíceis do conflito, incluindo o status de refugiados, Jerusalém ou fronteiras. Soluções potenciais para essas questões não serão reveladas até novembro, após as eleições de Israel em setembro.

"Primeiro levante o cerco de Gaza, pare o roubo israelense de nossas terras, recursos e fundos, nos dê liberdade de movimento e controle sobre nossas fronteiras, espaço aéreo, águas territoriais etc. Então, vão nos ver construir uma economia próspera e vibrante como um povo livre e soberano ", disse Hanan Ashrawi, um alto funcionário palestino, no Twitter. O gabinete do primeiro-ministro de Israel não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;