Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Tecnologia

tecnologia@dgabc.com.br | 4435-8301


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Você sabe reconhecer uma notícia falsa?

No Brasil, tornou-se comum receber boatos pela internet e disseminá-los sem checar sua veracidade

Da Redação, com assessoria

12/06/2018 | 16:18


Basta uma imagem e um texto com informações aparentemente confiáveis nas redes sociais para surgir a chamada fake news, termo em inglês para notícia falsa. No Brasil, tornou-se comum receber boatos pela internet e disseminá-los sem checar sua veracidade. “A mente humana é levada a decodificar as informações que recebe de acordo com as experiências que a pessoa já viveu. Além disso, tem a questão do senso crítico, que é mais apurado em quem costuma estar atento ao mundo ao seu redor”, explica Celiane Chagas, psicóloga do Hapvida Saúde.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Embora as fake news estejam em evidência, sendo até mesmo tema de debates e discussões, não são uma novidade na sociedade. Antes da explosão da internet e das redes sociais, as histórias inventadas e repassadas para amigos, familiares e colegas de trabalho sempre existiram, só que em níveis menos perceptíveis e com potenciais de impacto menos avassaladores.

Com o mundo cada vez mais conectado, qualquer pessoa pode, apenas com um clique, produzir e compartilhar diversos conteúdos. Neste cenário, surgem muitas preocupações com a informação de qualidade, que é baseada em princípios éticos e divulga o relato de fatos reais, sem exageros ou sensacionalismos.

Celiane revela que as notícias falsas e alarmantes causam tensão e confusão, além de problemas individuais e coletivos. “O ideal seria checar uma informação antes de repassá-la, mas, na pressa, muita gente acaba reproduzindo todo tipo de conteúdo. Não são poucos os relatos, em consultório, de pacientes que sofrem com sentimento de culpa, assim como também se observa muita gente que teme o julgamento social e, por isso, vive em função de como vai aparecer, seja nas redes sociais ou na vida real”, comenta.

No entanto, existem formas simples de desvendar a veracidade desses compartilhamentos. Entre elas: nunca disseminar notícias sem antes ler, pesquisar a reputação do veículo que publicou a informação, verificar se a data da publicação é atual e fazer uma busca na internet para confirmar se o assunto foi veiculado por outras fontes.

Leia mais
Por que a cultura das notícias falsas cresce no Brasil e o que você pode fazer para identificá-las
5 dicas para verificar informações e não compartilhar boatos na internet

Por falar em fake news, relembre boatos que já foram veiculadas pela web:

 
 

<
>

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;