Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 31 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Jd.Primavera sofre com telefones mudos quase todos os dias


Bruno Ribeiro
Especial para o Diário

29/10/2005 | 08:27


Desde o começo do ano, moradores e comerciantes do Jardim Primavera, em Mauá, dizem que ficam com os telefones mudos diversas vezes ao dia, quase que diariamente. Sexta-feira, a situação se repetiu e o problema ocorreu entre 9h e 14h30. A Unidade de Saúde Familiar do bairro também ficou sem linha. As pessoas atingidas dizem ter reclamado diversas vezes à Telefônica, que não apresentou solução definitiva.

Em 5 de agosto, o Diário foi ao local e ouviu as reclamações da população. O comerciante Josué de Oliveira, proprietário de uma farmácia, afirmava que estava tendo prejuízos com o problema. Tinha dificuldade para receber pedidos por telefone. "Disseram que iam solucionar o caso, mas nada mudou por aqui. A gente chega a ficar quatro horas sem telefone."

Outros comerciantes também mostram irritação por conta da precariedade do serviço. João Batista Barbosa, proprietário de uma gráfica, afirma que deixou de ganhar R$ 400 na manhã de sexta-feira por conta do telefone mudo. "O grosso da minha clientela é de São Paulo. Eles não vêm aqui, resolvemos tudo por telefone. Quando as linhas estão mudas, quem está ligando acha que o telefone está tocando e não estamos atendendo. Aí procuram a concorrência."

Um dos casos mais graves é o da Unidade de Saúde Familiar Primavera. O posto de saúde também fica sem telefone – assim como os demais imóveis da região. "Não podemos chamar a ambulância quando temos um atendimento mais grave que precisa ser encaminhado para outro lugar", diz a coordenadora da unidade, Vera Lúcia Conceição. Ela diz que freqüentemente tem que usar telefones de terceiros em situações de emergência. "Temos que pegar o celular do rapaz da farmácia, que fica em frente ao posto, para conseguir chamar a ambulância até aqui."

A Telefônica informou que o problema de sexta-feira atingiu 287 terminais na região, mas que a situação foi regularizada no início da tarde de sexta-feira. A empresa afirma que está realizando um trabalho preventivo na rede que atende a região, com o objetivo de melhorar o sistema de telecomunicação no local. O telefone da Central de Relacionamento da Telefônica – que recebe reclamações de usuários – é o 10315. O serviço funciona 24 horas por dia, sete dias por semana.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Jd.Primavera sofre com telefones mudos quase todos os dias

Bruno Ribeiro
Especial para o Diário

29/10/2005 | 08:27


Desde o começo do ano, moradores e comerciantes do Jardim Primavera, em Mauá, dizem que ficam com os telefones mudos diversas vezes ao dia, quase que diariamente. Sexta-feira, a situação se repetiu e o problema ocorreu entre 9h e 14h30. A Unidade de Saúde Familiar do bairro também ficou sem linha. As pessoas atingidas dizem ter reclamado diversas vezes à Telefônica, que não apresentou solução definitiva.

Em 5 de agosto, o Diário foi ao local e ouviu as reclamações da população. O comerciante Josué de Oliveira, proprietário de uma farmácia, afirmava que estava tendo prejuízos com o problema. Tinha dificuldade para receber pedidos por telefone. "Disseram que iam solucionar o caso, mas nada mudou por aqui. A gente chega a ficar quatro horas sem telefone."

Outros comerciantes também mostram irritação por conta da precariedade do serviço. João Batista Barbosa, proprietário de uma gráfica, afirma que deixou de ganhar R$ 400 na manhã de sexta-feira por conta do telefone mudo. "O grosso da minha clientela é de São Paulo. Eles não vêm aqui, resolvemos tudo por telefone. Quando as linhas estão mudas, quem está ligando acha que o telefone está tocando e não estamos atendendo. Aí procuram a concorrência."

Um dos casos mais graves é o da Unidade de Saúde Familiar Primavera. O posto de saúde também fica sem telefone – assim como os demais imóveis da região. "Não podemos chamar a ambulância quando temos um atendimento mais grave que precisa ser encaminhado para outro lugar", diz a coordenadora da unidade, Vera Lúcia Conceição. Ela diz que freqüentemente tem que usar telefones de terceiros em situações de emergência. "Temos que pegar o celular do rapaz da farmácia, que fica em frente ao posto, para conseguir chamar a ambulância até aqui."

A Telefônica informou que o problema de sexta-feira atingiu 287 terminais na região, mas que a situação foi regularizada no início da tarde de sexta-feira. A empresa afirma que está realizando um trabalho preventivo na rede que atende a região, com o objetivo de melhorar o sistema de telecomunicação no local. O telefone da Central de Relacionamento da Telefônica – que recebe reclamações de usuários – é o 10315. O serviço funciona 24 horas por dia, sete dias por semana.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;