Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 27 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

INSS: adesão a acordo acaba dia 31


Adriana Mompean
Do Diário do Grande ABC

23/10/2005 | 07:48


Os segurados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) que se aposentaram entre março de 1994 e fevereiro de 1997 têm até o próximo dia 31 de outubro para aderir ao acordo do IRSM (Índice de Reajuste do Salário Mínimo) com o governo federal.

O beneficiário deverá assinar o Termo de Acordo (para quem não entrou com ação na Justiça) ou Termo de Transação Judicial (para aqueles cuja ação judicial está em tramitação) para ter direito ao recebimento de atrasados e benefício reajustado em até 39,67%.

De acordo com a Previdência, a correção do benefício e o pagamento de atrasados são feitos a partir do mês seguinte à adesão. Para os segurados que têm ação judicial em curso e optar pelo Termo de Transação Judicial, que equivale a uma desistência, o prazo total para pagamento é de no máximo seis anos. Já o segurado que não tem ação da Justiça vai receber os atrasados em até oito anos.

Os atrasados serão pagos já que os benefícios concedidos no período compreendido entre fevereiro de 1994 e março de 1997 foram corrigidos pela URV (Unidade Real de Valor) e deveriam ter sido reajustados pelo IRSM, o que pode ter gerado perdas no valor das aposentadorias.

Entidades de classe desaconselham que o aposentado assine a adesão. A advogada Fabíula Chericoni, da Associação dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas do Grande ABC, diz que a adesão ao acordo é totalmente desvantajosa para o segurado. "Se o aposentado ou pensionista ganhar a ação na Justiça, ele irá receber à vista. Enquanto, quem optar pelo acordo irá receber os atrasados em até seis anos", diz.

\r\n\r\n

O aposentado Cirso Pereira, de Santo André, preferiu optar pela ação na Justiça e, em maio deste ano, recebeu R$ 13,8 mil. "Não recomendo o acordo com o governo. Este negócio de parcelamento é ruim, você acaba pegando o dinheiro para pagar uma conta e nem percebe que recebeu os atrasados", diz.

\r\n\r\n

Planejamento ajuda a conter gasto excessivo de fim de ano\r\n

\r\n\r\n

Clarissa Cavalcanti<br>Do Diário do Grande ABC\r\n

\r\n\r\n

Mesmo com o acréscimo do 13º salário, o orçamento doméstico no final e começo do ano costuma ficar apertado. Festas, presentes, roupas novas, férias e impostos pesam no bolso. Mas os especialistas consultados pelo Diário garantem que com planejamento e contenção de gastos é possível pagar todas as contas e se livrar das dívidas em 2006.

\r\n\r\n

"É justamente em dezembro e janeiro que as pessoas começam a se endividar", explica o assessor econômico da Serasa (Centralização de Serviços dos Bancos), André Chagas. O reflexo do gasto excessivo aparece no mês de março, que registra aumento médio de 17% na inadimplência em relação a fevereiro. "É em março que surgem os últimos vencimentos das compras das festas do final de ano."

\r\n\r\n

Chagas acredita que a melhor maneira de economizar é controlar pequenas despesas. "Lanches na rua, passeios e extravagâncias no final de semana parecem pouco mas pesam muito no orçamento do final do mês."",1]);//-->

Para aqueles que já assinaram o acordo do IRSM e se arrependeram, a advogada diz que é possível entrar com uma ação de anulação. Segundo Fabíula, os processos na Justiça costumam demorar de oito meses a um ano. Na associação, cerca de 700 processos de revisão do IRSM foram abertos e, de acordo com a advogada, já foram pagos aos associados cerca de R$ 4 milhões.

O aposentado Cirso Pereira, de Santo André, preferiu optar pela ação na Justiça e, em maio deste ano, recebeu R$ 13,8 mil. "Não recomendo o acordo com o governo. Este negócio de parcelamento é ruim, você acaba pegando o dinheiro para pagar uma conta e nem percebe que recebeu os atrasados", diz.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

INSS: adesão a acordo acaba dia 31

Adriana Mompean
Do Diário do Grande ABC

23/10/2005 | 07:48


Os segurados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) que se aposentaram entre março de 1994 e fevereiro de 1997 têm até o próximo dia 31 de outubro para aderir ao acordo do IRSM (Índice de Reajuste do Salário Mínimo) com o governo federal.

O beneficiário deverá assinar o Termo de Acordo (para quem não entrou com ação na Justiça) ou Termo de Transação Judicial (para aqueles cuja ação judicial está em tramitação) para ter direito ao recebimento de atrasados e benefício reajustado em até 39,67%.

De acordo com a Previdência, a correção do benefício e o pagamento de atrasados são feitos a partir do mês seguinte à adesão. Para os segurados que têm ação judicial em curso e optar pelo Termo de Transação Judicial, que equivale a uma desistência, o prazo total para pagamento é de no máximo seis anos. Já o segurado que não tem ação da Justiça vai receber os atrasados em até oito anos.

Os atrasados serão pagos já que os benefícios concedidos no período compreendido entre fevereiro de 1994 e março de 1997 foram corrigidos pela URV (Unidade Real de Valor) e deveriam ter sido reajustados pelo IRSM, o que pode ter gerado perdas no valor das aposentadorias.

Entidades de classe desaconselham que o aposentado assine a adesão. A advogada Fabíula Chericoni, da Associação dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas do Grande ABC, diz que a adesão ao acordo é totalmente desvantajosa para o segurado. "Se o aposentado ou pensionista ganhar a ação na Justiça, ele irá receber à vista. Enquanto, quem optar pelo acordo irá receber os atrasados em até seis anos", diz.

\r\n\r\n

O aposentado Cirso Pereira, de Santo André, preferiu optar pela ação na Justiça e, em maio deste ano, recebeu R$ 13,8 mil. "Não recomendo o acordo com o governo. Este negócio de parcelamento é ruim, você acaba pegando o dinheiro para pagar uma conta e nem percebe que recebeu os atrasados", diz.

\r\n\r\n

Planejamento ajuda a conter gasto excessivo de fim de ano\r\n

\r\n\r\n

Clarissa Cavalcanti<br>Do Diário do Grande ABC\r\n

\r\n\r\n

Mesmo com o acréscimo do 13º salário, o orçamento doméstico no final e começo do ano costuma ficar apertado. Festas, presentes, roupas novas, férias e impostos pesam no bolso. Mas os especialistas consultados pelo Diário garantem que com planejamento e contenção de gastos é possível pagar todas as contas e se livrar das dívidas em 2006.

\r\n\r\n

"É justamente em dezembro e janeiro que as pessoas começam a se endividar", explica o assessor econômico da Serasa (Centralização de Serviços dos Bancos), André Chagas. O reflexo do gasto excessivo aparece no mês de março, que registra aumento médio de 17% na inadimplência em relação a fevereiro. "É em março que surgem os últimos vencimentos das compras das festas do final de ano."

\r\n\r\n

Chagas acredita que a melhor maneira de economizar é controlar pequenas despesas. "Lanches na rua, passeios e extravagâncias no final de semana parecem pouco mas pesam muito no orçamento do final do mês."",1]);//-->

Para aqueles que já assinaram o acordo do IRSM e se arrependeram, a advogada diz que é possível entrar com uma ação de anulação. Segundo Fabíula, os processos na Justiça costumam demorar de oito meses a um ano. Na associação, cerca de 700 processos de revisão do IRSM foram abertos e, de acordo com a advogada, já foram pagos aos associados cerca de R$ 4 milhões.

O aposentado Cirso Pereira, de Santo André, preferiu optar pela ação na Justiça e, em maio deste ano, recebeu R$ 13,8 mil. "Não recomendo o acordo com o governo. Este negócio de parcelamento é ruim, você acaba pegando o dinheiro para pagar uma conta e nem percebe que recebeu os atrasados", diz.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;