Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 10 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Morre a romancista Barbara Cartland


Do Diário do Grande ABC

21/05/2000 | 17:04


A romancista britânica Barbara Cartland, 98 anos, ``rainha da novela água-com-açúcar'', que escreveu 723 obras sentimentais e figurou no livro Guiness-1972 de recordes, morreu este domingo tranquilamente em sua residência de Hatfield (periferia de Londres), enquanto dormia, cercada por sua família.

Suas novelas, traduzidas em 36 idiomas, venderam quase um bilhao de exemplares, sendo ela considerada uma das mais produtivas autoras literárias de todos os tempos.

Nascida a 9 de julho de 1901 perto de Londres, em uma família aristocrática, Mary Barbara Hamilton viveu uma juventude dourada antes de publicar sua primeira novela, ``Puzzle'', aos 23 anos.

Casada duas vezes com dois escoceses, seus primos, Barbara Cartland teve uma filha, Raine e dois filhos, Ian e Glen.

Viúva em 1963, se retirou para sua elegante residência campestre de Hatdfield, ao norte de Londres, onde continuou aplicando a receita de seus sucessos literários: jovens virgens e ingênuas, orgulhosas e belas, homens maduros, aristocratas e riquíssimos.

Além disso, seus romances eram recheados de saborosos mal-entendidos, equívocos, aventuras e mistérios, mas sempre com um final feliz. Seus títulos eram eloqüentes: ``Duelo de coraçoes, ``Escravas do amor'', ``Uma flecha de amor'', etc.

Escrevia duas novelas por mês, trabalhando duas horas e meia diárias. Seus leitores e admiradores lhe enviavam 20.000 cartas por ano.

Repórter de sociedade em grandes jornais britânicos no seu início, a novelista era tia-avó da princesa Diana. Mulher emancipada desde moça, pilotou nos anos 30 o primeiro aviao postal, lançou a moda das corridas de automóveis e viajou pelo mundo inteiro.

Esta mulher deliciosamente extravagante, vestida quase sempre de musseline rosa, exageradamente maquiada e coberta de jóias, afirmava sempre: ``Sou muito feliz pelo que fiz em minha vida, porque ajudei as pessoas a encontrarem o amor''.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Morre a romancista Barbara Cartland

Do Diário do Grande ABC

21/05/2000 | 17:04


A romancista britânica Barbara Cartland, 98 anos, ``rainha da novela água-com-açúcar'', que escreveu 723 obras sentimentais e figurou no livro Guiness-1972 de recordes, morreu este domingo tranquilamente em sua residência de Hatfield (periferia de Londres), enquanto dormia, cercada por sua família.

Suas novelas, traduzidas em 36 idiomas, venderam quase um bilhao de exemplares, sendo ela considerada uma das mais produtivas autoras literárias de todos os tempos.

Nascida a 9 de julho de 1901 perto de Londres, em uma família aristocrática, Mary Barbara Hamilton viveu uma juventude dourada antes de publicar sua primeira novela, ``Puzzle'', aos 23 anos.

Casada duas vezes com dois escoceses, seus primos, Barbara Cartland teve uma filha, Raine e dois filhos, Ian e Glen.

Viúva em 1963, se retirou para sua elegante residência campestre de Hatdfield, ao norte de Londres, onde continuou aplicando a receita de seus sucessos literários: jovens virgens e ingênuas, orgulhosas e belas, homens maduros, aristocratas e riquíssimos.

Além disso, seus romances eram recheados de saborosos mal-entendidos, equívocos, aventuras e mistérios, mas sempre com um final feliz. Seus títulos eram eloqüentes: ``Duelo de coraçoes, ``Escravas do amor'', ``Uma flecha de amor'', etc.

Escrevia duas novelas por mês, trabalhando duas horas e meia diárias. Seus leitores e admiradores lhe enviavam 20.000 cartas por ano.

Repórter de sociedade em grandes jornais britânicos no seu início, a novelista era tia-avó da princesa Diana. Mulher emancipada desde moça, pilotou nos anos 30 o primeiro aviao postal, lançou a moda das corridas de automóveis e viajou pelo mundo inteiro.

Esta mulher deliciosamente extravagante, vestida quase sempre de musseline rosa, exageradamente maquiada e coberta de jóias, afirmava sempre: ``Sou muito feliz pelo que fiz em minha vida, porque ajudei as pessoas a encontrarem o amor''.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;