Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Queiroga: intercambialidade de vacinas é possível com respaldo da ciência

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


14/08/2021 | 18:52


O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, não descarta a intercambialidade de vacinas contra a covid-19, que poderia ser adotada no País de forma mais ampla, desde que haja respaldo científico. As declarações foram dadas durante o lançamento do programa-piloto de testagem em massa na Feira dos Importados, em Brasília, no sábado (14). Quanto à antecipação do reforço da Pfizer, o ministro afirmou que o intervalo será reduzido dos três meses estabelecidos pelo Ministério da Saúde para 21 dias, conforme a bula da farmacêutica prevê, assim que o número de brasileiros com a segunda dose avançar.

Por enquanto, o Ministério da Saúde só recomenda a intercambialidade entre vacinas com segunda dose da Pfizer/BioNTech para gestantes que receberam a primeira dose da AstraZeneca. "Há uma orientação em relação a gestantes, que usaram a AstraZeneca, por uma questão de médica e de segurança", disse.

Segundo o ministro, a recomendação mais abrangente só será adotada caso haja algum problema com atrasos longos de entregas da AstraZeneca, desde que a ciência permita fazer a intercambialidade de maneira estendida. Nesse caso, a medida seria anunciada pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI). Ainda assim, o ministro destacou que a pasta tem uma ótima relação com a Fundação Oswaldo Cruz e que não deve haver atrasos.

"As vacinas da AstraZeneca estão sendo distribuídas normalmente pela Fiocruz. Houve a conduta acertada do governo federal, através do Ministério da Saúde, que fez uma encomenda tecnológica para produzir essa vacina com o IFA (ingrediente farmacêutico ativo) nacional, e a Fiocruz tem capacidade de produzir mais de 1 milhão de doses de vacina por dia", disse.

Ainda com relação à combinação de doses diferentes, Queiroga destacou que o Ministério da Saúde contratou um estudo para avaliar qual a melhor estratégia para aplicar a segunda dose, se seria com a mesma vacina utilizada na primeira ou combinando com outro agente imunizante do PNI. "Após as respostas deste estudo, e isso acontece de forma célere, nós já teremos a segunda dose avançando para a população acima de 18 anos. Esse é o momento de considerar a aplicação de uma terceira dose, que seguiria os critérios que foram adotados desde o princípio, começando por idosos".



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;