Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 22 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Defesa Civil vai monitorar 164 áreas de risco na região

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Operação destinada à redução dos impactos causados pelas chuvas de verão terá início no dia 1º de novembro


Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

26/10/2019 | 07:00


A Operação Chuvas de Verão da Defesa Civil estadual terá início no dia 1º de novembro e vigorará até 31 de março. Somente no Grande ABC, serão 164 setores considerados de risco para alagamentos e deslizamentos monitorados pelos profissionais na tentativa de evitar tragédias como as observadas nos últimos anos. Somente em 2019, dez pessoas perderam a vida na região vítimas de enchentes ou escorregamento de terra.

O mapeamento utilizado pela Defesa Civil estadual leva em conta o material fornecido pelas administrações municipais. O sistema concentra dados das prefeituras de Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá e Rio Grande da Serra. Em todos os casos, entretanto, as informações levam em conta cenário observado entre 2005 e 2014. 

De acordo com o mapa, a cidade que apresenta maior número de áreas de risco é Diadema (47 pontos). Santo André aparece em seguida, com 38 setores de atenção. São Bernardo e Mauá têm 30 áreas cada e, Rio Grande da Serra, 12. São Caetano tem sete locais vulneráveis, todos para risco de alagamento. 

Na tentativa de preparar os profissionais das defesas civis da Região Metropolitana, foi realizada entre quinta-feira e ontem capacitação envolvendo 150 técnicos em São Bernardo. O diferencial da formação neste ano foi atividade de campo em que os agentes visitaram a Rua da Bica, na Vila São Pedro, região com risco de deslizamentos. A Operação Chuvas de Verão é realizada há dez anos.

Coordenadora da Defesa Civil do Estado, Aline Betânia ressalta que, diferentemente dos outros anos, a oficina de 2019 possibilitou visita técnica. “Nos anos anteriores, trabalhávamos com fotos e vídeos de situações em perigo para conseguir mostrar uma realidade. Para 2019, conseguimos essa atividade de campo importante. Trabalhamos os níveis de observação, atenção, alerta e alerta máximo”, observa.

Segundo ela, o monitoramento das áreas de risco pela Defesa Civil é constante. Durante o período em que a operação vigora, os profissionais monitoram, diariamente, a quantidade de chuva prevista e que caiu, além de possíveis alterações no solo.

Comandante interino do 5° Grupo de Bombeiros de Guarulhos, Major Adriano Martins ressalta que o conhecimento prático feito em região diferente da que o profissional atua reforça as opções de soluções durante a atuação. “A prática na própria região não te dá a dimensão de outras situações complicadas. Esse treinamento trouxe a realidade do Grande ABC e, com isso, consigo comparar com a nossa realidade (Guarulhos)”, pontua. 

Adriano ainda avalia que a situação mais difícil durante o trabalho de campo pré-deslizamento é retirar as famílias das casas quando se trata de área de risco. “Nunca vou me acostumar. Mas é o melhor para elas por conta de todo risco da moradia”, finaliza. 

Moradora da Vila São Pedro, a balconista Thaís Araújo, 23 anos, lembra que próximo da casa onde vive já ocorreram dois deslizamentos de terra. “Quando chove é sempre muito difícil. Nós (os vizinhos) saimos para rua sempre para dar uma olhada. Temos medo de as casas de cima caírem sobre as nossas”, disse.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;