Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 27 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Só 35% dos crimes ocorridos em Sto.André são notificados


Samir Siviero
Do Diário do Grande ABC

13/04/2003 | 19:00


Apenas 35% dos crimes ocorridos em Santo André chegam ao conhecimento da polícia. Esse é um dos principais dados obtidos na Pesquisa de Vitimização 2002 feita entre outubro e novembro do ano passado, em Santo André e quatro capitais brasileiras, e divulgado no mês passado para as Prefeituras. O trabalho foi realizado pelo Ilanud (Instituto Latino-Americano das Nações Unidas para Prevenção do Delito e Tratamento da Delinqüência), Gabinete de Segurança Institucional do Governo Federal, e Fia (Fundação Instituto de Administração) da USP (Universidade de São Paulo).

Os dados mais próximos da realidade são referentes a roubos e furtos de carro, onde os crimes notificados chegam a 98% dos ocorridos. Em delitos como furto (11%), agressão física ou sexual (32%) e roubo (29%), as informações sobre a quantidade de crimes que acontecem ficam muito distantes da realidade e prejudicam o trabalho tanto preventivo quanto ostensivo da polícia para mapear locais onde há maior incidência. Os delitos que envolvem pessoas que se conhecem ou pouco dinheiro têm elevada taxa de subnotificação.

O objetivo da pesquisa é medir a criminalidade no local em sua totalidade, levando em conta casos de violência que ficam fora das estatísticas, por não chegarem ao conhecimento da polícia.

Além de apontar a subnotificação dos crimes na cidade, a pesquisa mostra que 53,8% da população está satisfeita com a atuação da polícia e que a maioria dos moradores de Santo André considera o tráfico de drogas, a pobreza do país, a crise econômica e a Justiça pouco rigorosa, em ordem de importância, como os principais responsáveis pela criminalidade.

De acordo com o secretário de Combate à Violência Urbana, Édson de Jesus Sardano, a pesquisa não apresenta grandes surpresas. “Os 35% de notificação dos crimes está acima da média das capitais que foram pesquisadas, mas está dentro do que imaginávamos e vai ao encontro do trabalho que fazemos na secretaria. Alguns dados, por exemplo, dão força à nossa intenção de descentralizar as delegacias 24 horas para incentivar a notificação dos crimes em áreas descobertas.”

Distanciamento – O ex-secretário nacional de Segurança Pública e coordenador do Instituto Braudel, José Vicente da Silva, acredita que a baixa notificação reflete o distanciamento da polícia e a falta de receptividade das instalações. “Quanto mais distante a população estiver da polícia, menor será sua confiança. Por isso a importância da abertura mais ampla da polícia comunitária.”

Para o delegado assistente da Seccional de Santo André, Édson Nogueira de Souza, a subnotificação atrapalha o serviço da polícia por não permitir a identificação correta de um assaltante, por exemplo. “Se não temos a informação correta temos de trabalhar com o que chega para nós, mas acho que a maioria dos casos chega para a polícia.”

Os técnicos entrevistaram 700 pessoas, maiores de 16 anos, em toda a cidade, questionando se tinham sido vítimas de algum tipo de delito nos últimos cinco anos. O mesmo questionário e metodologia foram utilizados em São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Vitória (ES) e Recife (PE).

Santo André foi incluída na pesquisa por ser considerado município-piloto para implementação dos programas do Piaps (Plano de Integração e Acompanhamento dos Programas Sociais de Prevenção da Violência) do Governo Federal.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;